Clique e assine com até 65% de desconto

Mais de 100 endereços de bares para comer e beber no Rio

Separados por bairros e regiões, os locais destacam uma boa seleção etílica, petiscos e outros atrativos

Por Bruna Motta Atualizado em 27 nov 2020, 01h21 - Publicado em 20 nov 2020, 06h00

CENTRO E ARREDORES

CENTRO
Bar Luiz
Quando chegou ao atual endereço, em 1927, a casa já existia fazia quatro décadas. Trata-se de um patrimônio da cidade que sofre mais do que deveria com vaivéns administrativos e econômicos. Em 2019, seu fechamento chegou a ser anunciado, mas a notícia provocou uma onda de solidariedade. Atrás da inconfundível fachada de madeira, o cardápio exibe sugestões de inspiração alemã. São pratos como o kassler, um par de costeletas de porco (R$ 69,00), o bife à milanesa (R$ 45,00) e a dupla de salsichas brancas ou salsichões (R$ 46,00 cada pedido). A guarnição fica à escolha do freguês – as favoritas são salada de batata e chucrute. O chope Brahma (R$ 8,00 a caldeireta) começou a ser tirado por lá quando a cervejaria foi fundada, em 1888, e a tentativa de trocá-lo por outra marca não deu certo. Para beliscar, a pedida é o croquete de carne suína (R$ 10,00 a unidade). Rua da Carioca, 39, Centro, ☎ 2262-6900 (140 lugares). 11h30/16h (fecha dom.). Aberto em 1887.

Cazota Bar
No casarão colonial entre as ruas Riachuelo e Mem de Sá, o foco do negócio do argentino Uriel Árias e do capixaba Bruno Pessoa são os preparos na brasa. Carnes, legumes e sanduíches são grelhados em parrilla com carvão e lenha e oferecidos em portões fartas. Hit local, o churrasco vegetariano (R$ 60,00) reúne batata, abobrinha, brócolis, batata-doce e outros vegetais da temporada, além de pão de alho, queijos e cogumelo. Na ala carnívora, a picanha suína marinada é assada em fogo alto e chega à mesa acompanhada de batata-doce e molho de mostarda da casa (R$ 50,00). Entre os drinques, o bloody mary é servido em copo defumado com folhas de louro (R$ 20,00). Aos que preferem cerveja, cascos de Bohemia, Original, Stella Artois e Eisenbahn são vendidos a R$ 10,00. No 1º andar, um palco sedia apresentações de jazz às quintas, jam session às sextas e música latina aos sábados. No 2º andar funciona a produtora audiovisual homônima, com galeria que exibe exposição de arte urbana de artistas ou coletivos selecionados pelo grafiteiro Cazé. Avenida Gomes Freire, 791, ☎ 2509-0996 (50 lugares). 12h/22h (sáb. até 18h; fecha dom. a ter.). Aberto em 2017.

Cine Botequim
Nas prateleiras, as garrafas dividem espaÁo com bonecos do Mestre Yoda, do E.T. e do Buzz Lightyear, entre outros personagens. Cartazes de filmes se espalham pelas paredes do casarão. O cinema também inspira nomes no cardápio, como o thor, naco de 500 gramas de torresmo, levado ao forno e cortado na mesa (R$ 32,00). A porção de pastéis de bacon e catupiry (R$ 25,00, quatro unidades) atende por curtindo a vida adoidado. Na seção liga das coxinhas, uma pedida traz o salgado de frango e catupiry à parmigiana, com molho de tomate e mussarela derretida por cima (R$ 10,00). O número de rótulos de cerveja diminuiu, hoje gira em torno das vinte opções. A lista vai das garrafas de 600 mililitros de Heineken (R$ 15,00) e Eisenbahn (R$ 12,00) à American IPA Hocus Pocus Interstellar (R$ 36,00, 500 mililitros). Rua Conselheiro Saraiva, 39, Centro, ☎ 2253-1414 (120 lugares). 11h30/22h (seg. e ter. até 16h; sáb. 11h/16h; fecha dom.). Aberto em 2010. → Clique e peça pelo

Labuta
Aberto em fevereiro de 2020, o bar está instalado no mesmo imóvel responsável por abrigar o Armazém do Senado que, em tempos normais, promove respeitadas rodas de samba. Tocado pelo chef Lucio Vieira, também à frente do Lilia, a poucos metros dali, o endereço surgiu com a proposta de oferecer comida de boteco (muito) bem-feita. No ambiente modesto, os clientes podem se acomodar em bancos altos para escolher os pedidos no quadro (aqueles antigos, típicos de botequim) e comer sobre o balcão. O cardápio enaltece os populares PFs, servidos diariamente até as 15h, com opções divulgadas previamente pelo Instagram – o galeto assado na brasa com salada de batata ainda vem com arroz, feijão e farofa (R$ 27,00). Para acompanhar, casco de cerveja Brahma ou Antarctica (R$ 7,00, 600 mililitros cada uma) ou ainda uma clássica caipirinha (R$ 10,00). Avenida Gomes Freire, 256, loja fundos (entrada pela Rua do Senado), Centro, ☎ 3148-2156 (9 lugares). 11h/19h (fecha dom.). Aberto em 2020. Clique e peça pelo

Xian
Rod Werner é um mixologista experiente e bem-humorado. Criação sua, o amarguinho ahumamalayê (R$ 36,00, com vodca Grey Goose, Cynar, bitters, óleo sacharum e suco de limão) foi batizado quando ele ouviu um garçom da casa avisando para arrumar as malas de um cliente ó a frase foi “arruma a mala aí”.Vizinho do Aeroporto Santos Dumont, e com um terraço enorme, o recanto à beira da Baía tem vista panorâmica que encanta viajantes, com suas malas, e locais. Lá, Werner oferece pedidas como o já clássico aperol morreu (R$ 28,00, vodca, espumante, gengibre, bitters e espuma de laranja) e o doce sugar baby (R$ 36,00, uísque irlandês, brandy de banana, licor de amêndoas, Angostura, purê de banana-da-terra defumado, suco de limão e abacaxi). Na contramão da crise, o extenso cardápio, uma viagem pela cozinha oriental, foi ampliado. Na ala das sugestões japonesas, a dupla jo tokyo traz sushi estruturado por salmão com tartar de atum temperado, salsa de trufas e ovos de codorna (R$ 22,00). Avenida Almirante Silvio de Noronha, 365, cobertura, Centro, ☎ 2303-7080 (330 lugares). 12h/22h. → Aberto em 2017. Clique e peça pelo

LAPA

Bar Brasil
É um patrimônio carioca, tanto pelos 113 anos de vida quanto pela serpentina de 66 metros que enche caldeiretas de chope Brahma (R$ 7,90, 350 mililitros). Com uma porta na Avenida Mem de Sá e a outra na Rua do Lavra dio, o salão resiste oferecendo sugestões típicas da comida alemã. O kassler (R$ 59,00, para um; R$ 89,00, para dois) pode ser guarnecido de salada de batata ou chucrute. Outro prato local é o bolinho de carne com lentilhas (R$ 48,00 e R$ 75,00). Para beliscar, são pedidas acertadas o patê de fígado com pão preto (R$ 32,00), o croquete alemão (R$ 37,00 a porção com cinco) e a linguiça caracol de pernil recheada de queijo parmesão (R$ 32,00, como tira-gosto; R$ 50,00, no prato, acompanhada de chucrute e salada de batata). A oferta de cerveja em garrafa inclui Heineken (R$ 14,00), Colorado Appia (R$ 19,00) e Old School Session IPA (R$ 24,00, 500 mililitros). Dica: no delivery, o chope no growler de 1 litro custa R$ 19,00. Avenida Mem de Sá, 90, Lapa, ☎ 2509-5943 (88 lugares). 11h/22h (fecha seg. e ter.; dom. 11h/17h). Aberto em 1907. Clique e peça pelo

Booze Bar
Reforçado em 2020, o delivery entrega chopes e drinques da casa. A carta, concebida como uma reação bem-humorada à crise provocada pela pandemia, traz, entre outras sugestões, o xô coronga, mistura de uísque Johnnie Walker Red Label, morango, maracujá, xarope de açúcar e hortelã, e o manda nudes, feito de gim Gordonís Pink, água tônica, suco de limão, morango e hortelã. Cada pedido custa R$ 26,00. Dezesseis torneiras de chope estão em funcionamento no casarão da Lapa. Na caneca de 350 mililitros, a pale ale da Bodebrown custa R$ 16,00 e a classic IPA da Three Monkeys, R$ 14,00. A seção de comes, generosa, inclui burrito de frango (R$ 29,00), linguiça de pernil recheada de provolone (R$ 39,00) e um cachorro-quente incrementado (R$ 29,00). Avenida Mem de Sá, 63, Lapa, ☎ 2252-1588 (180 lugares). 17h/1h (fecha seg. e ter.; qua. e qui. até 0h; dom. 16h/0h). Aberto em 2015. Clique e peça pelo

Boteco Carioquinha
O cardápio aposta no popular: rabada (R$ 34,90), costela com agrião (R$ 24,90) e feijoada (R$ 39,90) são algumas opções de almoço. A costela suína com barbecue de goiaba feito na casa também tem fãs (R$ 39,90, para um; R$ 59,90, para dois). Dica mais recente, o joelho de porco à pururuca custa R$ 69,90. Defumado, cozido no feijão da feijoada (que fica com sabor e perfume de presunto), é servido por R$ 89,90. As duas sugestões são para dividir. Também há quem passe por lá para beliscar croquetes de carne assada (R$ 29,90, quatro unidades) e tomar uma gelada. A Heineken em garrafa (R$ 14,90) divide atenções com uma centena de rótulos artesanais, como a Blumenau Little IPA (R$ 28,00, 500 mililitros) e a gaúcha Roleta Russa Easy IPA (R$ 12,00, 355 mililitros). Quatro torneiras de chope em funcionamento servem estilos pilsen e IPA, além de novidades, a preços a partir de R$ 15,00. Avenida Gomes Freire, 822, Lapa, ☎ 2252-3025 (80 lugares). 11h/0h (fecha seg.). → Aberto em 1966. Clique e peça pelo

Casa Momus
A enorme estante que ocupa uma parede do salão principal tem história: pertencia à delicatessen Lidador, na Rua da Assembleia, inaugurada em 1924 e demolida no ano em que a casa na Lapa abriu as portas. O cardápio traz pratos como o risoto de moqueca de camarão (R$ 52,00) e o steak de picanha (R$ 136,00), servido em porção para dois. A seção de tira-gostos inclui porções de bolinha de queijo e de dadinhos de tapioca (R$ 36,00), além de aipim com carne-seca (R$ 29,99). Fomes maiores ou menores podem ser acompanhadas de cervejas de rótulos convencionais ou drinques. Pertencem à segunda lista o momus mule (R$ 27,00), releitura do moscow mule, o apple Martini (R$ 26,00) e o negroni (R$ 29,00). Rua do Lavradio, 11, Lapa, ☎ 3852-8250 (110 lugares). 11h30/17h (sáb. 11h30/21h; fecha dom.). → Aberto em 2014.

SANTA TERESA

Bar do Mineiro
Espaço mais sossegado nos fundos da casa, o terraço voltado para a igreja vizinha tem bar próprio e ganhou cobertura no começo do ano. No salão principal, fotos e obras de arte do proprietário, o colecionador Diógenes Paixão, enfeitam o ambiente simples de azulejos brancos. Estrelas do cardápio, os pastéis recheados de feijão (R$ 39,00, dezoito unidades) podem acompanhar a caipirinha (R$ 15,00 a de limão; R$ 18,00 a de lima ou de maracujá). No freezer são guardadas garrafas de 600 mililitros de Heineken (R$ 15,50), Original (R$ 13,00) e Eisenbahn
(R$ 13,00) – outra pedida disponível é a Colorado Ribeirão Lager (R$ 14,50). Para quem busca um tira-gosto, também há bolinhos de abóbora com camarão (R$ 38,00, meia dúzia), de feijão (R$ 38,00, dez unidades) e de jiló com linguiça (R$ 8,00 cada um). Fartura para dois (R$ 90,00), a feijoada é servida todos os dias. Rua Paschoal Carlos Magno, 99, Santa Teresa, ☎ 2221-9227 (60 lugares). 11h/17h (fecha seg.). Aberto em 1989. Clique e peça pelo

Explorer Bar
O bar do hotel Discovery Suites Rio recebe o público em geral em espaço ao ar livre, com vista para Santa Teresa e a cidade. O cardápio tem toque internacional e sabores brasileiros. Na carta de drinques, o TLV, inspirado na cidade de Tel-Aviv, une tamarindo, laranja, vodca, espuma de gengibre e um toque de noz-moscada (R$ 29,00). A ala nacional é representada por coquetéis como o deus do amor (R$ 27,00), reunião de vodca, tiquira (destilado de mandioca), polpa de açaí, geleia de banana, xarope de guaraná e uma pitada de sal. Para beliscar, duas apostas certeiras são a lula crocante com maionese de wassabi (R$ 34,00) e o tartare de tilápia com creme de abacate, vinagrete de tangerina e picles de cebola-roxa, acompanhado de chips de raízes (R$ 26,00). Dica: de terça a sexta, das 18h às 20h, na happy hour são servidos dois coquetéis por R$ 40,00. Rua Almirante Alexandrino, 399 (Discovery Suites Rio), Santa Teresa,☎ 3264-9665 (60 lugares). 17h/0h (sex. até 1h; sáb. 14h/1h; dom. 12h/22h; fecha seg.). Aberto em 2016. Clique e peça pelo

ZONA NORTE

GRAJAÚ

Boteco do Raoni
O fliperama distrai crianças e adultos. “Tem gente que comemora porque finalmente conseguiu zerar o jogo de sua infância”, acha graça Raoni Soares, dono do negócio. Os mais velhos também se divertem com a oferta de cerveja artesanal, paixão de Raoni – as torneiras saltaram de seis para dez e os freezers abrigam 120 rótulos. Na ala dos chopes, há sempre uma pilsen a R$ 8,00 e uma IPA a R$ 14,00, além de exclusividades como a Imperial Stout Raridade, barril único no Brasil, vendida por lá a R$ 22,00. Nas garrafas mais convencionais, a Heineken custa R$ 13,00 e a Eisenbahn, R$ 11,90. Com a compra da loja ao lado, no início do ano, o espaço cresceu e a cozinha também: a ala de petiscos ganhou pedidas como a isca de carne à parmigiana, empanada, com queijo da Serra da Canastra derretido e molho de tomate caseiro (R$ 42,00 a porção). Outras dicas são o bolovo (R$ 9,00) e a tábua de queijos artesanais (R$ 45,00). Rua Barão de Mesquita, 965 e 969, loja B, Grajaú, ☎ 3570-6162 (100 lugares). 17h/0h (fecha seg.). → Aberto em 2018.

