Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Projeto Mães da Favela quer conectar à internet 2 milhões de pessoas

Programa se expandirá por todo o país

Por Agência Brasil 25 set 2020, 10h48

Depois de ser lançado nesta quinta (24) na Favela de Heliópolis, em São Paulo, o projeto Mães da Favela ON será inaugurado hoje (25) na Favela da Rocinha, no Rio de Janeiro, numa ação conjunta da Central Única das Favelas (Cufa), Comunidade Door e Alô Social.

Segundo os organizadores, o programa é o maior projeto de conectividade em favelas já feito no Brasil e pretende levar internet gratuita para 2 milhões de pessoas até julho de 2021.

+Tembici lança compartilhamento de bicicletas elétricas no Rio 

Trata-se de uma continuidade da iniciativa Mães da Favela, lançada em abril, após o início da pandemia de covid-19 no país. No Mães de Favela, é feita a distribuição de cestas básicas, físicas e digitais, nas mais de cinco mil favelas brasileiras onde a Cufa tem atuação. A seleção das mães é feita pelas lideranças regionais da instituição, de acordo com a priorização por necessidade.

Depois do Rio, o programa se expandirá por todo o Brasil. Segundo a organização, para que a plataforma seja aproveitada como uma ferramenta de retomada econômica e educacional, o projeto terá como foco o acesso aos conteúdos voltados à educação e ao empreendedorismo.

+Meteorologia: Rio terá fim de semana de sol e temperatura acima de 35°C 

A ação vai disponibilizar conexão aberta à internet em diversos pontos de 150 complexos de favelas nos 26 estados e no Distrito Federal, além da distribuição de chips da empresa Alô Social, em parceria com a TIM, para as 500 mil mães previamente cadastradas.

Continua após a publicidade

Dificuldades corriqueiras

De acordo com o fundador da Cufa, Celso Athayde, a iniciativa nasceu a partir do relato de mães atendidas que, além das dificuldades corriqueiras e as impostas pela crise da covid-19, veem seus filhos sem a opção de se adequarem ao ensino remoto imposto pelo isolamento social por não terem os equipamentos necessários ou internet disponível para as aulas.

“É claro que eu penso muito na educação das crianças, mas quem conhece esta realidade de perto sabe que, muitas vezes, enquanto a mãe do asfalto está preocupada com o reinício das aulas, as mães da favela estão tentando salvar a vida dos filhos naquele dia. Manter as famílias conectadas é uma necessidade de sobrevivência”, disse Athayde, em nota.

+Coronavírus: Carnaval 2021 é adiado no Rio 

A instalação dos pontos de wifi livre ficará a cargo da Comunidade Door. A coordenação da curadoria e chancela do projeto fica por conta da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), que apoia o Mães da Favela desde a sua criação com patrocínio do Instituto Unibanco.

+Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade