Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

COMER & BEBER 2017/2018: restaurantes pizzarias

Confira a seleção dos melhores endereços dessa categoria

Por Redação VEJA RIO 28 jul 2017, 17h00

A edição especial VEJA COMER & BEBER Rio apresenta os melhores restaurantes da cidade. Abaixo, a seleção dos restaurantes pizzarias:

Alessandro e Frederico RDL: Batizado com os nomes dos filhos do fundador, o italiano Fabrizio Giuliodori, o grupo chegou a ter seis pontos no Rio — agora são dois. Com o fechamento da unidade D.O.C.G., dedicada às pizzas, as redondas produzidas pela rede ficaram confinadas ao Leblon, já que a outra loja, de cozinha rápida, dedica-se às massas. Saborosas receitas são produzidas com massa grossa e crocante, assada no forno a lenha, com ou sem borda. De mussarela de búfala e tomate-cereja, a margherita gourmet (R$ 69,50) é finalizada com basílico fresco. A prosciutto (R$ 78,50) tem presunto cozido sobre mussarela, molho de tomate pelado e azeitonas verdes (R$ 78,50). Da seara de pedidas gourmet, a burrata (R$ 85,50), leva mussarela de búfala, mascarpone, tomate-cereja fresco, presunto de Parma, aspargos refogados com queijo grana padano e rúcula. Os preços são para o maior tamanho. Calzones e panini completam o menu, junto com pratos no almoço e no jantar. Finalize a refeição com o clássico tiramisu (R$ 25,50).

Bráz: As filas não mentem. Grife paulistana bem-sucedida em solo carioca, a rede volta ao topo do pódio depois de bater a conterrânea Camelo, além das cariocas Prima Farina, Mamma Jamma, Alessandro e Frederico e Capricciosa — essa última a maior campeã na categoria. Com cardápio enxuto, o par de casas no Rio recorre a alguns dos melhores ingredientes da Itália para a produção de deliciosas pizzas montadas em massa de fermentação natural, as­sa­das no forno a lenha e servidas em dois tamanhos. Apreciadores de aliche encontram na Bráz uma versão saborosa para o clássico (R$ 48,00, no tamanho menor). O capítulo reservado às sugestões especiais elenca delícias que se tornaram marcas registradas, como a caprese (mussarela de búfala artesanal, folhas de manjericão gigante e pesto de azeitona preta) e a imigrante (sopressata di gioi, embutido defumado de partes nobres do porco, e tomate), criação para um dos festivais temáticos da casa que ganhou lugar fixo no menu. Ambas custam os mesmos R$ 84,00, no tamanho maior.

Camelo: A primeira filial carioca do tradicional endereço paulistano (que, curiosamente, surgiu em 1957 como um restaurante de cozinha árabe) ocupa um enorme casarão em Ipanema. As estrelas locais, montadas em massa fina e crocante, estão sob a batuta do pizzaiolo-chefe Antônio Macedo desde 1963. Foi dele a tarefa de treinar a equipe do Rio. São boas sugestões as redondas cobertas de escarola temperada com aliche, tomate e mussarela de búfala (R$ 74,00) ou de carpaccio de carne, rúcula, alcaparras e parmesão (R$ 80,00). Com preço fora da curva, a pizza de camarões (R$ 138,00) chega à mesa com os crustáceos fatiados e temperados, cobertos por azeitonas e queijo parmesão. Os valores referem-se ao tamanho grande, que satisfaz, pelo menos, duas pessoas. Quem quiser variar pode explorar outros capítulos do menu: há saladas, pratos tradicionais e petiscos típicos de boteco.

+ Os melhores restaurantes italianos

Capricciosa: Maior vencedora do COMER & BEBER na categoria, a rede com matriz em Búzios está no Rio há dezoito anos. Da farinha ao aliche, passando pelo tomate e o queijo, a maior parte dos ingredientes usados na cozinha é importada da Itália. A massa de longa fermentação garante leveza, enquanto o forno aquecido a mais de 400 graus deixa a borda crocante. Um minuto e meio no calor e saltam para as mesas pizzas como a capricciosa (R$ 58,00, individual; R$ 83,00, família), de tomate, mussarela de búfala, presunto, alcachofra, azeitona, funghi, bacon, ovo, salsa e hortelã. A unidade do Jardim Botânico tem um sabor exclusivo: a nera di bufala, coberta por mussarelas negra e branca, dois tipos de tomate, lascas de queijo grana padano e manjericão fresco (R$ 56,00 e R$ 86,00). O cardápio traz ainda massas sem glúten e pizzas sem molho de tomate.