Enchendo Linguiça
Mesas ao ar livre ocupam a Praça Irmã Maria Marta Ward, adotada com a aprovação da Fundação Parques e Jardins. Por lá, um dos carros-chefe é o joelho de porco (R$ 80,00) assado na “frangueira” – o forno mais conhecido como “televisão de cachorro”. A carne ainda recheia o pastel (R$ 9,00 a unidade) ou, acebolada, entra no joelito, sanduíche no pão francês (R$ 21,00). Na ala dos petiscos brilha a linguiça croc, porção do embutido de fabricação local envolvida por fritas crocantes (R$ 67,00). Para petiscar, há pastéis, vendidos por unidade, de linguiça (R$ 8,00) e de camarão (R$ 10,00), entre outros recheios. No almoço, sexta-feira é dia de feijoada (R$ 25,00, individual). O visitante se refresca com chope da Brahma (R$ 6,50) ou cervejas em garrafa de 600 mililitros: é só escolher entre Original (R$ 12,00), Brahma Extra, Antarctica (R$ 11,00 cada uma) e Stella Artois (R$ 13,00). Avenida Engenheiro Richard, 2, Grajaú, ☎ 2576-5727 (68 lugares). 11h/23h (sex. e sáb. até 1h; dom. até 21h; fecha seg.). → Aberto em 2006. Clique e peça pelo

Santo Remédio
Negócio familiar dos irmãos Luís Carlos e Maria de Fátima Bezerra com seus filhos André e Vagner. Em 2018, o prêmio de melhor boteco no VEJA RIO COMER & BEBER incentivou a mudança para ponto mais espaçoso. A fidelidade a petiscos de boteco seguiu a mesma. Nos tira-gostos, a porção de moela com chutney de manga e nacos de jiló empanado (R$ 45,90) derruba preconceitos. Também têm boa saída os bolinhos de vagem (R$ 7,50) e de baião de dois (R$ 8,20), vendidos por unidade. Receita de Fátima, a caponata de berinjela (R$ 24,90) leva dezesseis ingredientes e chega à mesa com pão. Para acompanhar, há Heineken em garrafa (R$ 14,90), chope Brahma (R$ 6,90) e duas torneiras de onde jorram estilos da artesanal Farra Bier: a witbier (R$ 11,00) e a double IPA (R$ 16,00). Uma elaborada carta de drinques foi adiada por causa da pandemia, mas dá para pedir gim-tônica (R$ 24,00) e negroni (R$ 22,00). Rua Barão de Mesquita, 922-A, Grajaú, ☎ 3217-3515 (120 lugares). 17h/23h (sáb. a partir das 12h; dom. 12h/19h; fecha seg.). → Aberto em 2011. Clique e peça pelo

+ Polvo com bacon do Velho Adonis é eleito o melhor petisco

MARACANÃ

Bar do Bode Cheiroso
Sempre cheio antes da pandemia, o ponto reabriu com cuidados redobrados. O número de mesas, do lado de fora, não chega a dez e foi criado um serviço próprio de entregas. “O bar é de 1945 e nunca tínhamos feito delivery”, conta o dono Leonardo Soares. Chamado pelo escritor Luiz Antonio Simas de “minha barra de cereal predileta”, o torresmo local custa R$ 8,00 a unidade. Aos domingos, dadinhos de torresmo no pote são servidos por R$ 10,00. Correm por fora pastéis de camarão e de frango com catupiry (R$ 8,00 cada um), além do filé trás-os-montes: iscas de alcatra à milanesa com batata portuguesa e molho de gorgonzola (R$ 32,00 a meia–porção com 250 gramas de carne). Na ala líquida, a batida de coco faz sucesso, mas também há sabores de maracujá e de limão (R$ 7,00 a dose; R$ 35,00 a garrafa de meio litro). A cerveja em garrafa pode ser Beckís (R$ 14,00), Brahma (R$ 10,00), Brahma Duplo Malte (R$ 12,00) ou Serramalte (R$ 13,00). Rua General Canabarro, 218, Maracanã, ☎ 2568-9511 (40 lugares). 11h/20h (dom. até 16h; fecha seg. a qua.). → Aberto em 1945.

BHAR! Ginteria Descolada
Com decoração inspirada nas tendências industriais, mesclando metal, plantas e diversas garrafas de gim, o bar abriu as portas em outubro de 2019 ó e já foi ampliado ó com uma premissa: tornar o ambiente “instagramável” para que o público possa tirar muitas fotos. O cuidado se reflete também na hora de servir os comes e bebes. Entre as criações do bartender Lucas Oliveira faz sucesso o pink gim R$ 24,90), mistura de gim, tônica, xarope de morango e espuma de frutas vermelhas e pimenta-rosa, que chega à mesa numa taça de 500 mililitros e com recadinhos engraçados, como “Se dedo podre fosse profissão, eu já seria gerente”. Para acompanhar, o hambúrguer da casa leva 180 gramas de carne, queijo derretido no pão brioche de parmesão, maionese defumada, cebolas empanadas e bacon, além de fritas (R$ 29,90). Mas o carro-chefe é a roda-gigante que exibe oito coxinhas (R$ 42,90) em recheios como carne- seca, frango, queijo e calabresa. Rua Almirante João Cândido Brasil, 134, Maracanã, ☎ 97321-2899 (90 lugares). 18h/0h (sex. e sáb. até 1h; fecha seg.). Aberto em 2019. 

PRAÇA DA BANDEIRA

Bar da Frente
O delivery revelou um campeão de vendas: jambalaya (R$ 106,50, para duas pessoas, com folga), receita picante de arroz, camarão, frango, linguiça, pimentão e três tipos de pimenta. A cozinha é mesmo o forte deste ponto pequenino: na seção dos tira-gostos gozam de merecido prestígio o porquinho de kimono (R$ 39,90, seis unidades), rolinho primavera de costela suína e requeijão com ervas, e o fondue de coxinha (R$ 36,90, oito unidades para mergulhar no creme de queijo com vinho). Também merecem atenção o clássico bolovo (R$ 7,90) e o gurjão de bacon (R$ 22,30), porção de bacon empanado. Podem completar o programa cervejas da Hocus Pocus (R$ 31,80) e da Oceânica (R$ 27,90), em garrafas de meio litro, além da Heineken (R$ 14,90) e da Eisenbahn (R$ 12,90). Por lá também se encontra um honesto gim-tônica a R$ 24,00. Rua Barão de Iguatemi, 388, Praça da Bandeira, ☎ 2502-0176 (30 lugares). 12h/22h (qua. e dom. até 17h; qui. até 20h; fecha seg. e ter.). → Aberto em 2009. Clique e peça pelo

Hop Lab Pub
Bicampeão na categoria melhor carta de cervejas em VEJA RIO COMER & BEBER, dispõe de trinta torneiras dedicadas aos rótulos artesanais. As opções da vez plugadas são listadas em painéis luminosos, semelhantes àqueles de aeroporto. Podem aparecer por lá com frequência as cariocas Oceânica Yellow Cloud, refrescante new england apa (R$ 19,00, 300 mililitros; R$ 63,00 o litro), e a Hocus Pocus Magic Trap (R$ 17,00, 330 mililitros; R$ 52,00 o litro), do estilo belgian strong golden ale, com notas frutadas. Tem lugar garantido nos bicos lançamentos das marcas. Para reforçar as degustações, as sugestões de comidas vão desde a porção de finas fatias crocantes de aipim cobertas de queijo artesanal ralado e manteiga de garrafa (R$ 22,00) até o cheese bacon (R$ 36,00), um belo hambúrguer de chorizo com queijo artesanal derretido, mais tomate, bacon em tiras e maionese de bacon no pão de sal. Rua Barão de Iguatemi, 292, Praça da Bandeira, ☎ 3217-1146 (60 lugares). 17h/22h (fecha dom. e seg.). Aberto em 2016. → Clique e peça pelo

Noo Cachaçaria
Cinquenta purinhas podem ser provadas por dose (a branquinha da Quinta, produzida em Carmo, estado do Rio, custa R$ 10,00) ou em drinques. O alecrim dourado une tangerina, suco de laranja, cachaça, calda de açúcar e cheirinho de alecrim, enquanto o mate da praça (R$ 22,00 cada pedido) leva mate, cachaça, xarope de gengibre e limão. A dose de batida custa R$ 6,00, mas a aquarela pode levar à mesa seis copinhos por R$ 30,00. Entre as sugestões locais, a favorita é a versão de maracujá, mel e pimenta. Para beliscar, há, entre outras pedidas, provolone à milanesa (R$ 28,00) e a porção de três tipos de linguiça artesanal salteados com cebola, acompanhados de “ovo de farofa” e mostarda da casa (R$ 39,00). Confira: na quinta e na sexta, de 17h a 19h, costuma haver promoção de happy hour com chope em dobro. Rua Barão de Iguatemi, 358, Praça da Bandeira, ☎ 99726-8608 (45 lugares). 12h/21h (qua. e dom. até 17h; fecha seg. e ter.). Aberto em 2015. Clique e peça pelo

RIACHUELO

Pescados na Brasa
Nascidos no Maranhão e criados em Belém, Adriana Veloso (ela ex-balconista de farmácia) e José Maria (restaurador de arte), conhecido como Júnior, radicados aqui há cerca de uma década, investiram nesta empreitada que começou com uma barraquinha dedicada a assar peixes. Tamanho sucesso, em dois meses, logo evoluiu para este bar, tocado pelo casal, que foca os preparos de pescados com influências dos sabores do Pará. No ambiente que passou por reformas para ganhar um mezanino e com mesas espalhadas ao ar livre o cardápio contempla petiscos como os pastéis em recheios como vatapá, pirarucu (R$ 8,90 cada um), camarão com catupiry e siri (R$ 7,50 cada um). Mais robusto, o pirarucu da dona Adriana traz duas postas assadas na manteiga de garrafa com ervas finas, guarnecidas de arroz de camarão, pirão e farofa (R$ 98,90, serve dois). Fazem companhia às pedidas as caipirinhas de limão com jambu ou de taperebá (R$ 17,90 cada uma). Rua Vítor Meireles, 92, Riachuelo, ☎ 2239-9540 e 99359- 4753 (80 lugares). 11h/19h (sex e sáb. até 22h; dom. até 18h; fecha seg.). → Aberto em 2019. Clique e peça pelo

SÃO CRISTÓVÃO

Seu Cristóvão
Próximo à Quinta da Boa Vista, é pouso tanto para um petisco com chope quanto para uma refeição mais robusta. Entre as dicas de prato principal figuram a costela no bafo, guarnecida de batatas chips, farofa de ovos e arroz branco (R$ 119,90, para até quatro pessoas), e a costelinha suína com arroz de espinafre e aipim frito (R$ 69,90, para duas pessoas). O chope da casa (R$ 6,90), cervejas da Therezópolis (a IPA, na garrafa de 600 mililitros, custa R$ 21,90) e a caipirinha (R$ 8,90) podem acompanhar os tira-gostos. Duas sugestões são a batata arretada (R$ 29,90), com batatas rústicas, cebola, calabresa e bacon gratinado com queijo, e o pastel feira de São Cristóvão, recheado de carne-seca e queijo de coalho (R$ 29,90, quatro unidades). Rua São Cristóvão, 291, loja A, São Cristóvão, ☎ 3860-5278 (62 lugares). 11h/0h (seg. até 17h; sex. e sáb. até 1h). Aberto em 2015. Clique e peça pelo

+ Elias é o campeão na categoria árabe

TIJUCA

Bar do Momo
Eleito quatro vezes o melhor boteco da cidade no prêmio VEJA RIO COMER & BEBER, o endereço com mesas na calçada foi criado por um Rei Momo de verdade (daí o nome),  Abrahão Reis, e passou para as mãos de Antonio Lopes dos Santos, Tonhão, em 1987. Ele divide a tarefa de levar o negócio adiante com os filhos, Antonio Carlos Laffargue, o Toninho (que também assina petiscos na Liga dos Botecos e no Bar do Zeca), e Lorena Laffargue. Clássico da casa, o bolinho de arroz, recheado de linguiça e queijo, é o campeão de vendas (R$ 7,00 a unidade). Novidade por lá, a minicoxinha de rabada tem arrebanhado elogios do público (R$ 35,00, seis). Para beber, a batida de coco cremosa feita com cachaça (R$ 8,00) figura entre as opções ao lado do tijuca sunrise (R$ 20,00). Trata-se de um drinque criado pelo amigo dos donos, Pedrinho da Muda, cantor e compositor, que mistura Campari, vodca, batida de maracujá e tônica. Rua General Espírito Santo Cardoso, 50, Tijuca, ☎ 2570-9389 e 99872-2636 (80 lugares). 12h/21h (sex. e sáb. até 22h; dom. até 16h; fecha seg. e ter.). → Aberto em 1972.

Bar Luiza
Inaugurado em dezembro de 2019, o endereço, com piso de ladrilho hidráulico e mesas na varanda, é capitaneado por cinco ex-funcionários de longa data do centenário Bar Luiz (três deles, inclusive, pai e filhos). No cardápio, com receitas semelhantes ao tradicional reduto da Rua da Carioca, sobressaem clássicos da culinária alemã, como o eisbein (joelho de porco) guarnecido de chucrute (R$ 70,00) e o kassler ladeado de salada de batata (R$ 90,00), ambos para duas pessoas. Nesta linha há ainda a milanesa de filémignon (R$ 52,00). O cardápio relaciona também petiscos, como salsicha mista (R$ 40,00 a porção), queijo provolone à milanesa (R$ 40,00 a porção), bolinho de bacalhau (R$ 36,00, doze unidades), bolo de carne alemão (R$ 19,00) e linguiça caracol com queijo ou alho torrado (R$ 30,50). Para acompanhar os beliscos, chope Brahma servido na caneca a zero grau (R$ 6,90, 350 mililitros). Rua São Francisco Xavier, 68, Tijuca, ☎ 2135-5270 (60 lugares). 12h/23h (fecha seg.). Aberto em 2019. →Clique e peça pelo

Botero
Nascida no Mercadinho São José, a casa passou por outro endereço em Laranjeiras, uma filial no Flamengo e agora pousa na Tijuca, no espaço onde antes funcionou sua versão lanchonete, o Botero em Pé. Petiscos com um pé na cozinha caseira incluem o parmigiana servido em forma de aperitivo nas versões miolo de alcatra (R$ 55,90), pernil suíno (R$ 48,90) ou berinjela (R$ 38,90). Outro hit para comer, a bruschetta carbonara leva tomate concassé, parmesão, ovo de codorna frito e farelo de paio crocante (R$ 29,90, seis unidades).Para beber, o chope da Colorado Ribeirão Lager sai a R$ 8,50. Laezio Lima assina drinques como o mate me se puder (R$ 25,00), reunião de uísque Jim Beam, mate da casa, mel e limão. Os quitutes da casa também podem ser provados no Flamengo, onde funciona um negócio colaborativo com o bar argentino Tango. Rua Campos Sales, 15, Tijuca, ☎ 3217-4721 (50 lugares). 17h30/23h (qui. e sex. até 0h; sáb. 12h/0h; dom. 12h/23h. Aberto em 2012. Clique e peça pelo

Da Gema
A empreitada de Luiza Souza e Leandro Amaral, ambos filhos de mineiros, está instalada em um casarão de esquina, com pé-direito alto e amplas portas de correr abertas para a rua. No ambiente simples, de paredes bege, chamam atenção as iniciais “DGî em relevo e o grafite de um Jesus negro, com dreads e sorridente, feito pelo artista Marcelo Eco. No menu faz sucesso a coxinha, bicampeã no guia VEJA RIO COMER & BEBER, de massa farta e leve, envolvida por casquinha fina que recobre o frango (R$ 8,00 a unidade). O salgado é servido às sextas e aos sábados. Ao longo da semana reinam dicas como a igualmente campeã polentinha frita com rabada desfiada, que desmancha na boca (R$ 68,90, doze quadrados), e o pastel recheado de carnes da feijoada (R$ 7,00). Para acompanhar as pedidas, há opções como cerveja Becks (9,00 a long neck), gim-tônica (R$ 22,00), em sabores como maçã verde, tangerina, hibisco e morango, e a cremosa batida de doce de leite preparada com vodca (R$ 10,00). Não deixe de provar. Rua Barão de Mesquita, 615, Tijuca, ☎ 3548-0857 (60 lugares). 17h/22h (sáb. a partir de 12h; dom. 12h/16h; fecha seg. a qua.). Aberto em 2009. Clique e peça pelo

On Tap Pub
A loja, inaugurada em 19 de novembro, comemora seu quinto aniversário neste conturbado 2020. Cardápio digital, álcool em gel e distanciamento garantem o orgulho local: vinte torneiras plugadas, quatro de produção própria, nos estilos pilsen, weiss, wit e IPA, em parceria com a cervejaria Old School. Os preços do chope da casa vão de R$ 5,90 (pilsen) a R$ 13,90 (IPA). Opções da Hocus Pocus e da Three Monkeys são assíduas nas torneiras, com preços a partir de R$ 13,90. Uma vez por semana, a cozinha local defuma cortes de costela, brisket e até carne para o hambúrguer, servido por R$ 38,00. A costela vai parar no prato com fritas e serve como tira-gosto (R$ 39,90).
O peito bovino, ou brisket, entra no sanduíche de pão brioche, junto com picles, queijo cheddar, cebolaroxa e mostarda da casa (R$ 34,90). Fique de olho: em dias de futebol a loja costuma abrir às 15h. Rua Major Ávila, 455, loja H, Tijuca, ☎ 3502-9295 (50 lugares). 17h/1h (fecha seg.). → Aberto em 2015. Clique e peça pelo

Salete
Reduto da família tijucana, a casa completou 63 anos em 2020. No cardápio refulge uma pequena notável: a empada de camarão (R$ 7,50) com receita artesanal à base de banha de porco criada pelo fundador, o espanhol Manolo. Suas filhas Silvia e Katia, hoje à frente do negócio, investiram forte no delivery com equipe própria de motoboys. A empada de massa que derrete na boca pode ganhar, entre outros recheios, palmito (R$ 6,80), camarão flambado na cachaça com alho-poró (R$ 8,60) e até maçã com canela (R$ 6,50), a única versão doce. O cardápio abriga sugestões mais recentes de prato, como a rabada (R$ 35,00, para uma pessoa; R$ 70,00, para dois) servida aos sábados e o opulento grelhadão do manolo (R$ 170,00, para dois): polvo, lula e camarão grelhados com batatas ao murro salpicadas de alho crocante, mais arroz de leite de coco e farofa panko cítrica. O chope Brahma (R$ 8,90) acompanha o percurso. Rua Afonso Pena, 189, Tijuca, ☎ 2264-5163 (96 lugares). 10h/22h (sáb. e dom. até 20h). Aberto em 1957.

