Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Com Luiz Antonio Simas na curadoria, MAR abre exposição sobre lado B do Rio

Com quase 600 obras, a mostra Crônicas Cariocas, com abertura prevista para 25 de setembro, trata de um Rio que, apesar dos pesares, revive diariamente

Por Marcela Capobianco 16 set 2021, 14h34

Com o desejo de falar do Rio de Janeiro que não figura nos livros, mas que vive no imaginário de quem circula diariamente por suas ruas, o Museu de Arte do Rio inaugura, no próximo dia 25 de setembro, a exposição Crônicas Cariocas.

A curadoria é de Amanda Bonan e Marcelo Campos, do MAR, além do historiador Luiz Antonio Simas e da escritora Conceição Evaristo.

+ Ícones da cultura iorubá ganham exposição no MAR

“Pensamos a partir da frase impactante e fundamental de Ailton Krenak: ‘É preciso adiar o fim do mundo para contar mais uma história’. Mas que histórias seriam essas que valeriam a pena continuar contando hoje? Vamos falar dessa cidade partida”, conta Amanda.

Quase 600 obras, entre pinturas, fotografias, vídeos, objetos e instalações vão se espraiar por três galerias do museu, dando vida a histórias do cotidiano; às relações com a vizinhança; festas; encontros dos ônibus lotados e calçadas.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Peças de Guignard (1896-1962), Di Cavalcanti (1897-1976) e Lasar Segall (1889-1957) dividem o espaço expositivo com obras de artistas contemporâneos como Denilson Baniwa, Lucia Laguna e Laerte.

Continua após a publicidade

Também estarão por lá produções dos consagrados Mestre Didi (1917-2013) e Arthur Bispo do Rosário (1909-1989).

pintura de um vendedor de mate da praia, vestido roupa laranja e segurando um galão
Guilherme Kidd: artista retrata a figura conhecidíssima do vendedor de mate da praia ./Divulgação

+ Analice Gigliotti: o que está por trás da saída de Tiago Leifert da TV Globo

Marcelo Campos ressalta que Crônicas Cariocas trata de um Rio que, apesar dos pesares, revive diariamente. “Ela fala da cidade suburbana, de um Rio que reza e dança, que inventa seus próprios deuses, enquanto se organiza no trabalho informal e na poesia dos trens e das praças. Um Rio que viu seus cinemas fecharem, suas linhas de ônibus deixarem de ligar as zonas Sul e Norte, mas que, ainda assim, renasce todos os dias.”

+ Cultura resiste: ArtRio leva 15 000 pessoas à Marina da Glória

Já no início da exposição o visitante será surpreendido por um burburinho vindo do túnel que dá acesso às galerias. Trata-se do áudio de uma conversa entre Luiz Antônio Simas, Conceição Evaristo e a cantora Teresa Cristina. A ideia é brincar com as conversas de janela entre vizinhos.

Em paralelo à coletiva, o MAR vai lançar, semanalmente, nas redes sociais do museu, a série Isso é a cara do Rio! Composta por dez vídeos, a sequência vai abordar o cotidiano do carioca em situações do dia a dia, comumente observadas pelas ruas do município. Todo o conteúdo dialoga com a proposta da mostra.

+ Onde será obrigatório mostrar carteirinha de imunização

Abertura: sáb. (25). Praça Mauá, sem número, Centro. Qui. a dom, 11h/18h. R$ 20,00. Ingressos pelo museudeartedorio.org.br. 

Continua após a publicidade
Publicidade