Domenica: Nascida na Tijuca, a pizzaria desembarcou com suas saborosas pizzas de massa de fermentação natural em um bonito casarão de Botafogo. As receitas são do português Rodrigo Ribeiro — sócio da empreitada, ele trabalhou na cozinha do restaurante Al Pescatore, em Ostia, nos arredores de Roma. Dica do menu, a aromática clemenza reúne peperone, tomate-cereja, alho e manjericão (R$ 37,00). Outra pedida aprovada, a diavola (R$ 32,00) é coberta por deliciosa linguiça artesanal, levemente picante. O tamanho servido é único, de 30 centímetros. Os discos são abertos na hora do pedido e assados em forno a lenha. A título de sobremesa, a pizza de chocolate sai a R$ 24,00.

IMG_9400 (2)
Eccellenza Pizzaria Eccellenza/Divulgação

Eccellenza Pizzaria: Depois de uma reforma no casarão, a pizzaria passou a oferecer sabores de lasanha a partir de R$ 47,50. Outro serviço recém-chegado é o do bufê de almoço (R$ 37,80, segunda a sexta; R$ 43,80, sábado e domingo). No cardápio principal, vigoram as sugestões do restaurateur Floriano Abinader e redondas elaboradas por chefs convidados. A salame, criada pelo arquiteto Chicô Gouvêa (responsável pelo ambiente atual), tem cobertura de tomate pelado, dois tipos de mussarela, salame em cubinhos, azeitona, pimenta calabresa e orégano (R$ 75,50). Desenvolvida pelo sommelier Marcelo Copello, a gran riserva (R$ 81,50) leva tomate pelado, mussarela especial, fatias de rosbife, cebolas carameladas em redução de vinho tinto, lascas de queijo grana padano e toque de páprica picante. Uma pedida tradicional, a margherita custa R$ 47,50 (todos os preços são para o tamanho grande). Por lá, até o petit gâteau de chocolate (R$ 29,50) é assado no forno a lenha.

Continua após a publicidade

Ella: A linda casa, por onde passou rapidamente o restaurante Ró, ganhou novo inquilino. Empreitada de Pedro Siqueira, o chef à frente do Puro e do Massa, a pizzaria tem cardápio original e preços atraentes. Deliciosa, a massa de fermentação natural é obra do padeiro Marcos Cerutti, dono da S.p.A. Pane. Leve e aerada, marca presença da entrada (na original porção de bordas com os três molhos que servem de base para as pizzas, R$ 19,00) à sobremesa (em uma espécie de palha italiana com raspas de limão, R$ 19,00). A etapa principal lista dez sabores, alguns bastante originais, a exemplo da polpa (polvo, pancettta defumada, vinagrete de pimenta-biquinho e rúcula selvagem, R$ 37,00) e da sarda (sardinha marinada, pesto de azeitona, alho confit e capuchinha fresca, R$ 33,00). Também tem margherita (R$ 29,00). Alex Mesquita assina a carta de drinques, com sugestões envelhecidas em barril de carvalho, a exemplo do potente carry nation (R$ 28,00): licor Chartreuse, Cynar, Aperol, absinto e vermute Noilly Prat. Curiosidade: o coquetel presta “homenagem” a Carrie Amelia Nation (1846-1911), radical opositora ao consumo de álcool que ficou conhecida por adentrar tabernas americanas com machado em punho para quebrar tudo o que encontrasse pela frente.

+ Os melhores restaurantes pizzarias

Ferro e Farinha: O primeiro empreendimento carioca do nova-­iorquino Sei Shiroma, dono também do South Ferro (leia em Comidinhas), oferece pizzas tão boas que chegaram rapidamente ao radar dos jurados de COMER & BEBER. No mesmo ano de abertura, em 2015, as redondas foram eleitas as melhores da cidade. O espaço, com um balcão mínimo, mesas comunitárias na calçada e nenhum conforto, não deve intimidar o caro leitor. Por lá tudo é tratado de forma muito séria: a massa de fermentação natural, leve e elástica, serve de base para coberturas nada triviais, como a de couve marinada em shoyu e gengibre, alho confit e mel picante (R$ 34,00), batizada de adobo verde. Outra dica, a pic nic apimentado (R$ 35,00) faz uma releitura do tradicional sabor quatro queijos: é coberta de ricota, mussarela fior di late, gorgonzola e grana padano, além de, para coroar, um pouco de mel picante. As pizzas são feitas em tamanhos individuais. A cada semana, Shiroma e equipe apresentam novidades.