Wursteria
Em plena quarentena, o negócio de inspiração alemã nascido na Tijuca ganhou um posto avançado no espaço coletivo Boxx Botafogo. A oferta de cervejas importadascaiu nos últimos meses ó e pode voltar a qualquer momento -, mas quem chega encontra cervejas long neck da Beckís (R$ 8,00) e da Hoegaarden (R$ 14,00), além da Eisenbahn na garrafa de 600 mililitros (R$ 11,50). Dica para beliscar, a porção de cebolas fritas com molho remoulade, à base de mostarda, custa R$ 17,50. Sucesso no delivery, o smash burger, com 90 gramas de costela,
picles de pepino e molho remoulade feitos na casa e queijo, custa de R$ 16,50 (o simples) a R$ 36,40 (o triplo). Um clássico local, o schnitzel, lombo suíno empanado com salada de batata e conserva de beterraba e raiz-forte, é servido por R$ 35,50. Rua Uruguai, 397, loja B, Tijuca, ☎ 99760-5819 (46 lugares). 17h/22h (sex. e sáb. até 23h; fecha dom. e seg.); Rua São João Batista, 26, Botafogo ☎ 97117-0975. 11h/22h (dom. 12h/18h). → Aberto em 2016. Clique e peça pelo

ZONA OESTE

BARRA

Bar do Oswaldo
No início, o lugar era procurado no almoço por trabalhadores das redondezas. Oswaldo Cardozo, o fundador, inventou o coquinho, bebida alcoólica à base de cachaça e canela, e mudou para sempre o rumo do negócio. As várias batidas locais já foram servidas a gerações. Dos catorze sabores tradicionais, treze são preparados com vodca e a versão de limão leva cachaça. As doses podem custar R$ 10,00, R$ 20,00 (de coco com vodca Cîroc) e R$ 12,00 (preço da el capitán, criação de Rommel Cardozo, filho de Oswaldo, feita com gim, gengibre, batidas de coco e de amendoim). Para beliscar, há porções de  seis unidades de pastel (R$ 22,00, de queijo; R$ 32,00, de camarão), além da batata oswaldo, coberta de cheddar e bacon (R$ 30,00). A cerveja é long neck, das marcas Corona, Beckís, Bud e Stella Artois (R$ 10,00 cada uma). Estrada do Joá, 3896, Barra, ☎ 2493-1840 (240 lugares). 11h/23h (sex. e sáb. até 1h; dom. até 0h). → Aberto em 1946. Clique e peça pelo

Bar do Zeca Pagodinho
A presença do sambista no ambiente com quase 1 000 metros quadrados de área é sentida na decoração. Apresentações ao vivo costumam trazer nomes de prestígio, como Paulão 7 Cordas e Nilze Carvalho. O cardápio de tira-gostos, assinado por Toninho Laf far gue, do Bar do Momo, inclui coxinha de rabada e torresmo de barriga de porco (R$ 9,90 a unidade), além da tábua de bar (R$ 90,00): a reunião de carne assada, costelinha de porco, pernil e batata calabresa dá para dois, com sobras. O chope é Brahma (R$ 9,50, 300 mililitros). Nos freezers se encontram garrafas de Antarctica Original (R$ 16,00), Serramalte (R$ 17,00) e Colorado Ribeirão (R$ 28,00), entre outras. Na carta de drinques, a seleção vai do moscow mule, com vodca, soda artesanal e espuma cítrica, ao zequiando, criação própria com uísque Jim Bean, xarope de morango, suco de limão e espuma cítrica (R$ 35,00 cada um). Shopping Vogue Square, Barra, ☎ 3030-9097 (600 lugares). 17h/0h30 (sáb. 12h/0h30; dom. 12h/0h). → Aberto em 2018.

Boteco do Amaral
O serviço no ambiente espaçoso abre para o almoço e, após breve intervalo, avança noite adentro. As sugestões de prato incluem filé à parmigiana com purê de batata (R$ 46,00) e feijoada completa aos sábados (R$ 55,00 por pessoa). Na lista de tira-gostos aparecem o filet do cortês (R$ 74,00), cubos de mignon ao molho madeira com cebola, queijo gratinado, tiras de aipim e flocos de bacon, e a típica punheta de bacalhau (R$ 42,00). O chope, da Brahma (R$ 9,50 a caldeireta), divide atenções com a carta de drinques – o ginger blue (R$ 32,00) é uma
mistura de gim Tanqueray, xarope de gengibre, licor Curaçau Blue, limão-siciliano e água com gás. Dica: de terça a sexta, entre 16h e 20h, a promoção “Tudo em Dobro” oferece sugestões de comes e bebes em dose dupla. Shopping Vogue Square, Barra, ☎ 3030-9496 (120 lugares). 12h/16h e 17h/0h (fecha seg.; sáb. e dom. 12h/0h). → Aberto em 2016. Clique e peça pelo

Clássico Beach Club
Um point à beira-mar voltado para praticantes de esportes, a marca ainda oferece aulas de modalidades radicais, mas virou rede e ampliou seu cardápio. Os clientes encontram opções de prato, como o filé de peixe com purê de batata ao aji amarillo finalizado com ceviche quente de camarões e cebola crispy (R$ 70,00). Pedidas para beliscar, o salmão tartar (R$ 44,00), levemente picante, é preparado com temperos da casa, enquanto o cebeach (R$ 48,00) reúne filé de peixe branco temperado com limão e especiarias, ao molho de coentro e espinafre, acompanhado de camarões fritos na farinha panko. O programa na orla pode se completar com um chope Colorado Appia (R$ 15,00) ou um drinque ó o downwind (R$ 37,00) reúne vodca, morango, uva red globe, abacaxi e limão-siciliano. Avenida Lucio Costa, em frente ao número 16340, Barra, ☎ 99295-6335 (80 lugares). 9h/21h. Avenida Estado da Guanabara (Praia do Abricó), Grumari, ☎ 3489-9217 (120 lugares). 11h/18h. → Mais três endereços. Aberto em 2018. Clique e peça pelo

The Blind Pig
No subsolo da hamburgueria The Blind Burger, a casa inspira-se no clima de um speakeasy, bar clandestino dos tempos de Lei Seca nos Estados Unidos dos anos 1920. Por lá, o Clube dos Sete acontece de 19h a 22h: trata-se de um sistema de open bar (a R$ 90,00) com consumo à vontade de uma lista de sete drinques. A seleção inclui duas variações de coquetéis clássicos: o frank costello mule, com vodca e espuma de gengibre da casa, e o pina capone, feito de coco ralado, suco de abacaxi e rum em infusão de coco. Fora do open bar, os drinques custam em torno de R$ 25,00. Três dicas para beliscar são o tartare prime, de filé-mignon, guarnecido de batatas, o ceviche de tilápia com chips de batata-doce (R$ 32,00 cada um) e a batata trufada com queijo grana padano, salsa e azeite trufado (R$ 19,00 a menor porção). Avenida das Américas, 12300, loja 102, subsolo, Barra, ☎ 3507-0757 (61 lugares). 19h/1h (fecha de dom. a qua.). Aberto em 2018. Clique e peça pelo

Vizinho Gastrobar
Com passagens pelo Meza Bar e pelo Copacabana Palace, eleita a bartender do ano na edição especial VEJA RIO COMER & BEBER de 2017, Jéssica Sanchez é a dona e a alma do negócio. Em tempos de isolamento ainda recomendável, entregas pelo iFood levam dois drinques pelo preço de um. Dois clássicos de Jéssica são o white julep (R$ 34,00, também oferecido em lata), feito de gim, redução de abacaxi, hortelã, soda artesanal de gengibre e espuma cítrica, e o donít kill my vibe (R$ 31,00), variação praiana do negroni, com gim, Campari, Cynar e soda cítrica temperada. Na ala de comidinhas entraram em cena três pizzas finas e crocantes, de tamanho individual (R$ 24,00 cada uma): de burrata, pesto, tomatinhos assados e rúcula, de Parma, brie, azeite trufado e mel, e de funghi com grana padano e azeite de ervas. Outra sugestão é a drink box (R$ 300,00), caixa com todos os itens para o cliente produzir seu coquetel em casa. Shopping Vogue Square, Barra, ☎ 97154-0841 (140 lugares). 18h/1h (fecha seg.; dom. ter. e qua. até 23h). → Aberto em 2016. Clique e peça pelo

JACAREPAGUÁ

Art Chopp
A mudança de endereço aconteceu no começo do ano. Em um casarão de dois andares com o dobro da capacidade original, Diego e Kelly Freitas, ele na cozinha, ela na criação dos drinques, tocam o negócio famoso pelo cardápio de porções generosas. Além de rechear o bolinho (R$ 8,00), a rabada é servida em um prato que pode chegar a 1 quilo (R$ 55,90). Outra atração local, a costela bovina (R$ 145,90), com quase 2 quilos, vai à mesa ao lado de arroz, cuscuz marroquino, batata frita e molho à campanha. A carne, após catorze horas defumando, também entra no bolinho (R$ 8,00). A porção dos salgados, com seis unidades e qualquer recheio, custa R$ 42,90. O chope pode ser Amstel (R$ 6,50) ou Heineken (R$ 7,90). Completam o programa drinques como o arde, mas não queima, de cachaça, pimenta-dedo-de-moça, morango e maracujá (R$ 22,90), e a aquarela de batidas (R$ 19,99), reunião de oito sabores. Estrada Macembu, 63, Taquara, ☎ 3486-6493 (223 lugares). 17h/0h30 (sáb. a partir das 12h; dom. 12h/23h30). → Aberto em 2011.

Serpentina Bar Artesanal
Cinco das oito torneiras estão em atividade e as geladeiras guardam cerca de quarenta rótulos de cerveja. Há sempre opções de uma pilsen, duas IPA e pelo menos uma não amarga. A pilsen oficial da casa, uma parceria com a Vírus Beer, sai a R$ 9,90 (halfpint), R$ 13,90 (o pint, com 473 mililitros) e R$ 26,00 (o litro). Dicas de IPA variam bastante, mas o litro não ultrapassa os R$ 36,00 ó lá mesmo, muita gente pede a bebida no growler porque sai mais em conta. Three Monkeys, Old School, Latido e outras marcas cariocas são frequentes, ao lado de surpresas. Um exemplo: a River Falls, de Joinville, foi apresentada aos bebedores do Rio pelo Serpentina Bar. Para acompanhar os bebes, as dicas incluem carne de panela, linguicinha artesanal (R$ 35,00 cada porção) e churrasco de baby beef (R$ 80,00, para dois). Rafael Pina, o dono, criou o clube da serpentina, assinatura mensal que garante aos sócios a entrega de rótulos exclusivos. Rua Araguaia, 1480, Freguesia, ☎ 3486-4782 (130 lugares). 18h/0h (sex. até 1h; sáb. 12h/1h; fecha seg.). Aberto em 2016. Clique e peça pelo

ZONA SUBURBANA

MARIA DA GRAÇA

Bar da Amendoeira
Rodas de samba ainda não estão de volta, para evitar aglomeração, mas há música ao vivo, no esquema de voz e violão, às terças, das 18h às 22h. No resto, a casa batizada com  nome da árvore em frente segue apegada à tradição. Pastéis de camarão com catupiry, de provolone com cebola, de carne e de queijo (R$ 7,00 a unidade), além dos bolinhos de feijoada (R$ 8,00) e de aipim com camarão (R$ 10,00), são todos feitos lá mesmo. Carro-chefe local, a moela à moda, servida no próprio molho, custa R$ 18,00. Quinta é dia de cozido e na sexta a vez é da feijoada (ambos servidos a R$ 49,00, para dois). No sábado a dica é o angu à baiana (R$ 22,00). Para acompanhar qualquer pedida, peça chope Brahma (R$ 8,00 a caldeireta). Rua Conde de Azambuja, 881, lojas A e B, Maria da Graça, ☎ 2501-4175 (40 lugares). 8h/23h (seg. 9h/16h; sáb. 8h/20h; fecha dom.). → Aberto em 1962. Clique e peça pelo

RAMOS

Bar da Portuguesa
Na porta, a estátua do músico Pixinguinha, antigo frequentador, recebe a clientela. A portuguesa Donzília Gomes e seu filho Paulo cuidam do negócio tradicional de cozinha esmerada. Entre os petiscos, vendidos por unidade, o camarão pode rechear a empadinha ou o pastel (R$ 6,50), enquanto o bacalhau abastece o folhado ou o clássico bolinho (R$ 7,00). O crustáceo e o peixe ainda chegam à mesa na forma de apetitosa fritada (R$ 66,00 cada sugestão), boa para beliscar cortada à francesa. Nas sugestões mais consistentes, a sopinha de siri é servida na tigela por R$ 17,00 e a salada de bacalhau com grãode-bico (R$ 66,00) dá para duas pessoas. A lista de cervejas, em garrafa de 600 mililitros, traz Beckís, Budweiser, Original, Serramalte, Stella Artois (R$ 12,30 cada uma) e Brahma (R$ 9,80). Outra pedida local é o leite da macaca (R$ 10,00), batida de coco com gelo. Rua Custódio Nunes, 155, loja D, Ramos, ☎ 3486-2472 (50 lugares). 17h/23h (sex. até 0h; sáb. e dom. 11h/18h; fecha seg). → Aberto em 1968. Clique e peça pelo

ZONA SUL

BOTAFOGO E HUMAITÁ

Adega da Velha
Depois de fazer história ao longo de quase cinquenta anos, o tradicional endereço ganhou novos sócios e agora é encabeçado pelos mesmos donos do Galeto Satís. Permanecem, no entanto, a tradição de uma comida nordestina legítima e a característica decoração, agora em versão mais clean. Impossível passar por lá sem experimentar a picanha de carne de sol (R$ 87,00 em meia-porção) ou a carne-seca (R$ 65,00) – ambas acompanhadas de baião de dois, aipim frito e queijo de coalho. Para beber, tem chope Brahma (R$ 7,00) e uma das opções da vasta carta de cachaças, que alimentam caipirinhas como a de caju com limão (R$ 20,00). A novidade fica por conta do bananudo de carne-seca, um petisco com massa de banana-da-terra, cuja porção com seis unidades custa R$ 28,00 e vem agradando à freguesia. Rua Paulo Barreto, 25, loja A, Botafogo, ☎ 2286-2176 (65 lugares). 11h/0h30. → Aberto em 1960. Clique e peça pelo

AquiNoCopo
O antigo Verace Rio mudou de nome e promoveu mudanças no cardápio: agora o foco é nas bebidas nacionais. Ainda sob o comando das sommelières de cerveja Marcela Freitas e Monick Aquino, o espaço equilibra uma pegada rústica com clima moderninho, apostando em paredes grafitadas e mesa de sinuca para entreter a clientela. As cachaças envelhecidas ganharam espaço e é possível fazer uma degustação das marcas Sanhaçu e Weber Haus (R$ 49,00 com quatro amostras de 50 mililitros). Mas os amantes cervejeiros ainda podem aproveitar as doze torneiras disponíveis ou experimentar o novíssimo rótulo da casa, uma lager de estilo alemão (R$ 12,00, 300 mililitros). Para comer, uma boa opção é a tábua de queijos, harmonizada com quatro opções de cerveja (R$ 55,00), ou o hambúrguer aqui no coalho (R$ 34,00), servido no pão de abóbora com queijo de coalho, maionese de bacon e couve crocante. As fritas, à parte (R$ 20,00), vêm com sour cream e bacon crocante. Rua Dezenove de Fevereiro, 188, Botafogo, ☎ 99499-0971 (50 lugares). 17h30/1h (qua. e qui. até 23h; fecha dom. a ter.). Aberto em 2019.

