Clique e assine por apenas 4,90/mês

Bares substituem música ao vivo por transmissões em lives

Reabertos com restrições - ou fechados, mas com vocação musical, como o Bip Bip - os endereços veem no show on-line uma solução para manter a programação

Por Carolina Barbosa - Atualizado em 9 jul 2020, 14h47 - Publicado em 9 jul 2020, 14h43

Reaberto no último dia 2 após mais de três meses fechados, o Bhar! Ginteria Descolada, na Tijuca, enfrenta, como estabelecimentos do gênero, restrições diversas. Além de horário mais curto, capacidade reduzida a 50%, divisórias entre as mesas, espaçamentos e todas aquelas regras de ouro impostas pela prefeitura, outra proibição é a da música ao vivo, antes recorrente na programação da casa.

+Produtores de orgânicos registram lucros com migração para vendas on-line

Por isso, os sócios Mozart e Luciano Jardim, à frente da empreitada, decidiram investir em um novo formato. Figura conhecida do reduto, o cantor Gil Bala se apresentará de sua casa e, via web, o show será transmitido no bar, uma adaptação de música ao vivo em tempos de coronavírus. A live está marcada nesta sexta (10), entre 20h e 22h, no instagram do bar, e terá apresentação da atriz Glamour Garcia.

Ginteria: show da Gil Bala Instagram/Reprodução

Iniciativa semelhante terá o Coordenadas Bar, em Botafogo. Em homenagem ao Dia Internacional do Rock, a casa promove no dia 19, um domingo, a partir de 16h, um festival com apresentação de DJs, bandas e artistas plásticos, tudo on-line, claro. A transmissão será pela plataforma digital de streaming Sound Club Live.

Continua após a publicidade

+ Festival de paródias presidido por Tatá Werneck e Marcelo Adnet dará 2 000 reais ao vencedor

No ar, virtualmente falando, serão aproximadamente 6 horas de atrações ao vivo. In loco, no Coordenadas, apenas a vocalista da banda Blastfemme, Dani Vallejo, o produtor e integrante do coletivo Pedrada TV, Rodrigo Coimbra, junto a DJs, sob normas rígidas de distanciamento e de segurança. Todas as participações de outros grupos e artistas plásticos se darão remotamente.

Além das cariocas Astrovenga e Hatefulmurder, a banda Carbônica, de São Paulo, também integra a programação do evento, com ingressos gratuitos e colaborativos àqueles que desejarem contribuir (outras informações pelo instagram).

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Continua após a publicidade

Conhecido pelas noites de terça embaladas a jazz há cerca de seis anos na era pré-pandemia, o Armazém Cardosão, em Laranjeiras, retoma na terça (14), às 19h, sua jam session com Joé Arimatéa & Ney Conceição, músicos carimbados por lá. Aos interessados, a live será no instagram e, durante o show, será exibida no vídeo uma conta corrente para quem quiser colaborar com os músicos.

Armazém Cardosão: jazz on-line Armazém/Divulgação

“No Coordenadas, a música era a protagonista do bar. Sempre tivemos bandas, covers, karaokês, DJs, etc. No Armazém, além dessa jam session, tínhamos sambas, shows de voz e violão, MPB, ou seja, duas casas com perfis musicais. Nestes tempos, mais do que nunca, nós, de bares, precisamos nos unir aos músicos, um agregando e ajudando ao outro”, diz o empresário Rodrigo Caucotto, sócio das duas empreitadas.

Ainda fechado e sem data de reabertura, o clássico Bip Bip, em Copacabana, já exibiu tributos memoráveis durante a quarentena. Tudo transmitido pelas redes sociais do amado pé-sujo. Em 19 de junho, por exemplo, uma roda em homenagem ao cantor Chico Buarque bateu recorde: começou às 20h30 e enveredou madrugada adentro, terminando às 7h05, sem sair do ar por um minuto sequer. Resultado: 142 músicas diferentes enfileiradas.

Rita Fernandes: Interrompidas pelo isolamento imposto pela Covid-19, as rodas de samba precisam do encontro e do contato físico entre pessoas para que possam existir

Continua após a publicidade

Por lá, a programação virtual segue a todo vapor e um financiamento coletivo ajuda a manter de pé este patrimônio da boemia carioca e seus projetos sociais. As rodas de choro entram em cartaz às segundas e as de samba ocupam as noites de quinta. Um aviso: tem hora de início (às 21h), mas não acaba antes das 2 da manhã.

View this post on Instagram

VEM QUE PASSA, TEU SOFRER Há exatos três anos. Já passava das 5 da manhã, Alfredinho na mesinha dele com o também saudoso Serginho e o querido Alexandre. Dentro do bar, tinha mais samba com esses sobreviventes que já estavam ali fazia umas 8 horas seguidas cantando Chico. Hoje tem mais. Nosso encontro será aqui na página do Instagram. 20:30 é o início. O final, ninguém sabe… 🎥 @ju_vinc

A post shared by Bip Bip (@rodadobip) on

Continua após a publicidade

Publicidade