Gattopardo: Com esta reencarnação do badalado estabelecimento que, por mais de duas décadas, manteve na Lagoa, Ricardo Amaral volta a apostar suas fichas na pizza. A massa de longa fermentação, agora um pouco mais grossa, recebe coberturas como a mamma mia, de abobrinha, queijo brie, parmesão, calabresa moída e tomate (R$ 44,00). Na parte trattoria do menu, outro acerto é o robusto polpetone à parmigiana, recheado de queijo e coberto por molho de tomate (R$ 59,00) — o mesmo preço pode trazer meia-porção (bem servida) ao lado de espaguete ao sugo. Para finalizar, abacaxi grelhado com sorvete de creme (R$ 18,00).

Mamma Jamma_Pappa Janjao_Credito Rodrigo Azevedo
Mamma Jamma Rodrigo Azevedo/Divulgação

Mamma Jamma: Em 2017, a terceira unidade, no Recreio Shopping, foi inaugurada. Cido Silva, de São Paulo, chef egresso da rede Cuochi, foi convocado para desenvolver novos pratos — os endereços na Zona Oeste passaram a oferecer menu executivo e massas frescas nos fins de semana. No cardápio de pizzas assadas a 550 graus, nada muda. O sabor batizado como mamma jamma (R$ 46,00, individual; R$ 66,00 a grande) tem cobertura de molho de tomate natural, mussarela de cura especial, calabresa artesanal apimentada, lascas de queijo parmesão gratinado e orégano chileno. Um sucesso, a tartufata (R$ 49,00 e R$ 69,00) traz mussarela, provolone, shiitake e toque de figos secos, finalizada com azeite trufado. Aliás, azeite é coisa séria por lá: uma carta com cerca de vinte tipos fica à disposição dos clientes.

Prima Farina: Após quatro anos só no serviço de delivery, a casa ganhou endereço fixo, em um cantinho na galeria onde fica o Teatro do Leblon. O salão pequenino tem projeto de decoração simples, mas cuidadoso, em que se destacam paredes de azulejos brancos, um quadro-negro no qual são exibidas as sugestões e um pequeno bar. A clientela acomoda-se em mesas de madeira preta na parte interna ou no corredor, sob um toldo. Feita com farinha do tipo 00, tomate pelado e outros ingredientes importados da Itália, a especialidade local tem massa fina e crocante, ideal para comer com as mãos. A caprese é coberta de molho de tomate, mussarela de búfala, tomate-cereja e manjericão (R$ 76,00, 40 centímetros). Outra dica acertada leva presunto cozido, champignon e orégano (R$ 65,00). Os preços são para o tamanho família. Em tempo: a área de entrega vai até Botafogo.

+ Os melhores restaurantes na serra

Stravaganze: O casarão que abriga a pizzaria perto da Lagoa tem projeto da arquiteta Bel Lobo. No salão sobressaem paredes de cimento queimado e luminárias de ferro. Dudu Camargo, o chef, divide suas pizzas em tradicionais, especiais e doces. Tão bom quanto redondas como a napoletana (R$ 61,60), de tomate pelado, alho em lâminas, parmesão, manjericão fresco e orégano, é o pão da casa (R$ 35,90): assado no mesmo forno a lenha, revela camadas de linguiça calabresa, presunto, cebola, provolone, parmesão e manjericão a cada mordida. Na ala de pizzas especiais, a que leva o nome da casa tem tomate pelado, gorgonzola, lascas de pera, nozes e alho-poró refogado em redução de vinho branco e manteiga, além de orégano (R$ 78,70). As opções salgadas só têm um tamanho, para dividir. Pizzas doces, a exemplo da fragola, com morangos ao marrasquino e Nutella, podem ser pedidas em dois tamanhos (R$ 54,80, individual; R$ 77,00, grande).

Continua após a publicidade
Publicidade