+ Arp Bar, no Arpoador, tem o melhor visual do Rio

Be+Co
Instalado em Botafogo há dois anos, o reduto gastronômico foi condecorado como a melhor novidade na última edição de VEJA RIO COMER & BEBER. Cinco contêineres ocupam o terreno comprido em uma rua calma do bairro, sendo quatro deles dedicados a negócios de comida e, lá no fundo, o Tortin Bar encarrega-se de matar a sede dos visitantes com drinques assinados pelo bartender Igor Renovato, do Garoa, e outras bebidas. Ao chegar, não espere pelo garçom: as compras são feitas  e retiradas direto nos contêineres. Para evitar aglomerações nos caixas, recomenda-se que os pedidos sejam feitos pelo app da empreitada. Mensagens de SMS informam quando eles ficam prontos. No Zatar, reduto de comida árabe de Katia Hannequim, há um robusto sanduíche de faláfel (R$ 31,00). Recentemente, abriu por lá o Brota, vegetariano de balcão com clima de boteco comandado pela chef Roberta Ciasca, que prepara uma sensacional couve-flor crocante com agridoce de maçã (R$ 22,00). Com pedidas como o clássico burger (R$ 34,00), o Curadoria, também campeão de VEJA RIO COMER & BEBER, tem posto avançado no complexo. Já a chef Monique Gabiatti comparece em dose dupla: com uma filial do Cozinha, de pratos com frutos do mar, e com o bar pop up Crudo, todo dedicado a preparações cruas. Fique atento: mudanças de ocupantes do beco, programação musical e promoções, como a dose dupla de gim às quartas, até as 21h, são anunciadas nas redes sociais. Rua da Matriz, 54, Botafogo, ☎ 2148-6261 (120 lugares). 17h/23h (sex. até 1h; sáb. 12h/1h; dom. 13h/20h; fecha seg.). → Aberto em 2018.

Boleia
Aberta em março deste ano, a empreitada foi pensada para atender a clientela lésbica. No entanto, todos são bem-vindos. Com corredor com neons nas cores do arco-íris, parte de um caminhão recoberto com glitter roxo, além de um grafite de Marielle Franco na parede do mezanino, entre outros elementos fotografáveis, o reduto é comandado pela DJ Lela Gomes, filha do diretor da TV Globo Rogério Gomes, o Papinha. A equipe é formada exclusivamente por mulheres, é claro. Ao se acomodar no ambiente (mediante reservas), a experiência pode começar com um dos drinques da carta (os nomes são um capítulo à parte). O frutado maria betonica (R$ 28,00) mistura gim, redução de morango, beterraba e gengibre, limão-siciliano e tônica. Mais herbal, o chana com chana (R$ 26,00) leva vodca, infusão de capim-limão cunhã, abacaxi, limão-siciliano e concentrado de gengibre. Na lista de comes, o frango à piriquita traz iscas empanadas na farinha panko com maionese artesanal de páprica (R$ 32,00). Rua Capitão Salomão, 55. Humaitá, ☎ 96783-0844 (150 lugares). 18h/23h (fecha seg. a qua.).
→ Aberto em 2020.

Boxx Botafogo
Com 900 metros quadrados, a espécie de vila gastronômica ocupa uma construção vertical, com direito a armazém e expositores de moda e beleza. Entre as operações, o bar Desatino, com carta assinada pela mixologista Jéssica Sanchez, destaca o drinque com vodca Voa, shrub (uma espécie de vinagre) de abacaxi e aperitivo Cynar (R$ 28,00). Da cozinha do Manda!, comandado pela chef Bianca Barbosa, filha de Kátia, do Aconchego Carioca, sai o apetitoso macínícheese, preparado com quatro tipos de queijo (R$ 34,00). A porção de nugget de porco (filé suíno marinado em mix de temperos da casa e empanado em farinha panko) do Wursteria vem com molho de mostarda, mel e leve toque de pimenta-dedo-de-moça (R$ 20,00). Em homenagem ao Mercado Municipal paulistano, o novo hambúrguer do chef Jimmy Ogro, servido no Ogro Steaks, leva 180 gramas de carne, quatro fatias de mortadela, queijo e maionese de alho. Pode ser devorado no pão brioche ou no pretzel (R$ 36,00). No É Giro!, o petisco mais vendido é o steak tartare de filé-mignon cortado na ponta da faca com cebola- roxa, picles, alcaparras, ervas e coulis de Dijon (R$ 29,00). Acompanham chips de batata bem fininhos. Rua São João Batista, 26, Botafogo, ☎ 97495-2483 (186 lugares). 12h/23h (fecha seg.). → Aberto em 2020.

Boteco Colarinho Escondido, CA
Para celebrar o aniversário de dez anos, a marca abriu filial em um dos pontos mais movimentados do Arpoador. São 24 torneiras de chope que fazem a alegria dos visitantes, desde a clássica pilsen da casa (R$ 7,90 o copo com 200 mililitros) até opções mais encorpadas, como a Inesperada Belgian Strong Ale (R$ 16,90 a taça com 290 mililitros). Para beliscar, vale pedir a linguiça de costela com queijo e molho de mostarda e mel (R$ 46,60) ou, se a fome for maior, o sanduíche philly cheese steak (R$ 28,90 com fritas), com tiras de contrafilé grelhado com pimentões e provolone, é boa pedida. Da mesma cozinha ainda saem os deliverys do Burguer Escondido, CA e da Birreria Escondida, CA ó que encerrou suas atividades em Botafogo. Se pedir com jeitinho, as deliciosas pizzas também são servidas por ali (cerca de R$ 45,00 as de 25 centímetros). Rua Francisco Otaviano, 30, Copacabana, ☎ 2522-9800 (130 lugares). 17h/1h (sáb. e dom. a partir de 12h; fecha seg.); Rua Nelson Mandela, 100 (loja 127), Botafogo, ☎ 2286-5889 (170 pessoas). 12h/1h (ter. a partir de 17h). Aberto em 2010. → Clique e peça pelo

Canastra Rose
Donos do antigo Canastra Ipanema, que recentemente virou o delivery Pizza Canastra, os franceses Rinaudo e Vassia Tolstoi investiram em uma proposta criativa neste endereço. No lindo casarão de dois andares, com charmosa decoração e lustres tipo candelabro, a bossa fica por conta da mistura de vinho na taça e churrasco no terraço. São quinze rótulos, que variam de R$ 59,00 a R$ 85,00 – o mais caro é o  espumante Brut Rosé da Don Guerino, um dos queridinhos da clientela. A grande novidade da cozinha é o la pièce du boucher (R$ 116,00), uma prime rib de 800 gramas que sai da parrilla, acompanhada de batata- inglesa, molho chimichurri e molho do chef. Para bolsos mais contidos, uma ótima opção é a famosa burrata com molho pesto, tomate-cereja e pão baguette (R$ 35,00) ou o salmão defumado com molho de iogurte, aneto e especiarias (R$ 31,00). Ainda neste ano, o bar ganha uma unidade na Barra. Rua Álvaro Ramos, 154, Botafogo, ☎ 99061-8080 (150 lugares). 18h30/1h (ter. e qua. até 0h; fecha dom. e seg.). Aberto em 2018.

Cave Nacional
O restobar de Karina Bellifanti e Marcelo Rebouças é um desdobramento da loja virtual criada em 2015, com foco na alta qualidade e excelente custo-benefício dos rótulos de vinhos nacionais. As estrelas são os pequenos e médios produtores de 32 vinícolas que fornecem cerca de 230 rótulos, devidamente harmonizados com as sugestões do cardápio. A burrata (R$ 39,00) com pesto de castanha brasileira, tomate-cereja e torradas da casa é companhia perfeita para o espumante da vinícola gaúcha Viapiana (R$ 76,00 a garrafa). Já o risoto de gorgonzola com tiras de filé-mignon (R$ 49,00), recorde de vendas desde a abertura, vai muito bem com o merlot 2017, edição reserva, da conterrânea Almaúnica (R$ 124,00). A novidade fica por conta das ostras frescas, vindas diretamente de Santa Catarina, e servidas todas às quartas (R$ 30,00 porção com seis). Rua Dezenove de Fevereiro, 151, Botafogo, ☎ 2146-5334 (66 lugares). 17h/1h (fecha dom. e seg.). → Aberto em 2017. Clique e peça pelo

Champanharia Ovelha Negra
Com matriz em Porto Alegre, a casa ganhou fama no Rio não apenas pelas borbulhas possíveis para todos os bolsos, mas também por seu ambiente descontraído e ideal para uma happy hour. Dentro do casarão de ambiente rústico e luz baixa, o público se acomoda em uma grande mesa de madeira compartilhada e pode escolher a bebida diretamente da banheira que fica em cima do balcão. São oitenta rótulos disponíveis, do francês Dom Perignon Vintage 2003 (R$ 1 725,00), o mais caro do local, a opções mais em conta ó o espumante Seival Brut da Miolo sai a R$ 72,00. Para acompanhar, vale pedir a tábua de queijos (R$ 36,00) com pedaços de tilsit (de origem holandesa), provolone, gorgonzola, grana padano e minas padrão, mais pão fatiado e frutas da estação. A novidade fica por conta do dedo de moço (R$ 6,00), uma brusqueta de doce de leite derretido com flor de sal e paçoca por cima – uma delícia. Rua Bambina, 120, Botafogo, ☎ 2226-1064 (177 pessoas). 18h/23h30 (sáb. 20h/2h; fecha dom.). Aberto em 2005. Clique e peça pelo

Cobre
No quadrilátero mais animado do Humaitá, este casarão centenário com decoração inspirada no estilo industrial é boa opção para uma noite regada a bons drinques ou umas tacinhas de vinho – os rótulos disponíveis custam entre R$ 80,00 e R$ 120,00. A estrela do bar, no entanto, são as pizzas de massa de longa fermentação, criadas pelos chefs Pedro Pernambuco e o italiano Pierluigi Russo, assadas em forno a lenha e servidas em tamanho individual. Entre as coberturas mais diferentonas e recém-chegadas estão a joy, com sour cream, mussarela fior di latte, salmão gravlax, cebola, molho tonkatsu e endro, e a pig pong, com molho de tomate pelati, mussarela fior di late, coleslaw (saladinha de repolho), pulled pork (carne de porco desfiada), maionese de sriracha (um molho bem apimentado, típico da Tailândia) e salsinha ó ambas por R$ 45,00. Outra deliciosa novidade no cardápio são as bolinhas crocantes de queijo mussarela e parmesão (R$ 30,00). Rua Visconde de Caravelas, 149, Humaitá, ☎ 97986-9900 (60 lugares). 18h/0h (fecha seg. e ter.). Aberto em 2018. Clique e peça pelo

Cru Natural Wine Bar
A especialidade da casa, que mistura paredes de tijolos aparentes, piso de cimento queimado e um agradável jardim de inverno, são os rótulos biodinâmicos, de pequenos produtores, feitos com uvas de cultivo orgânico. Na carta encontram-se cerca de oitenta opções, incluindo o recém-lançado Jjjui cy, um tinto feito com uvas cabernet franc a partir da técnica da maceração carbônica. Desenvolvida a pedido dos proprietários numa pequena propriedade de Garibaldi, no Rio Grande do Sul, a garrafa custa R$ 135,00. Há também opções de cerveja de fermentação natural. O cardápio segue na mesma pegada, privilegiando ingredientes orgânicos e sazonais – por isso, as opções de petiscos costumam variar, mas há algumas sugestões fixas e bastante elogiadas. Receita de origem escocesa, o scotch egg (R$ 34,00), uma espécie de bolovo, feito com carne suína e farofa de pão sourdough, é uma delas. Rua Arnaldo Quintela, 94, Botafogo, ☎ 3496-9656 (38 lugares). 18h/0h (fecha dom. e seg.). Aberto em 2018.

Continua após a publicidade

Fuchico
Instalado no imóvel que anteriormente abrigava o Bar Belmiro, em Botafogo, o endereço com paredes em tijolo e madeira, balcão de mármore e piso xadrez, tem como sócio o emblemático Chico Chagas, ex-Bracarense, Chico & Alaíde e, por último, Combinado Carioca. O público se divide entre o salão e as disputadas mesas que ocupam a calçada. Tiragostos assinados por Chico estrelam o menu. É o caso do tradicional sanduíche de pernil fresco com abacaxi no pão francês prensado na chapa (R$ 22,00). Outro clássico em cartaz é o bolinho de aipim com camarão e catupiry (R$ 9,00 a unidade), cuja massa leva dois dias para ficar pronta antes de fritar. Às quintas, no almoço, a casa serve bobó de camarão (R$ 36,00, individual). Sábado é dia de feijoada (R$ 120,00, para dois) e domingo entra em cena o cozido do chico (R$ 120,00, para dois). Na seara etílica, o chope Amstel é tirado na pressão (R$ 9,50 a caldereta). Rua Conde de Irajá, 503, Botafogo, ☎ 2147-6720 (72 lugares). 11h/0h (dom. até 19h; fecha seg.). → Aberto em 2020. Clique e peça pelo

Fuska Bar 2.0
O bar responsável por transformar a esquina do Humaitá em um dos pontos mais agitados da Zona Sul é comandado por Luiz Fernando Ferreira desde a morte do pai, Jaime, em 2017. Ainda que o mote seja a cerveja gelada (o casco de Original está R$ 12,00), os petiscos atraem o público e, com a pandemia, várias novidades aportaram no cardápio. Aos sábados e domingos, entraram em cena pratos mais substanciosos, como a feijoada (R$ 25,00) e o frango assado (R$ 29,00). Vale também experimentar a porção de queijo mussarela e cheddar
empanados no Doritos ou de costela de porco à passarinho, (R$ 26,00 cada uma), com nacos fritos e sequinhos da carne. Para quem é mais dos drinques, o montpellier (R$ 30,00) mistura gim, suco de limão, espumante e espuma de lichia com uísque. Rua Capitão Salomão, 52, Botafogo, ☎ 2266-3621 (60 lugares). 11h/1h (ter. a partir de 18h; fecha seg.). → Aberto em 1991.

Hocus Pocus DNA
Durante a pandemia, o cardápio deste gastrobar, que pertence à cervejaria carioca de mesmo nome, mudou bastante. Agora, todas as catorze torneiras são abastecidas por criações próprias, incluindo a recém–lançada Alma (R$ 14,00, 300 mililitros), uma cerveja mais leve, com aveia em sua composição. Outra opção é a Mordamir (R$ 22,00, 200 mililitros), mais densa e alcoólica. Para comer, aposte nos novos hambúrgueres: o su rya namaskar (R$ 38,00), de carne angus, com tiras de parmesão, maionese de alho e cogumelos salteados; e o cheddar faláfel, com cebola caramelizada (R$ 39,00). Se a fome for menor, o croquete de rabada (R$ 21,50 com quatro unidades) vem fazendo sucesso. A turma dos drinques encontra pedidas como a criação da casa arnold layne, mistura refrescante de gim, tônica, cardamomo e xarope de grapefruit, e custa R$ 27,00. De sobremesa, a aposta fica por conta do banoffe (R$ 18,00), torta de banana, creme e caramelo. Rua Dezenove de Fevereiro, 186, Botafogo, ☎ 4107-3107 (35 lugares). 11h45/23h (qui. até 0h; sex. e sáb. até 1h; fecha dom.). → Aberto em 2016. Clique e peça pelo

Liga dos Botecos
O badalado endereço que reúne os queridinhos Momo, Cachambeer, Botero e Bar da Frente completa dois anos e segue recebendo uma clientela ávida pelo melhor da gastronomia de boteco da cidade. O clima descontraído é sensação na porta com o varandão ao ar livre e suas mesas compartilhadas, enquanto no salão interno o lambe-lambe e o gramofone “voador” garantem boas fotos. Para a experiência completa, a dica é pedir a tábua da liga (R$ 89,90), com petiscos dos quatro bares: dois bolinhos de arroz (Momo), dois croquetes de joelho de porco e dois croquetes de stracotto (Botero), três porquinhos de quimono (Bar da Frente), um pastel de camarão e outro de costela no bafo (Cachambeer). Vai bem com um chope bem gelado (R$ 7,50 o garotinho) ou o drinque autoral mate-me se puder (R$ 29,90), com uísque, mate, limão e mel. Vale finalizar a excursão gastronômica com bolo de milho (R$ 22,90), servido morninho com creme inglês e recheio de brigadeiro. Rua Álvaro Ramos, 170, Botafogo, ☎ 3586-2511 (130 lugares). 17h30/23h (qui até 0h30; sex. até 1h; sáb. 12h/1h; dom. 12h/23h; fecha seg.). → Aberto em 2018.

