Clique e assine por apenas 4,90/mês

Daniel Boulud: “Os bons restaurantes alimentam a alma das pessoas”

Com dezenove operações mundo afora, o chef e restaurateur francês de 65 anos falou a VEJA RIO sobre os impactos da pandemia à mesa

Por Carolina Barbosa - Atualizado em 14 ago 2020, 19h21 - Publicado em 14 ago 2020, 07h00

Com dezenove operações mundo afora, sendo treze restaurantes, o premiado chef e restaurateur francês Daniel Boulud, de 65 anos, falou a VEJA RIO sobre os impactos da pandemia à mesa e os desafios da reabertura.

+Pesquisa revela o que mudou na forma de comer e beber fora de casa

Quais estratégias o senhor traçou para a reabertura de seus restaurantes?

Além dos protocolos de segurança, passamos a oferecer menus mais em conta. No Daniel, de Nova York, por exemplo, o padrão era bem alto e o preço elevado, então adaptamos todo o cardápio e o serviço, com o objetivo de baixar as cifras.

O que mudou no atendimento?

No primeiro dia que abrimos, meu maître veio com um terno, todo alinhado. Disse a ele para se livrar da gravata e manter o lindo paletó, mas para colocar um belo jeans. O tom agora precisa ser um pouco mais casual.

Como avalia o impacto da pandemia na alta gastronomia?

Eu não acho lógico e, neste momento, nem me anima voltar ao modelo antigo da alta gastronomia. A ideia é dar mais escolhas aos nossos clientes e aí eles decidem como pretendem viver suas experiências.

Continua após a publicidade

Isso é financeiramente viável?

Será um duro desafio equilibrar a alta nos custos da operação com a redução de preços. Se o cliente decide ficar mais tempo no restaurante e não podemos girar a mesa, isso nos complica financeiramente.

O modelo dos bons restaurantes está ameaçado?

Acredito que o luxo nunca vai acabar. Os bons estabelecimentos alimentam a alma das pessoas, suas relações e até a própria inteligência. Ir a um restaurante de alta gastronomia é uma experiência que fica na memória.

Em sua opinião, o que ficará como herança desta pandemia?

Teremos de repensar tudo o que aprendemos sobre modelos de negócios, seja na gastronomia, seja em qualquer outra atividade.

+O chá bate recorde de vendas, vira tema de cursos e invade os drinques

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade