Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Mostra celebra 50 anos do encontro entre Oiticica e Neville d’Almeida

Cosmocinema marca reabertura da Galeria Aymoré, na Glória, exaltando as experiências sensoriais criadas pela dupla de artistas na década de 70

Por Marcela Capobianco Atualizado em 12 out 2020, 13h00 - Publicado em 12 out 2020, 12h59

A Galeria Aymoré, na Glória, Zona Sul da cidade, vai voltar a receber o público na próxima sexta (16), com a exposição inédita e imersiva Cosmocinema.

+ Galeria em Ipanema reabre com provocações sobre o futuro

A mostra traça um paralelo entre os trabalhos do artista plástico Hélio Oiticica e do cineasta Neville d’Almeida, amigos e parceiros na construção das icônicas instalações sensoriais batizadas de quasi-cinemas – blocos experiências em Cosmococas.

+ Prêmio Veja Rio Comer e Beber chega à 24ª edição em novembro

Serão exibidas a instalação Cosmococa 3 (1973-74), inspirada em Marilyn Monroe e inédita no Brasil, e os filmes Mangue Bangue (1971) e Jardim de Guerra (1970), disponibilizado ao público pela primeira vez na íntegra, já que esta versão foi censurada durante o período da Ditadura Militar no Brasil.

Cosmocinema celebra os 50 anos do encontro entre o artista Hélio Oiticica e o cineasta Neville d’Almeida, que aconteceu em Nova York durante os anos 1970, quando realizaram trabalhos conjuntos.

Continua após a publicidade

+ Rio Montreux Jazz Festival terá edição on-line

As obras expostas mostram o desenvolvimento dessa parceria, desde as experiências audiovisuais até o momento em que começaram a criar as Cosmococas juntos.

As Cosmocapsulas, filmes criados pela dupla dentro das Cosmococas, também integram a mostra.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

“Buscar as obras imersivas do Oiticica, principalmente a Cosmococa feita em parceria com Neville, nesse momento pandêmico e de conturbação política, é quase que imperativo. O trabalho foi feito há 50 anos, mas continua sendo extremamente contemporâneo e necessário, ainda mais para um momento de isolamento social, sendo a obra uma grande representação do contato e da parceria física”, afirma Gabriela Davies, curadora da Galeria Aymoré.

Para se adequar às restrições impostas pela pandemia e promover maior imersão nas instalações, a visitação deverá ser agendada previamente no site da Galeria Aymoré e restrita a seis pessoas a cada hora.

A Villa Aymoré fica na Ladeira da Glória, 26. O funcionamento é de terça a sábado, das 13h às 18h. A entrada é gratuita.

Continua após a publicidade
Publicidade