Marín
Um simpático e agradável pouso para comes e bebes em meio à agitação da principal rua do bairro. Com a intenção de fazer do espaço uma extensão da própria casa,Pedro Ebert e Paula Horta apostaram em pratos que remetem a memórias do casal. Entre os destaques estão a coxinha do mar, de massa de arroz de coco recheada com camarão e amendoim (R$ 39,90 com quatro unidades, acompanhadas de bobozinho de camarão); e o camarão marín, inspirado na culinária tailandesa, com molho cremoso de leite de coco, bisque, gengibre, curry e abacaxi (R$ 53,90, vem com arroz de amendoim e abobrinha sautée). Na carta de bebidas, há cervejas artesanais (a partir de R$ 19,00) e taças de vinhos tinto, branco e rosé (R$ 15,90). O cardápio também traz várias opções de drinques – as combinações de frutas e temperos das caipirinhas (R$ 19,90 com cachaça) são bastante criativas. Rua Voluntários da Pátria, 32-B, Botafogo, ☎ 2266-1561 (60 lugares). 12h/0h (qua. e qui. até 23h; fecha seg. e ter.). → Aberto em 2018. Clique e peça pelo

Meza Bar
O gastrobar de decoração moderninha e luz suave, comandado pela chef e sócia Andressa Cabral, passou por algumas mudanças tanto no ambiente, agora mais espaçoso e ainda mais descolado, quanto no cardápio. Os clientes são convidados a viajar pelo Brasil e para fora com opções de potinhos (R$ 40,00 cada um) como o manaus, saborosa combinação de pirarucu defumado com purê de banana-da-terra, salada de feijãovermelho, farofa e rúcula. Já o cartagena traz briket fatiado, arroz frito, vegetais tostados, purê de cenoura com café e demi-glace. Parte dos drinques ocupa a seção coisa nossa, como atrações como o cafuné (R$ 25,00), cachaça, infusão de coco fresco, chá de melissa, rapadura e bitters de laranja. Hits como o hunny bunny (R$ 32,00), com gim, acerola, maçã, limão-siciliano e espuma de mel, seguem presentes para a alegria da clientela. Rua Capitão Salomão, 69, Humaitá, ☎ 3239-1951 (80 lugares). 18h/1h (dom. 17h/0h; fecha seg.). → Aberto em 2008. Clique e peça pelo

Narreal Brewhouse
Localizado em um casarão de dois andares restaurado, o espaço é um mix de bar e fábrica de cerveja e conta com trinta torneiras – vinte delas em funcionamento durante a pandemia, período no qual o modelo de autosserviço foi suspenso. Os preços variam desde a pilsen da casa (R$ 3,33, 100 mililitros), opção mais em conta, até a Barley Wine (R$ 7,97), uma parceria com a cervejaria 3 Cariocas. Outra queridinha do público é a witbier (R$ 4,17), muito pedida ainda no começo da noite. Para beliscar, a novidade fica por conta da porção de bolinho de angu com ragu de costela (R$ 9,00, duas unidades) e, em caso de fomes maiores, a barriga de porco temperada com ervas e especiarias (R$ 29,00) dá conta do recado. A fábrica nos fundos é aberta a visitação. Rua Real Grandeza, 129, Botafogo, ☎ 3586-7052 (140 lugares). 17h/23h (sex. e sáb. até 0h; fecha seg.). Aberto em 2019. Clique e peça pelo

Quartinho Bar
Com trilha sonora de primeira linha, que reúne pérolas da MPB de todos os tempos, disponível no Spotify, o espaço pequeno, como o nome sugere, dispõe de charmoso ambiente interno, onde uma parte é coberta por telha aparente e a outra fica ao ar livre. Jonas Aisengart, artista plástico e sócio de Edu Araújo na empreitada, assina telas na parede e a carta de drinques. A seção Doces Dezesseis, referência ao valor de cada pedida, traz receitas como o cocada boa, feita com cachaça bálsamo, xarope de cocada, maracujá e gengibre. Faz sucesso o gabriela foi a londres (R$ 28,00), mistura de gim Tanqueray, chápreto earl grey, mel infusionado com cravo, xarope de canela, ginger ale e suco de limãosiciliano (R$ 28,00). Na seara dos comes, figuram novidades como sacanagem do mar (R$ 44,00, seis unidades). Inspirado nos espetinhos de salsicha das festas de antigamente, trata-se da junção de polvo, lula, camarão, linguiça e pimentão vermelho. Rua Arnaldo Quintela, 124, Botafogo, ☎ 2179-6447 (60 lugares). 18h/1h (fecha dom. e seg.). →Aberto em 2018. Clique e peça pelo

OverHop Experience
Primeiro bar da cervejaria fluminense OverHop, o espaço tem clima de garagem, com móveis em madeira crua em contraste com as paredes grafitadas. São doze torneiras no balcão (com média de oito em funcionamento durante a pandemia), que abastecem copos de dois tamanhos e o grow ler de 1 litro para delivery. A American IPA HopGoddess (R$ 18,00) e a Imperial IPA One Love (R$ 19,00) são as mais pedidas pela turma, junto com a New England IPA Hazy (R$ 22,00), rótulo premiado com medalha de ouro no Mondial de La Bière. Para petiscar, a porção de dadinho de tapioca (R$ 28,00) é boa opção, mas também tem hambúrgueres caprichados. O zythos (R$ 29,00) vem com queijo mussarela, maionese de alho, farofa de bacon e geleia de pimenta. Rua Dezenove de Fevereiro, 190, Botafogo, ☎ 3486-2820 (50 lugares). 17h/0h (fecha dom.). → Aberto em 2019. Clique e peça pelo

Petiscaria da Rosa
Inaugurado no fim de janeiro ao lado do tradicional Aurora, o endereço dispõe de um terraço ao ar livre com vista para o Cristo Redentor. Para beliscar, há sugestões como ovos de codorna (R$ 12,00) e mix temperados com azeitonas, alho e tremoços (R$ 15,00). No sous-vide, técnica francesa de cozer os alimentos, são preparados acepipes como as porções de polvo ao vinagrete (R$ 28,00) e a de cogumelos (R$ 18,00). No ciabatta, o sanduíche de camarão (R$ 35,00), uma releitura do “lobster roll”, chega finalizado com finas rodelas de pepino. Risotos e bruschettas completam a lista de comidinhas. Na seção de bebidas, há vinho em taça (R$ 15,00), branco ou tinto da gaúcha Don Guerino, Heineken (R$ 9,00 a long neck) e drinques como o gim-tônica com flor de hibisco e cardamomo e o mojito da casa, com vodca no lugar do rum (R$ 25,00 cada um). Rua Capitão Salomão, 43, Humaitá, ☎ 3988-8871 (50 lugares). 19h/0h (sex. até 1h; sáb. 17h/1h; dom. 17h/22h; fecha seg. e ter.). → Aberto em 2020. Clique e peça pelo

Porco Amigo Bar
Uma esquina calma do bairro se tornou ponto de encontro para amantes de carne suína. Sociedade do empresário Eduardo Gomes com o chef Nery Owczarzak, o endereço conta com 33 opções entre pratos e petiscos, das quais 25 são à base de porco, assim como todos os sanduíches. Para começar, aposte na porção de torresmo (R$ 15,90), no croquete de costela desfiada (R$ 8,00 a unidade) ou na coxinha de paleta suína (R$ 9,00). Mais adiante tem filé-mignon suíno acebolado com aipim frito e queijo de coalho (R$ 42,90, para dois). Na ala dos bebes, o chope Brahma custa R$ 8,00, mas a casa conta com o próprio rótulo, uma ipa vendida a R$ 32,00 a garrafa. Fica a dica: vegetarianos não passam fome por aqui. Tem croquete de cogumelos (R$ 12,90 a unidade) e lasanha de berinjela (R$ 25,90). Rua São Manuel, 43, Botafogo, ☎ 2137-4963 (80 lugares). 12h/23h (dom. até 22h; fecha seg.). → Aberto em 2018. Clique e peça pelo

Surreal
O clima meio geek é acentuado pela luz baixa e por uma decoração repleta de referências à cultura pop. Quem chega cedo consegue vaga no jardim de inverno com parede de tijolinhos, que se tornou um dos pontos mais disputados da casa. O diferencial, no entanto, fica por conta das inúmeras experiências com jogos de realidade virtual. O cardápio, reformulado durante a pandemia, exibe itens com o nome de games, séries e filmes, a exemplo de c.s.i, croquete irresistível feito de costela na brasa (R$ 32,00 a porção com seis unidades), e o hambúrguer footloose (R$ 34,00, acompanhado de chips de raízes), homenagem ao filme estrelado por Kevin Bacon. Para beber, o queridinho é o marvel mule (R$ 27,00), drinque com vodca Ketel One infusionada com chá de frutas silvestres, xarope de gengibre e morango, chá de hibisco, espuma cítrica de gengibre e pó de hibisco. Rua Paulo Barreto, 102, Botafogo, ☎ 3598-5146 (80 lugares). 18h/0h (sex. e sáb. até 1h; dom. 13h/21h; fecha seg.). → Aberto em 2019. Clique e peça pelo

The Rooftop
No 13º piso do hotel Yoo2, o local é aberto a não hóspedes, mediante reserva e conforme a disponibilidade. Vale a visita. O entorno inclui barquinhos na Baía, o Pão de Açúcar, o Cristo Redentor e outras surpresas. Lá do alto, construções vizinhas, como a Igreja Imaculada Conceição, revelam-se em novos ângulos. Um terraço envolve o salão fechado onde fica o balcão. Na parte da frente, a mais disputada, por razões óbvias, ou em qualquer outro lugar, a dica é experimentar algumas das vinte criações da carta do bartender baiano Roger Bastos, craque que ostenta no currículo quatro anos de labuta no Meza Bar – o água de beber (R$ 34,00) é uma união refrescante de uísques Gold Label e Black Label, redução de maracujá com cardamomo, limão-taiti e espuma de gengibre. Na seção de petiscos, o duo de coxinhas (R$ 27,00) chega com ketchup de goiabada cascão. Às quintas, das 18h às 20h, é dia do wine lounge, no qual se pagam R$ 75,00 para beber cinco rótulos de vinho à vontade. Praia de Botafogo, 242 (Hotel Yoo2), Botafogo, ☎ 3445-2015 (100 lugares). 17h/23h (fecha seg.). → Aberto
em 2016.

Winehouse
O pequeno salão se expande até a rua para abrigar, em sua maioria, casais que buscam o clima intimista do local, devidamente harmonizado com uma caprichada carta de vinhos. São cerca de cinquenta rótulos nacionais e importados, entre espumantes, brancos, tintos e vinhos de sobremesa. As escolhas vão desde o vinho da casa, o Winehouse Cabernet Sauvignon (R$ 82,00), produzido na vinícola gaúcha Aracuri, até o tinto espanhol Luis Cañas Crianza (R$ 249,00). Há também a opção de taça, a partir de R$ 16,00 na happy hour. Da cozinha, os pratos mais apreciados são o penne com cogumelos orgânicos e creme fresco e o risoto de queijo brie com limão-siciliano (R$ 39,00 cada um). Para finalizar, a musse de chocolate amargo (R$ 18,00) harmoniza muito bem com o licor de tannat (R$ 18,00 a taça). Rua Paulo Barreto, 25, loja E, Botafogo, ☎ 3264-4101 (36 lugares). 17h/1h (seg. a qua. até 23h; fecha dom.). Aberto em 2014. Clique e peça pelo

COPACABANA

Adega Pérola
Entra e sai ano e o conhecido salão não muda: são mesas e bancos compridos de madeira, com um formidável balcão de 9 metros de comprimento recheado de acepipes que gozam de ótima fama. A novidade fica por conta das mesas de bistrô na calçada, de onde a freguesia pode pedir tira-gostos deliciosos, servidos em porções de 100 gramas. Vamos lá: as opções vão desde o polvo ao vinagrete (R$ 36,00) até o famoso alho em conserva (R$ 28,00). Da cozinha, saem os petiscos quentes, como bolinho de bacalhau (R$ 27,00, porção com doze), a carne de sol com aipim (R$ 52,00) e o camarão com ervas finas (R$ 56,00). Com a pandemia, o endereço passou a servir almoço
executivo, com pratos entre R$ 25,00 e R$ 30,00. Ninguém fica de copo vazio por aqui. A casa conta com mais de trinta rótulos de cervejas artesanais, mas o campeão de pedidos é o chope Brahma (R$ 8,00). Rua Siqueira Campos, 138, loja A, Copacabana, ☎ 2255-9425 (110 lugares). 11h/1h (fecha dom.). → Aberto em 1957.

Caju
Quase em frente aos tradicionais Cervantes e Galeto Satís, em Copacabana, o bar de paredes amarelas e ambiente descontraído presta uma homenagem ao fruto carnudo que dá nome ao espaço com várias criações feitas com o ingrediente. Ele aparece, por exemplo, no vinagrete de polvo, acompanhado de chips de mandioca (R$ 35,00). Tem bastante saída também o pega na moela (R$ 28,00), que traz a moela de pato com aipim na manteiga de garrafa, ladeada de pão fatiado. Para beber, a carta de drinques da bartender Priscilla Pulcherio, do Garoa Ipanema, oferece cerca de trinta sugestões, como a mistura de gim, cajuína, xarope de especiarias, canela, tônica e espuma de caju (R$ 28,00). No primeiro gole, a espuma pode dar a impressão de que o coquetel é uma mistura adocicada, mas surpreende pelo equilíbrio nas bicadas seguintes. Entre as cervejas, as mais vendidas são os cascos de Stella Artois (R$ 14,00) e de Heineken (R$ 15,00). Praça Demétrio Ribeiro, 97, loja C, Copacabana, ☎ 3264-3713 (60 lugares). 11h30/23h (sex. e sáb. até 1h; dom. até 22h). Aberto em 2019.

Cervantes
O tradicional endereço, dono do título de Patrimônio Cultural Carioca, serve um dos maiores clássicos da boêmia carioca: o sanduíche de pernil com queijo e abacaxi no pão de leite (R$ 28,00). Na versão de filé-mignon com queijo (R$ 37,00), a carne costuma vir deliciosamente malpassada. Entre os pratos, fazem sucesso a picanha à cervantes e o filé-mignon à oswaldo aranha ó ambos por R$ 99,00 e muito bem servidas. Pelo mesmo preço, dá para experimentar o churrasco misto com fatias de filé-mignon, frango, lombinho e linguiça. Para beber, não dá outra: o chope Brahma (R$ 8,00), servido bem gelado, está em quase todas as mesas. No quesito doce, vale investir no pudim de leite ou no pastel de Belém (R$ 10,00 cada um). Avenida Prado Júnior, 335, loja B, Copacabana, ☎ 2542-9287 (75 lugares). 12h/4h (dom. até 2h; fecha seg.); Avenida das Américas, 5777 (Comercial Park Palace), Barra, ☎ 2438-1458 (120 lugares). 12h/1h. → Aberto em 1955. Clique e peça pelo

El Born
Com o objetivo de trazer um pouco do clima boêmio do bairro, um dos mais antigos de Barcelona, diretamente para Copacabana, o cearense Antônio Rodrigues inaugurou este aconchegante gastrobar no finalzinho de 2012. Dono da rede Belmonte, ele investiu na mesma lógica de circulação de tapas: os garçons passam nas mesas oferecendo petiscos a R$ 9,00, como a linguiça com geleia de pimenta, o ceviche de peixe branco e a cafta de cordeiro com geleia de pimenta. Só os acepipes com polvo e camarão têm valor diferenciado – custam R$ 14,90. O espaço, que remete a uma típica taberna espanhola, conta com luz baixa e teto de madeira, de onde pendem presuntos ibéricos que abastecem pedidas como a coca de jamón, uma espécie de bruschetta com lascas de parmesão e tomate confitado (R$ 30,50). Para entrar realmente no clima, cai bem uma jarra de sangria (a partir de R$ 97,00), mas a casa também conta com inúmeras opções de drinques. Rua Bolívar, 17, loja A, Copacabana, ☎ 3496-1781 (72 lugares). 17h/2h (sex. e sáb. e dom. a partir de 16h). Aberto em 2012. 

