Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Ed Motta reclama de taxa cobrada por restaurantes e chefs rebatem

Taxa de rolha cobrada de quem leva o próprio vinho foi criticada. "Ed Motta, você leva colchão pra hotel e pede desconto?", indagou Thomas Troisgros

Por Redação VEJA RIO Atualizado em 22 Maio 2018, 17h23 - Publicado em 22 Maio 2018, 17h04
Instagram/Reprodução

O cantor Ed Motta criticou, por meio do Instagram, os restaurantes Lasai e Oteque por cobrarem taxa de rolha de 150 reais de clientes que levam os próprios vinhos. Ele classificou a suposta medida das casas como “política classicista” e as chamou de “puxa saco de gente rica”. No final da publicação, desabafou: “desprezível”. O chef Rafa Costa e Silva, do restaurante Lasai, rebateu a crítica em post na mesma rede social: “Tenho uma maravilhosa sommelier que faz um espetacular trabalho e tem um salário, que devo pagar, que sai das vendas dos vinhos! Tenho taças de cristal, que você adora, e que custam em média R$ 40 a peça… Eu também tenho que pagar as quebras e reposições… Você acha que isto cai do céu? NÃO! Eu cobro rolha e tenho uma política que acredito ser super justa e honesta. Se você não acha, BEM, NÃO VENHA, você não é bem-vindo!” O embate gerou discussão sobre a taxa que alguns restaurantes cobram pelo serviço e levou alguns mestre-cucas estrelados a se posicionarem sobre o assunto.

Felipe Bronze, chef do restaurante Oro, duas estrelas no Guia Michelin, disse: “As pessoas não entendem a complexidade desse negócio. Já está mais que na hora da restauração ter seus custos discutidos. Sem falar que nunca vi ninguém execrar um carro BMW ou uma bolsa Hermès pelo preço; lembrando que todo mundo pode escolher comer e beber em outro lugar. Restaurantes são negócios como outro qualquer, obedecem a uma lógica de vendas, faturamento e lucro (quando tem). Isso precisa ser compreendido. Urgentemente.”

Thomas Troisgros, do também estrelado Olympe, questionou: “Ed Motta, você leva colchão pra hotel e pede desconto?”. Pedro de Artagão, à frente da cozinha de restaurantes como Irajá, Formidable e Azur, também se manifestou contra quem não entende (ou não quer entender) a política da rolha: “Restaurante não é banco de praça. Traz bolo pra cantar parabéns, traz vinho, já, já tá trazendo um bife pra você grelhar… Fala sério”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 12,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)