Clique e assine com até 65% de desconto

Tati Lund, do Org Bistrô, é eleita chef do ano no Prêmio Comer & Beber

À base de muita pesquisa e técnica apurada, ela alçou a culinária vegetariana a outro patamar

Por Redação Atualizado em 20 nov 2020, 15h44 - Publicado em 20 nov 2020, 06h00

Fazer uma refeição no .Org Bistrô, de Tati Lund, é uma oportunidade única para desbravar o reino vegetal e seu potencial máximo de oferecer uma cozinha diversificada, técnica e extremamente saborosa. Não é exagero dizer que essa jovem carioca de 33 anos e jeito doce consegue alçar a culinária vegana a outro patamar e ainda afastar dela o estigma de insossa.

+ Polvo com bacon do Velho Adonis é eleito o melhor petisco

Tudo em seu restaurante deriva de uma dedicada imersão em estudos e pesquisas. Logo depois de se formar em nutrição na UFRJ, Tati foi se aperfeiçoar no Natural Gourmet Institute, em Nova York, referência mundial na gastronomia natural.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Era o ponto de partida para sua jornada mundo afora, sempre impulsionada pela ambição de pôr em prática uma filosofia alimentar mais saudável e sustentável. A chef fez escalas na Plantlab, escola na Califórnia comandada por Matthew Kenney, um dos papas do assunto, e ingressou em cursos na Indonésia, na Tailândia, no México e no Peru. Cozinhou com povos ribeirinhos na Amazônia e com refugiados na Jordânia.

Continua após a publicidade

Seu repertório se reflete em receitas autorais coloridas, inspiradas por culturas diversas e levadas à mesa com apresentação requintada. Uma obsessão atual são os queijos de leite de castanha-de-caju.

+ Arp Bar, no Arpoador, tem o melhor visual do Rio

Surpreendentes de tão agradáveis ao paladar, estão por todo o cardápio, realçando de entradas a sobremesas. Nos jantares especiais embalados por menus degustação, sua criatividade se revela em receitas inesperadas.

Em outubro, Tati trouxe de uma incursão pelos rios Tapajós e Arapiuns, no Pará, ideias para um percurso vegetariano que incluiu vinagrete de feijão-manteiguinha, cuscuz de farinha-d’água, arroz de açaí, drinque de jambu e outras delícias. “Valorizar o que temos na nossa terra é uma forma de preservar nossa cultura culinária”, resume sua filosofia. A gastronomia agradece.

+ . Org ganha prêmio de melhor restaurante vegetariano da cidade

Continua após a publicidade
Publicidade