Os Imortais
Quando os primos Rômulo Torres e Fernando Martins conquistaram o sonho do bar próprio, em 2012, nem imaginavam que estavam dando início a um pequeno polo etílico/gastronômico no bairro – na rebarba do sucesso da dupla, vários bares e restaurantes abriram por ali depois. É até difícil escolher um único petisco no cardápio, de tão tentadores, mas fica a dica: prove a coxinha da vovó, feita com massa de milho e recheada com drumete de frango desfiado (R$ 32,90 a porção com quatro). Outro sucesso é o aperitivo as marias, quatro deliciosas bolinhas de massa de milho recheadas com ragu de calabresa e mix de queijos (R$ 25,00), que vão muito bem com a cerveja da casa, endida em long neck por R$ 12,00. Vale experimentar também a batida de paçoca (R$ 15,00) ou o drinque highlander, à base de bourbon (R$ 25,00). Rua Ronald de Carvalho, 147, Copacabana, ☎ 3563-8959 (54 lugares). 18h/1h (sáb. abre 15h; dom. 15h/0h). → Aberto em 2012. Clique e peça pelo

Pavão Azul
O célebre botequim se tornou ponto de encontro de um público bastante eclético, que busca sempre uma cerveja gelada. Hoje conta com outros cinco pontos no mesmo bairro: o Pavãozinho do outro lado da rua, o Pavão Black com pegada mais arrumadinha, o barzinho descolado Pavão Verde, o Peixinho Azul, pertinho da praoa, e o recém-inaugurado Pavão Convida, que investe em hambúrgueres e oito torneiras de cervejas artesanais. Na matriz, o campeão de procura, entre os salgados, é a patanisca de bacalhau (R$ 16,80 com quatro unidades) e os pastéis de camarão, carne, queijo, queijo com tomate seco (R$ 4,00 cada um) e carne-seca com requeijão (R$ 5,00). Para apetites mais vorazes, ótimas pedidas são o risoto de camarão (R$ 39,00) e o arroz de polvo (R$ 42,00). Rua Hilário de Gouveia, 71, lojas A, B e C, Copacabana, ☎ 2236-2381 (60 lugares); Avenida Prado Júnior, 120D, Copacabana, ☎ 3624-0600 (20 lugares). 12h/0h → Aberto em 1957. Clique e peça pelo

Tasca Carvalho
Nesta casa portuguesa, cada detalhe foi pensado para que o freguês se sinta mesmo em um típico boteco europeu. Decorado com paisagens lisboetas, o endereço aposta em pratos rústicos, como o atum à moda quer alho (peixe grelhado com alho assado, tomate e molho de ervas) e a punheta de bacalhau (desfiado com alho, cebola, salsa, pimenta-branca e azeitona preta). Cada petisco sai a R$ 29,90 e vem à mesa com um delicioso pãozinho feito no local. Disputam a atenção os queijos, dispostos em uma vitrine refrigerada e servidos em porções de 100 gramas (R$ 24,90). Além da cerveja no casco (R$ 12,90 a Original), pedida mais óbvia nas calçadas de Copacabana, o ponto pequenino tem uma boa carta de vinhos, com preços que variam de R$ 69,90 a R$ 149,90. O rótulo da casa, um verde, custa R$ 59,90. Rua Ronald de Carvalho, 266, Copacabana, ☎ 99957-9845 (50 lugares). 17h/1h (fecha seg.). → Aberto em 2016.

FLAMENGO, CATETE E GLÓRIA

Boteco Belmonte
Em 2002, o ex-garçom Antonio Rodrigues assumiu o comando do pé-sujo no Flamengo e transformou o lugar numa espécie de boteco mais arrumado. Inaugurava ali a era dos pés-limpos, modelo replicado por outras marcas. O sucesso fez Rodrigues multiplicar a marca na cidade e o ajudou a construir um pequeno império da botecagem. A conhecida história ganhará novo capítulo no fim do ano, quando o empresário abre a primeiro Belmonte em São Paulo, no endereço na Vila Madalena onde funcionou o Açougue Central, de Alex Atala. Tentará conquistar os paulistanos com petiscos consagrados por aqui, como as famosas empadas abertas (a de camarão com catupiry é campeã; R$ 20,00) que circulam pelo salão em bandejas repletas. Com pratos bem servidos, a picanha à brasileira é oferecida a R$ 155,00, para duas pessoas, mas satisfaz até três. O bem tirado chope Brahma (R$ 10,00) é o preferido entre os bebes. Praia do Flamengo, 300, loja B, Flamengo, ☎ 2552-3349 (58 lugares). 12h/1h; Rua Jardim Botânico, 617, Jardim Botânico, tel 2239-1649 (220 lugares). 11h/23h (sex. e sáb. até 0h). → Mais oito endereços. Aberto em 2002. Clique e peça pelo

Botero & Tango
Reduto inspirado na cultura argentina, da decoração à comida, a casa abriu espaço para a turma do boteco Botero, na Tijuca, que agora divide o cardápio com seus petiscos. Da porção original do negócio, permanecem especialidades como as tradicionais empanadas, em sabores como carne picante (um clássico!) e linguiça toscana com provolone e chimichurri (R$ 11,90 cada uma). Pizzas com nome de bairros de Buenos Aires também têm boa saída. A recoleta (R$ 72,90) vem coberta de mussarela, presunto, cebola-roxa e cogumelo-de-paris. A casa convidada levou hits como o stracotto, carne cozida em molho de cerveja preta, servida desfiada com queijo e pães (R$ 49,90). Para beber, a garrafa de 970 mililitros da cerveja argentina Quilmes sai a R$ 28,00. E toda quinta, a partir das 18h, um festival de gim-tônica permite beber versões do drinque à vontade pagando R$ 54,90. Rua Senador Vergueiro, 44, Flamengo, ☎ 2225-5592 (130 lugares). 12h/0h (fecha seg.). → Aberto em 2014. Clique e peça pelo

Café Lamas
Um clássico das madrugadas, a tradicional casa abriu as portas num sobrado no Largo do Machado, antes de ser transferido para o endereço atual. Nos fundos do imóvel, o salão recebe a clientela ávida por pratos fartos como o filé à metrô (R$ 134,00), 300 gramas de carne, presunto, batata frita, farofa brasileira (ovo, linguiça e salsinha), arroz, salada de alface, tomate e palmito e dois ovos fritos. A picanha especial (R$ 167,00; 700 gramas) serve até três e chega acompanhada da guarnição à escolha ó à oswaldo aranha traz alho frito, arroz, farofa e batata portuguesa. Antes dos pratos principais, o pastel de queijo de recheio farto é boa pedida (R$ 6,50). Para beber tem chope Brahma claro ou escuro (R$ 8,00) e uma boa e tradicional caipirinha de limão com cachaça Velho Barreiro (R$ 20,00) – com vodca Smirnoff sai a R$ 22,00; com Absolut, R$ 32,00. Rua Marquês de Abrantes, 18, Flamengo, ☎ 2256-0799/0229 (230 lugares). 11h/23h (sex. e sáb. até 0h). → Aberto em 1874.

Julieta Bar
Endereço de decoração sofisticada, o bar, que fica dentro da Casa de Cultura Julieta de Serpa, oferece um balcão imponente e poltronas confortáveis, agora protegidas por painéis de acrílico para favorecer o distanciamento social. O bartender Daniel Milão prepara drinques elogiadíssimos, como o flor de lis (R$ 33,00), reunião de gim, licor de pêssego, xarope de amêndoas com pêssego e fisális, limão-taiti e carambola fresca. Um sabor mais doce se encontra no excellence (R$ 35,00), mistura de vodca, uva thompson, limão-siciliano e cereja. O palitinho crocante de queijo brie com geleia de pimentadedo-de-moça (R$ 38,00, oito unidades) é uma das pedidas para petiscar. Outra dica, o sanduíche de salmão defumado com tomate confitado, alface, aneto e creme de alcaparras chega montado no pão ciabatta (R$ 34,90). Praia do Flamengo, 340, Flamengo, ☎ 2551-1278 (60 lugares). 19h/23h30 (fecha dom. e seg.). → Aberto em 2012.

RioTap BeerHouse
Aberta em julho de 2019, a casa oferece destino certeiro aos apreciadores de cervejas artesanais. Empreitada familiar dos irmãos Demétrio e Marina Menezes com sua mãe, Simone, o lugar tem ambiente intimista decorado em estilo industrial, misturando ferro, madeira e coloridos grafites. Entre os mais de oitenta rótulos listados na carta, destacam-se sugestões como a carioca Hocus Pocus Magic Trap Belgian Strong Golden Ale (R$ 29,90, 500 mililitros) e a inglesa Fullerís Golden Pride Strong Ale (R$ 39.00, 500 mililitros). Para comer, aposte no smash duplo cheddar (R$ 24,00). Com dois discos de carne de 75 gramas, queijo e bacon, o pedido chega acompanhado de fritas. O mix de minipastéis (R$ 29,00, dez unidades) traz recheios de queijo, de linguiça defumada com queijo e de cogumelo com cebola caramelada, acompanhados de molho de pimenta. Travessa dos Tamoios, 32, lojas B e C, Flamengo, ☎ 3258-4168 (40 lugares). 18h/23h (qua. até 22h; dom. 15h/20h). Aberto em 2019. Clique e peça pelo

GÁVEA E SÃO CONRADO

Barthô Praia
À frente do quiosque praiano, inaugurado em fevereiro e com amplo ambiente a céu aberto, está Deborah Manfroi, pupila do chef José Hugo Celidônio e responsável pelo extinto Bartholomeu, de Paraty, restaurante oficial da Flip entre 2002 e 2012. Para começar, escolha entre os pastéis de palmito (R$ 12,00) com molho chimichurri e as espetadas, como a que reúne camarão e lula (R$ 20,00). Carro-chefe local, o robalo assado no sal grosso, preparado pelo chef Marcelo Sousa, chega escoltado por batatas coradas, molho de ervas e tirinhas de abobrinhas grelhadas (R$ 78,00). Na seara das bebidas, o moscow mule vem com espuma de tangerina (R$ 32,00). Avenida Prefeito Mendes de Morais, em frente ao 1400, São Conrado, ☎ 99521-4787 (100 lugares). 12h/22h30 (sex. a dom. 13h/0h; fecha seg. e ter.). → Aberto em 2020.

Braseiro da Gávea
Uma instituição carioca, o lugar vive concorrido, mesmo no almoço durante a semana, quando vigoram fartíssimos pratos executivos a R$ 38,00 ó um exemplo, o espetinho misto à campanha guarnecido de arroz, farofa de ovo e batata frita serve dois tranquilamente. Imbatível, a picanha na brasa serve bem três pessoas e pode vir com o acompanhamento à escolha por R$ 163,00. Traço marcante dos cardápios tradicionais da cidade, os pratos de origem portuguesa estão representados por pedidas como o bacalhau à gomes de sá, com batatas coradas, cebola, salsa e arroz (R$ 150,00, para três). Enquanto espera o prato, a clientela se distrai beliscando uma linguiça toscana com molho à campanha (R$ 6,00 a unidade). Para beber, fique entre o chope da Brahma (R$ 7,50) e as caipis com frutas e destilados diversos ó com Tiquira, a aguardente de mandioca, o pedido sai a R$ 25,00. Praça Santos Dumont, 116, Gávea, ☎ 2239-7494 (100 lugares). 11h30/1h. → Aberto em 1995.

Gávea Beach Club & Fun
Rede de quiosques de cozinha esmerada e ambientes confortáveis, a marca possui três unidades na orla. Todas estão passando por uma reforma para deixar a decoração mais ao estilo pé na areia, como objetos com referências ao mar, e cardápio mais focado na cozinha mediterrânea. A matriz, em São Conrado, já adotou o modelo, que será seguido pelas filiais (na Barra e no Leme) e reabrem até janeiro. Uma vitrine de antepastos e outra de pescados frescos aguçam o paladar – os itens variam, como os lagostins (R$ 90,00), que vão à grelha e voltam com uma guarnição à escolha. Dica para petiscar, a porção de mexilhões com chouriço sai a R$ 48,00. A seção de massas oferece o clássico espaguete ao vôngole (R$ 68,00). Drinques com espumante caem bem à beira-mar, a exemplo da mimosa (R$ 28,00), com suco de laranja, e do clericot (R$ 90,00 o litro). Avenida Prefeito Mendes de Morais, quiosques QS 4 A e B, São Conrado, ☎ 99437-5275 (60 lugares). 12h/23h (fecha seg.). → Aberto em 2012.

Inverso Gávea
As mesas se espalham sobre um deque bem arejado com vista para o Cristo Redentor. Com horário reduzido, a casa agora recebe os clientes apenas no fim de semana e feriados – dias concorridos. Uma dica para abrir os trabalhos é a porção de croquete de berinjela defumada (R$ 29,00, seis unidades), que leva um toque de páprica. Também há duas versões de ceviche. A de dourado (R$ 38,00) leva leite de tigre, limão, cebola-roxa, coentro e pimenta-dedo-de-moça, além de ser guarnecida com chips de batata-doce. Drinques tradicionais compõem a carta de bebidas. O gim-tônica feito com Bombay, maracujá e gengibre sai a R$ 33,00. Pela caipivodca de Absolut e frutas da estação pagam-se R$ 29,00. Em breve a casa volta a disponibilizar shows e área de recreação infantil. Praça Santos Dumont, 31 (Jockey Club Brasileiro), Gávea, ☎ 3687-9448 (120 lugares). 12h/19h (fecha seg. a sex.). → Aberto em 2016. Clique e peça pelo

IPANEMA

Delirium Café
Comemorando uma década em 2020, a filial do badalado bar em Bruxelas ganhou uma  repaginada – “para seguir em frente”, como diz o sócio Hélio Vieira. Uma reforma ampliou o salão, que ganhou nova iluminação e novo balcão. Agora, vinte torneiras (o dobro de antes) jorram chopes importados e nacionais, com destaque para os cariocas. Dois exemplos: Old School Pilsen (R$ 9,00) e Roter Summer Ale (R$ 11,00), ambos em 350 mililitros. Diariamente, uma happy hour (até 20h) oferece esses rótulos a R$ 5,90 e R$ 9,90, respectivamente. A farta carta de cervejas expande a oferta para produtos especiais, como a de rolha safrada belga Gouden Carolous Cuvee Van de Keizer Blawn 2017 (R$ 109,00, 750 mililitros), de alto teor alcoólico. O cardápio de comes também ganhou acréscimos como a linguiça de vitela com grãos de pimenta-verde (R$ 34,90) e o bolinho de malte com queijo e calabresa (R$ 28,00, seis unidades). Rua Barão da Torre, 183, Ipanema, ☎ 2502-0029 (80 lugares). 17h/1h (sex. e sáb. até 3h). → Aberto em 2009. Clique e peça pelo

Espaço 09
Aberto às vésperas da pandemia, trata-se de um coletivo gastronômico que concentra o brewpub da Cerveja Zer09, antes instalado na Rua Gomes Carneiro, o Bar do Honô e a Pizza DuMalt. São 21 torneiras de chopes artesanais, a maioria de fabricação própria, além de marcas convidadas. A pilsen da casa custa R$ 7,00 (285 mililitros), mas o carro- chefe da cervejaria, batizada em homenagem ao Posto 9, é a lupu lada IPA (R$ 15,00, 285 mililitros; R$ 22,00, 473 mililitros; R$ 44,00, o litro). Da cozinha do Bar do Honô saem comes como o pastel de lagosta (R$ 9,50) e o choripan, sanduíche de linguiça com vinagrete e chimichurri (R$ 23,90). Aos sábados e domingos, a casa oferece diversas opções de almoço, que variam de R$ 35,00 a R$ 41,00, incluindo entradinha e prato principal. Rua Farme de Amoedo, 43, Ipanema, ☎ 98743-0757 (70 lugares). 17h/1h (sáb. a partir de 12h; dom. 12h/23h; qua. até 0h; fecha seg. e ter.). → Aberto em 2020. Clique e peça pelo

