Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Rio antigo: livro resgata obra de fotógrafo francês do início do século XX

Fotos de André-Charles Armeilla registram pontos turísticos da cidade, como a Enseada de Botafogo, os Arcos da Lapa e a Vista Chinesa

Por Marcela Capobianco Atualizado em 3 dez 2020, 15h12 - Publicado em 3 dez 2020, 15h07

Considerado um “elo perdido” entre Marc Ferrez e Augusto Malta, o fotógrafo francês André-Charles Armeilla registrou o Rio de Janeiro no início do século XX, mas não ganhou fama porque muitos de seus negativos não tinham assinatura.

+ Gal Costa lança duetos com Rodrigo Amarante, Silva, Rubel e outros cantores

Após uma longa pesquisa, o artista está sendo finalmente celebrado. O livro Armeilla: um Mestre Esquecido da Paisagem Carioca, da editora Capivara, reúne 180 registros do fotógrafo no Rio, Petrópolis, Niterói e Paquetá. Entre as imagens que ilustram o livro estão vistas deslumbrantes e icônicas do Rio: Vista Chinesa, Baía da Guanabara, Lagoa Rodrigo de Freitas, Pedra do Arpoador, Arcos da Lapa, Enseada de Botafogo, Pão de Açúcar, Quinta da Boa Vista e Jardim Botânico.

Arcos da Lapa: foto tirada por Armeilla na Rua Mem de Sá, circa 1906
Arcos da Lapa: foto tirada por Armeilla na Rua Mem de Sá, circa 1906 André-Charles Armeilla/Reprodução

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Com texto do historiador Pedro Corrêa do Lago, a publicação tem 180 tiragens originais, a maioria inédita, redescoberta em coleções particulares e públicas. “Armeilla está entre os grandes mestres da paisagem carioca do período 1890-1910. A precisão dos negativos nos permitiu revelar a foto dentro da foto, mostrando detalhes da paisagem com muita nitidez”, conta Pedro Corrêa do Lago.

+ Zé Pelintra pode se tornar patrimônio cultural do Rio

Enseada de Botafogo: essa vista seria retratada constantemente nas décadas posteriores
Enseada de Botafogo: essa vista seria retratada constantemente nas décadas posteriores André-Charles Armeilla/Reprodução

A pesquisa feita por Agenor Araújo Filho para o livro traz a contribuição de Armeilla publicada, em grande parte, em cartões-postais – são mais de 500, em diversas versões – e na imprensa ilustrada carioca, a exemplo das revistas Kósmos e Careta, principalmente entre 1903 e 1913.

+ Baby do Brasil faz show nesta sexta (4): “Mais madura e ousada”

Continua após a publicidade
Publicidade