Ko ba Izakaya
No 2º piso do imóvel que também abriga a steak house Maria e o Boi, o negócio é inspirado nos tradicionais botequins japoneses, onde o forte são os petiscos quentes. Uma novidade, os gohan bowls trazem arroz japonês e complementos como curry feito na casa mais porco ou sobrecoxa de frango empanados (R$ 42,00). Um sucesso,o sweetínísour ebi é um tempurá de camarão bem crocante besuntado em molho agridoce e salpicado de gergelim (R$ 39,00) – vale a visita. Em dias mais frios, a pedida é o ramem, que aparece numa versão picante (R$ 57,00), feita com conserva de acelga, ovo e tempurá de lagostim. Para beber, a dose do saquê da casa sai a R$ 26,00 (180 mililitros). Entre as cervejas, a Hocus Pocus Orange Sun shi ne (R$ 28,00, 500 mililitros) é uma blonde ale com cascas de laranja. Durante a semana, o menu executivo oferece entrada do dia e prato por R$ 37,00. Rua Maria Quitéria, 111, 2º andar, Ipanema, ☎ 3502-4637 (38 lugares). 12h/22h (sex. e sáb. até 23h; dom. 13h/22h). Aberto em 2018. Clique e peça pelo

Marea
Quiosque do luxuoso Hotel Fasano, que fica quase em frente, o ponto no calçadão de Ipanema conta com ambiente bem arejado debruçado sobre a praia. Operando com metade dos lugares, as mesas se espalham pelos 300 metros quadrados de área, permitindo um bom distanciamento social. O cardápio também foi reduzido – ficaram os campeões de venda e entraram algumas novidades, como os pratos para ser partilhados por até três pessoas. Um exemplo: o arroz de bacalhau (R$ 160,00). Na ala dos petiscos, os destaques, há dicas como um apetitoso  croquete de camarão (R$ 36,00, seis unidades), carpaccio de peixe do dia (R$ 55,00) e até filé aperitivo acebolado (R$ 78,00), um clássico dos botecos cariocas. Para beber, uma carta de caipis (R$ 36,00 com vodca e R$ 24,00 com cachaça) elenca misturas refrescantes, como caju, limão-siciliano e hortelã. Avenida Vieira Souto, quiosques 3 e 4 (Posto 8), Ipanema, ☎ 99539-9834 (130 lugares). 12h/20h (qua. e qui. até 18h; fecha seg. e ter.). → Aberto em 2018.

Pato com Laranja
Chef tarimbada, Andréa Tinoco comanda um bufê com seu nome e já teve outros negócios gastronômicos, como o restaurante Pato com Laranja, que funcionou na Rua do Ouvidor até 2000. Dezoito anos depois, seu filho, Pedro, resgatou a marca na forma de um descolado (e movimentado) gastrobar. O apetitoso cardápio assinado por Andréa oferece receitas como um bom steak tartare servido com batata frita trufada (R$ 36,00). Novidade, o sushi bar elenca combinados e itens avulsos, como o sashimi de salmão selado no azeite trufado, flor de sal e raspas de limão-siciliano (R$ 25,00, cinco unidades). Produzido pela Hocus Pocus para a casa, o Orange Duck (R$ 15,00, 300 mililitros), um american wheat ale com laranja, é uma das opções de chope. Sugestão da carta de gim, o bramble do pato une o destilado a licor de jabuticaba, limão-siciliano e xarope de pepino (R$ 34,00 com Tanqueray). Rua Visconde de Pirajá, 539, Ipanema, ☎ 2540-8380 (100 lugares). 11h30/1h. → Aberto em 2018.Clique e peça pelo

Teva
Negócio original, trata-se de um bar vegano. Isso mesmo. Opção da carta de drinques, o raspberry mule (R$ 30,00) leva vodca Ketel One, framboesa, gengibre, limão e espuma de gengibre feita com goma xantana no lugar da clara de ovo. Vinhos veganos, orgânicos e biodinâmicos também estão entre as sugestões líquidas. Da cozinha do chef e proprietário Daniel Biron saem saborosas receitas. Prove o carpaccio de cogumelo portobello temperado com molho de ervas, parmesão de tremoço, picles de cebola-roxa, rúcula (R$ 48,00) e comprove ó o pedido acompanha torradas. Biron, que no ano passado inaugurou uma filial em São Paulo, apostou no delivery durante a pandemia e lançou o Teva Deli, um empório de produtos resfriados ou congelados feitos na casa, como antepastos, molhos, queijos vegetais e massas. Avenida Henrique Dumont, 110, loja B, Ipanema, ☎ 3253-1355 (40 lugares). 12h/23h (sex. e sáb. até 0h; dom. até 22h, fecha seg.). Aberto em 2016. Clique e peça pelo

JARDIM BOTÂNICO

Casa Camolese
Com mesas retiradas do salão e redistribuídas ao ar livre e uma espaçosa varanda voltada para a pista do Jockey Club, o ponto foi um dos destaques na votação de melhor visual da edição 2020 do prêmio VEJA RIO COMER & BEBER. Agora o serviço é orquestrado pela experiente restauratrice Danni Camilo e um novo chef comanda a cozinha, o uruguaio Esteban Mateu (exTérèze). Ele prepara um  cardápio enxuto, de pedidas como o delicioso polvo com grãode-bico, pimentão assado e salsa (R$ 49,00), uma entrada de sotaque espanhol. Outra dica é partilhar uma das ótimas pizzas. A toscana leva cogumelos, linguiça artesanal, mussarela defumada, alho e pimenta (R$ 48,00). Do balcão comandado por Thiago Politi saem drinques como o jardim suspenso (R$ 35,00), de gim Tanqueray, frutas vermelhas com calda de flores do campo, espuma de hibisco e perfume de toranja. Chopes fabricados ali mesmo incluem o witbier zazá (R$ 12,00, 285 mililitros). Rua Jardim Botânico, 983 (Jockey Club Brasileiro), Jardim Botânico, ☎ 3514-8200 (114 lugares). 17h/23h (sáb. 12h/23h; dom. 12h/19h). → Aberto em 2017. Clique e peça pelo

La Carioca Cevicheria
Um quiosque na orla do Leblon, aberto em setembro de 2019, é a terceira unidade da rede que mescla a tradição culinária peruana com o estilo carioca. Para começar, faça como os andinos e peça um pisco sour (R$ 25,00) e, para acompanhar, uma das catorze versões de ceviche. Uma de pegada oriental reúne atum, molho de ostra, shoyu, rabanete, gergelim, mel e suco de limão (R$ 35,00). O chicharrón de camarão traz o crustáceo crocante ao lado de molhos de abacate, de maracujá e de amendoim (R$ 47,00). De volta aos bebes, uma carta de sangrias oferece a refrescante combinação de  vinho verde, frutas cítricas, maçã e carambola (R$ 88,00 o litro). Outra opção são as cervejas de marca própria – a weiss sai a R$ 29,00 (600 mililitros). Rua Maria Angélica, 113, loja A, Jardim Botânico, ☎ 99449-7419 (60 lugares). 18h/0h (sex. a dom. 13h/0h; fecha seg.); Avenida Delfim Moreira (em frente ao número 90), Leblon, ☎ 98552-3474 (120 lugares). → Mais um endereço. Aberto em 2011. Clique e peça pelo

Maguje
Um novo cardápio, mais enxuto, criado pela dupla de consultoras Ciça Roxo e Ro Gouvêa, vigora nesta retomada. O steak tartare acompanhado de batatas rústicas pode  ser solicitado em dois tamanhos: 90 (R$ 38,00) ou 150 (R$ 53,00) gramas. A carta de coquetéis também foi renovada e leva a assinatura de Rodrigo String. Uma sugestão, o comeback summer reúne gim Tanqueray, frutas vermelhas, camomila, limão e espuma de gengibre (R$ 31,00). A marca Therezópolis domina a seleção de cervejas em garrafa ou da torneira. A IPA sai a R$ 22,00 na caneca de 400 mililitros. Com duas varandas, uma delas voltada para a pista do Jockey Club, tem ambiente arejado e concorrido. No rooftop, batizado de Vista Bar, funciona um espaço independente para quem busca agito, com mesas altas, DJ tocando e, em breve, shows. Rua Jardim Botânico, 1003 (Jockey Club Brasileiro), Jardim Botânico, ☎ 99895-2032 (600 lugares). 18h/1h (sáb. 12h/1h; dom. 12h/21h; fecha de seg. a qua.). → Aberto em 2018. Clique e peça pelo

LAGOA

Badalado Lagoa Club
Em meio à pandemia, em agosto, a marca nascida na Freguesia inaugurou uma nova unidade na agitada Rua Olegário Maciel, na Barra. Na Lagoa, agora com horário ampliado para a parte da manhã, o quiosque oferece um confortável lounge com ombrelones escancarados para uma das mais belas vistas do espelho-díágua. Novo chef de bar, Rafael Batista criou uma carta de coquetéis que inclui o cacau red (R$ 34,90), com vodca, suco de limão-taiti, xaropes de abacaxi e de coco e espuma de framboesa. A ala dos gins-tônicas elenca seis receitas, como o triplet, com o destilado mais tangerina, mel e água tônica (R$ 36,90 com gim Bombay). Quem for mais da turma da cerveja encontrará long necks de Beckís (R$ 12,90) e Hoegaarden (R$ 18,90). Na lista de petiscos, o badaladíssimo (R$ 78,90) traz cubos de alcatra angus, molho de gorgonzola e batata frita. Avenida Epitácio Pessoa, s/nº, Lagoa (altura do Parque do Cantagalo), ☎ 99593-2428 (160 lugares). 10h/19h (sex. e sáb. até 1h; dom. até 21h). → Aberto em 2018.

Bar Lagoa
Conhecido pela folclórica “simpatia” de seus garçons, o bar passou por uma restauração que reavivou seu estilo art déco tradicional, com o balcão e parte das paredes em mármore de Carrara. O cardápio, no entanto, segue intocado com sucessos de décadas, como bife à milanesa com salada de batata (R$ 92,00) e o kassler com chucrute (R$ 75,00). Sempre  muito bem tirado, o chope Brahma (R$ 9,50) está em quase todas as mesas e cai muito bem com os petiscos. Para começar os trabalhos, vale investir na porção de bolinho de bacalhau (R$ 44,00 com dez unidades) ou de croquete de carne (R$ 35,00 com seis unidades). Em porção aperitivo, o salsichão vermelho, branco ou misto pode ser frito ou cozido (R$ 39,00). Faz sucesso também a caipirinha de limão (R$ 21,00), feita com a pinga do catito, uma cachaça orgânica de fabricação própria. Avenida Epitácio Pessoa, 1674, Lagoa, ☎ 2523-1135 (210 lugares). 12h/0h. Aberto em 1934. Peça no iFood.

LARANJEIRAS

Medusa Urbana Vinhobar
Inaugurado em março, o espaço, em Laranjeiras, aposta numa pegada mais leve, descontraída e acessível para quem deseja degustar um vinho. Irmão caçula da Medusa Urbana, localizada na Fábrica Bhering, no Santo Cristo, que fechou as portas na pandemia, o novo endereço tem paredes em vermelho vivo, cortinas teatrais, móveis minimalistas e linhas retas, além de varanda com teto coberto de samambaias e um lounge com sofás, poltronas e mesas em estilo bistrô. Mais de trinta rótulos compõem a carta, que privilegia a produção nacional. Há “taçasî a partir de R$ 15,00. A bebida protagonista local também aparece em drinques como a caipirinha feita com cachaça, limão-taiti e siciliano, adoçada com xarope artesanal de vinho cabernet sauvignon (R$ 19,00) e o basil chardonnay (R$ 23,00), mistura de gim orgânico,  limão siciliano, manjericão e redução de vinho chardonnay. Para forrar o estômago, entra em cena um cardápio enxuto e inspirado nos tiragostos de boteco. As bolinhas de queijo (R$ 26,00, vinte unidades) vêm com geleia artesanal de chardonnay e pimenta. Rua das Laranjeiras, 336, loja D, Laranjeiras, ☎ 97903-9385 (20 lugares). 17h/0h (fecha dom. a ter.). Aberto em 2020. Clique e peça pelo

Villa 25 Restobar
Um casarão do século XIX abriga um charmoso hostel e este gastrobar montado no pátio interno. Na bonita decoração chamam atenção a bancada em pinho-de-riga e a escultura de aço e vidro que cobre parcialmente o espaço. Agora com todas as mesas dispostas em áreas abertas, o local serve o cardápio do chef peruano Marco Espinoza, que investe na culinária internacional, mas exalta suas raízes em sugestões como o ceviche de peixe com leite de tigre, batata doce e milho peruano (R$ 39,00). Outro bom começo reúne anéis de lula empanados, batata rústica e aîoli (R$ 39,00). O filé salteado na chapa com cogumelos, cebola-roxa, batata, tomate e temperos orientais (R$ 89,00) satisfaz fomes maiores. Para beber, prove a versão de maracujá do pisco sour (R$ 31,00). Ou compartilhe uma jarra de clericot (vinho branco, lichia, manga, morango, goiaba e água de coco; R$ 76,00 o litro). Rua Gago Coutinho, 25, Laranjeiras, ☎ 3596-2069 e 98905-9961 (80 lugares). 7h/22h. → Aberto m 2017. Clique e peça pelo

LEBLON

Azur
Casa na praia do chef Pedro de Artagão (dono também do Irajá, Irajá Redux, Formidable Bistrot, Cozinha Artagão e o novato boteco Rainha), o elogiado quiosque debruçado sobre as areias do Leblon tem decoração em azul e branco e recebe a clientela em sofás e mesas de madeira. Inspirado nos balneários chiques da Riviera Francesa, a Côte díAzur, tem cardápio focado nos pescados ó agora um pouco mais limitado por causa da pandemia. O caldinho de frutos do mar (R$ 26,00) faz bom começo, assim como o camarão à bulhão pato (R$ 128,00), especialidade portuguesa em que o crustáceo VG chega banhado em azeite aromatizado com alho e ervas. Pedida para uma refeição, o arroz de bacalhau (R$ 180,00) serve de duas a três pessoas. Para beber, o rosazur (R$ 120,00) chega em jarra de 1 litro com vinho rosé misturado a uva rubi, hortelã, tangerina, água de coco e soda limonada – uma delícia. Avenida Delfim Moreira, Posto 11, Leblon (150 lugares). 12h/21h (fecha de seg. a qua.). → Aberto em 2017.

Boteco Boa Praça
Responsável por revitalizar a Praça Cazuza, o bar, conhecido pela badalação, é a primeira filial carioca da grife paulistana. Por aqui, a decoração exalta o Rio em toques como o piso de pedras portuguesas e até uma réplica da Escadaria Selarón. O cardápio típico de botecos ó e seus petiscos substanciosos ó ganhou sugestões mais leves, como a burrata servida com molho pesto, tomate confitado e torrada (R$ 52,90). O farto parmigiana no palito (R$ 66,90) já virou hit para partilhar entre grupos. Outro destaque é o capítulo de carnes na parrilla, que oferece opções como a picanha fatiada acompanhada de chimichurri, vinagrete e pão (R$ 86,90). Na hora de escolher os bebes, explore a fornida carta de caipirinhas. A de abacaxi com limão e gengibre sai a R$ 23,90 com cachaça Saliníssima. Entre a oferta de cerveja em garrafa encontra-se a Becks de 600 mililitros (R$ 18,90). Rua Dias Ferreira, 12, Leblon (Praça Cazuza), ☎ 3507-7000 (150 lugares). 18h/1h (sáb. e dom. 12h/1h; fecha seg.). → Aberto em 2019.

Bracarense
Ponto tradicional, o botequim completa seis décadas em 2021. Netos do fundador, Arnaldo Tomé, Kadu e Carla Tomé comandam os trabalhos atualmente por ali. O balcão exibe clássicos do cardápio, como a empada de camarão (R$ 5,50 a unidade). Porções para partilhar também brilham na preferência da clientela, a exemplo do peito de boi desfiado acebolado (R$ 39,60), que também pode virar um sanduíche no pão francês (por R$ 18,00). Ainda no menu de comes, há novos petiscos, como o bolinho de angu recheado de porquinho desfiado
(R$ 5,50). Para beber, prove o bem tirado chope Brahma (R$ 7,80 a tulipa). Outra opção é o chope da Colorado, que custa R$ 10,70 na tulipa. Entre os drinques, fique com as caipirinhas. A de limão com limada-pérsia pode ser feita com cachaça 7 Engenhos (R$ 19,00) ou com vodcas Smirnoff (R$ 22,00) e Absolut (R$ 28,00). Rua José Linhares, 85, loja B, Leblon, ☎ 2294-3549 (60 lugares). 11h/23h (dom. 11h/20h; fecha seg.). → Aberto em 1961.

Caneco 70
Em frente ao ponto que abrigou um dos bares mais icônicos da orla, e cujo nome faz referência à Copa do Mundo de 70, quando a seleção brasileira foi tricampeã no México, o quiosque funciona desde o fim do ano passado. Preparadas com Grey Goose, em sabores como maracujá, morango, kiwi e limão, as caipivodcas fazem sucesso (R$ 35,00 cada uma). Depois delas, os frequentadores preferem o gim-tônica (R$ 36,00 ou R$ 46,00, dependendo da marca do destilado). O chope Brahma gelado (R$ 10,00 o garotinho; R$ 12,00 a tulipa) também tem boa saída. Para petiscar, os pastéis de queijo da Canastra chegam na companhia de chutney de tomate (R$ 35,00, cinco unidades). Novidade em cartaz, as patinhas de caranguejo são empanadas e servidas com molho tártaro (R$ 30,00, doze unidades). Nos fins de semana vigoram o sunset, entre 17h e 22h. Na ocasião, drinques selecionados são vendidos com desconto. Avenida Delfim Moreira, Posto 12 (em frente à Rua Rainha Guilhermina), Leblon, ☎ 99733-9009 (40 lugares). 8h/22h. → Aberto em 2019.

Capapreta Tap House
São duas operações na cidade – uma no Leblon e outra na Barra ó dedicadas aos rótulos da cervejaria oriunda de Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte. No ponto da Zona Sul, oito torneiras servem chope da linha fixa e receitas sazonais, que variam com frequência. No entanto, costumam ter lugar cativo a lager, com 5% de teor alcoólico (R$ 9,00 o half pint; R$ 15,00, o pint), e a lupulada melon collie IPA (R$ 13,00 e R$ 23,00). Para quem deseja passear pelos rótulos, a régua de degustação (R$ 28,00) traz cinco variedades em doses de 100 mililitros. Na seção de petiscos figuram o croquete de carne cozida na cerveja (R$ 29,80, cinco unidades) e o bolovo (R$ 28,70), que reúne seis bolinhos empanados na farinha panko e recheados de feijão-tropeiro com ovo de codorna. Em tempo, as casas vendem exemplares da marca em lata. Avenida das Américas, 7700, Barra, 2210-1536 (40 lugares). 16h/22h (ter. até 20h; sex. até 0h; sáb. 12h/0h; dom. 12h/20h); Rua Cupertino Durão, 96, Leblon, ☎ 2491- 7450 (25 lugares). 16h/22h (qui. até 0h; sex. e sáb. 12h/0h; dom. 12h/22h; fecha seg.). → Aberto em 2017.

Garoa Bar Lounge
Eleito o bartender do ano na edição 2018 do especial VEJA RIO COMER & BEBER, o chef de bar Igor Renovato assina a carta e comanda os animados balcões das filiais cariocas da casa nascida em Santiago de Compostela, na Espanha ó em julho de 2019, a marca chegou também a Ipanema, onde Pretinho Cereja assumiu as coqueteleiras. Um hit imbatível, o gitano (R$ 33,00) é feito com gim, caju, açafrão, xarope de gengibre e água tônica. Também da ala dos autorais, o penicilina (R$ 33,00) é uma releitura do clássico penicillin – ali feito com uísque Dewarís 12 anos defumado, limão e xarope de mel e gengibre. Sendo os drinques os grandes protagonistas, o menu de comes lista uma seleção mais objetiva. O carpaccio de carne (R$ 30,00) vem com rúcula e lascas de grana padano. A seção de sanduíches inclui sugestões como o pelegrino (R$ 22,00), que traz dois pães de queijo recheados de carne desfiada. Rua Dias Ferreira, 50, Leblon, ☎ 3591-7617 (60 lugares). 19h/1h (dom. 18h/0h; fecha de seg. a qua.); Rua Prudente de Moraes, 1810, Ipanema, ☎ 3264-7760 e 98791-0923 (200 lugares). 20h/3h (qui. 19h/1h; dom. 18h0h). Aberto em 2016. 

Herr Pfeffer
Filho do fundador do Adega do Pimenta, Holf Pfeffer, mais conhecido como Herr Pfeffer (ou “Senhor Pimenta”), Fabio Santos pilota esta pequena ó e notável – embaixada alemã no Leblon. Ali se prova um dos melhores exemplares do joelho de porco grelhado (R$ 88,00), pedido que vem acompanhado de uma guarnição, como chucrute ou salada de batata. Para petiscar, há porção de salsichas cozidas no chope (R$ 34,00) e barriga de porco à pururuca (R$ 38,90), novidade no cardápio. Também goza de boa reputação a fornida carta de cervejas com mais de uma centena de rótulos divididos por estilos. Da ala germânica, a Weihenstephaner Vitus (R$ 39,90, 500 mililitros) foi eleita a melhor cerveja de trigo do mundo. A mineira Antuérpia está presente com nove opções, como a belgian tripel (R$ 24,00, 300 mililitros). Rua Conde Bernadotte, 26, Leblon, ☎ 2239-9673 (38 lugares). 12h/23h (qui. a sáb. até 0h; dom. até 20h). → Aberto em 2002. Clique e peça pelo

Iara Mar e Bar
Um bar de frutos do mar. Esse é o conceito por trás de mais um bem-sucedido estabelecimento da turma do Canastra. A decoração rústica e harmoniosamente repleta de objetos retrô ó como espelhos venezianos – misturados a plantas, uma marca das casas do grupo, dá ao ambiente pequenino um ar aconchegante. Mudanças no cardápio são obra do experiente chef francês Frédéric Monnier, que incluiu pratos como risoto de cavaquinha (R$ 75,00). Os clássicos mexilhões servidos com batata frita (R$ 55,00) e a porção de polvo marinado (R$ 30,00) são boas escolhas para beliscar. Concessões à cozinha da terra incluem o clássico patê de campagne acompanhado de torradas (R$ 28,00). Mistura de gim Tanqueray e pimenta-rosa, o mandrine (R$ 30,00) está entre os drinques mais pedidos. O refrescante vinho branco português Miranda (R$ 95,00) também faz boa companhia para os quitutes do mar. Rua Dias Ferreira, 64, Leblon, ☎ 97262-1985 (55 lugares). 18h/1h (fecha seg.). Aberto em 2019.

Jobi
Ponto de referência da boêmia carioca e endereço concorrido para saideiras no Leblon, o bar conta com um grande painel desenhado por Nilton Bravo ó artista conhecido como “Michelangelo dos botequins”. Do lado de fora, onde costuma acontecer o burburinho, a clientela se espalha pela calçada segurando o chope Brahma (R$ 12,00 com 400 mililitros) em copo de plástico. Quem consegue lugar no salão ou na varanda, espaços concorridos, pode pedir a bebida bem tirada e cremosa na caldeireta (R$ 9,00). Da cozinha, os dois pratos que mais saem são a feijoada completa (R$ 138,50) e a picanha à campanha (R$ 153,00) – ambas servem duas pessoas. Se a fome for menor, vale investir no famoso sanduíche de filé com queijo (R$ 36,40) ou nos bolinhos de cordeiro e pernil (R$ 7,50 a unidade), novidades ao lado do arroz de pato (R$ 120,00) com receita criada pela chef e cliente Marina Mattos. Avenida Ataulfo de Paiva, 1166 (loja B), Leblon, ☎ 2274-0547 (78 lugares). 11h/1h. Aberto em 1956. Clique e peça pelo

Micro Bar
Pequenino e charmoso, o espaço interno é dominado pelo balcão ó que em tempos de pandemia tem recebido somente quatro pessoas por vez. Os demais lugares ficam na calçada. Uma nova carta de drinques acaba de estrear. O mixologista italiano Nicola Bara sugere coquetéis como o cocco e pistacchio (R$ 35,90), feito com Bulleit Bourbon, creme de pistache com coco, limoncello e umbu. Outra pedida, o lycheetini (R$ 27,90) leva vodca Voa, lichia, fruta-do-conde, maracujá, bacuri e água de rosas. Para os comes, a casa funciona agora em sistema colaborativo com o japonês Nagara. A lista oferece porções de sashimis com seis peças, em variedades como barriga de salmão trufado (R$ 32,90), e duplas de sushis, como o de atum com foie gras (R$ 14,90). O pastel de cogumelos (R$ 29,90, seis unidades) está entre as pedidas quentes. Avenida Ataulfo de Paiva, 1079, loja F, Leblon, ☎ 99435- 0307 (80 lugares). 18h/1h (dom. 16h/0h; fecha seg. e ter.). → Aberto em 2018.

Pabu Izakaya
Premiado no último VEJA RIO COMER & BEBER, o conceito do “izakaya” – em português, “taverna” ou “lugar para tomar saquê” – norteia a empreitada, com mesas sob o toldo na entrada, assentos colados à parede dentro do salão e lugares em volta do balcão em forma de U – o espaço mais atraente. A carta exibe mais de vinte rótulos de saquê de diferentes estilos, dos mais simples àqueles produzidos com arroz de alto polimento. Carro-chefe das sugestões, o da casa, importado do Japão, com 14% de teor alcoólico, é oferecido em doses de 180 e 360 mililitros (R$ 26,00 e R$ 48,00, respectivamente). Na seção de cervejas, há desde long neck da Kirin Ichiban (R$ 13,00) até a variedade de marca própria, Izakaya Ale, uma brown ale com raiz-forte, gengibre e raspas de limão (R$ 34,00). Para comer, figuram entre os clássicos a dupla de lagostim maçaricada com manteiga de katsuobushi (R$ 37,00), delícia. Rua Humberto de Campos, 827, loja G, Leblon, ☎ 3738-0416 (40 lugares). 12h/0h (sex. e sáb. até 1h; dom. até 23h). → Aberto em 2017. Clique e peça pelo

Rainha
Com ladrilhos portugueses na decoração, prateleiras que remetem a armazéns e lustres clássicos de boteco, a sexta casa do chef e restaurateur Pedro de Artagão abriu as portas em julho, no meio do burburinho da Rua Dias Ferreira. O abre-alas traz sugestões como o croquete de lagosta (R$ 48,00, quatro unidades), o caldinho de frutos do mar (R$ 18,00), o escabeche de sardinhas (R$ 28,00), a tradicional punheta de bacalhau (R$ 40,00) e a vistosa (e deliciosa) porção de torresmo de barriga de porco (R$ 28,00) – só esse último petisco já vale a visita. Para compartilhar, há pratos mais substanciosos e que servem até três. É o caso da frigideira de frutos do mar (R$ 178,00), guarnecida de vegetais no azeite, e do arroz de pato e embutidos (R$ 128,00), outra dica imperdível por aqui. Da seção açucarada, a torta de natas custa R$ 18,00. A extensa lista de biritas reúne chope Brahma (R$ 7,50), vinho do Porto (R$ 32,00 a dose) e drinques mais clássicos. Rua Dias Ferreira, 247, Leblon, ☎ 3598-8714 (50 lugares). 11h/23h (fecha seg. e ter.). → Aberto em 2020.

Stuzzi
Em abril de 2019, o negócio criado pela chef Paula Prandini mudou para o outro lado da badalada Rua Dias Ferreira. Teve uma filial, em Copacabana, que encerrou as atividades em dezembro do ano passado. No ambiente pequeno e charmoso, no Leblon, com direito a uma tela de uma sorridente Mona Lisa segurando um drinque, a carta de drinques é assinada por Lelo Forti, eleito bartender do ano na última edição de VEJA RIO COMER & BEBER, e por Alex Miranda, seu sócio também no projeto de coquetelaria Mixxing. O carro-chefe, no entanto, não muda: é o famoso di angelo (R$ 34,00), reunião de gim, xarope de gengibre, suco de limão e soda artesanal de capim-limão. Da cozinha saem dezoito opções de petiscos. Entre eles, o steak tartare (R$ 45,00) e o prato de antepastos (R$ 67,00). Em tempo: até o fim do ano, entra em cena uma nova carta de coquetéis. Rua Dias Ferreira, 45, Leblon, ☎ 99138-4663 (60 lugares). 19h/1h (fecha seg.). Aberto em 2011. → Clique e peça pelo

Tasca Miúda
Inaugurado em outubro, o reduto de sotaque lusitano é capitaneado pelos mesmos sócios de endereços como Pabu Izakaya e Maria e o Boi. Fica, inclusive, a poucos metros do irmão  japonês instalado no Leblon. Descontraído e charmoso, o ambiente rústico, com teto coberto de parreiras, louça azul e branca e azulejos, remete à terrinha da decoração ao cardápio. Enxuto, o menu reúne conservas feitas na cozinha local, petiscos e pratos para degustar sozinho ou compartilhar. Boas dicas para começar são a alheira ao murro com ovo estrelado (R$ 32,00) e as pataniscas de bacalhau (R$ 29,00, quatro unidades). Na seção de pratos, o arroz de pato vem com linguiça, bacon e corações (R$ 54,00). Para finalizar, escolha a rabanada queimada, crocante, com gelado de canela (R$ 24,00). Na ala das bebidas, o portônico clássico mistura vinho do Porto branco seco, bitters de laranja e tônica (R$ 28,00). Rua Humberto de Campos, 827, loja B, Leblon, 3518-0810 (46 lugares). 12h/23h (qui. a sáb. até 0h). → Aberto em 2020. Clique e peça pelo

URCA

Bar Urca
Patrimônio Cultural Carioca ó título oficializado em 2012 ó, o octogenário endereço se divide entre o salão no 2º piso (ambiente para quem busca conforto e pratos consistentes à base de frutos do mar) e um concorrido balcão no térreo. É ali que uma clientela farta solicita quitutes como pastel de camarão (R$ 5,00 a unidade) e cascos de cervejas Serramalte, Brahma Extra e Original (R$ 12,00 cada uma) para serem  consumidos na famosa mureta defronte à bucólica Baía de Guanabara – motivo pelo qual a casa foi indicada em terceiro lugar na categoria melhor visual nesta edição do VEJA RIO COMER & BEBER. Uma criação mais recente de acepipe, o bolinho de bacalhau recheado de queijo da Serra da Estrela e chouriço (R$ 7,00) é imperdível. No último verão, a casa lançou uma carta de drinques refrescantes. O bar urca cocktail (R$ 32,00) leva gim Tanqueray, vinho do Porto branco, morango, limão-siciliano, água tônica e pimenta-rosa. Rua Cândido Gaffrée, 205, Urca, ☎ 2295-8744 (70 lugares). 6h30/23h (sáb. a partir das 8h; dom. 8h/20h). Aberto em 1939. Clique e peça pelo

Flutuante Rio
Pitoresco, o estabelecimento funciona numa plataforma ancorada na Baía de Guanabara, próximo à mureta da Urca. O visual, que emoldura o Cristo Redentor, a enseada de Botafogo, a Ponte Rio-Niterói e o Pão de Açúcar, é o cenário perfeito para uma taça de bellini (R$ 42,00), clássico italiano feito de espumante e suco de pêssego. Uma nova carta de gim-tônica elenca receitas como a de Tanqueray com monin de maçã verde, a fruta fresca, alecrim, zimbro e anis-estrelado (R$ 38,00). Outra boa-nova é o sushi bar comandado por Bruno Sérgio. Com passagens pelos balcões do Naga e do Gurumê, ele prepara sushis como a dupla de atum maçaricado com azeite trufado e flor de sal (R$ 20,00 a dupla) e combinados como o que reúne vinte peças de sushis, sashimis e enrolados a R$ 80,00. Em tempo: o acesso é feito por barco – o trajeto de ida e volta (200 metros em cada sentido) custa R$ 10,00 por pessoa. Avenida João Luiz Alves, s/nº, Urca, ☎ 99901- 0236 (140 pessoas). 16h/22h (sáb. e dom. 13h/23h.). Aberto em 2018.

 

Continua após a publicidade
Publicidade