Clique e assine com até 65% de desconto

Rock in Rio 2017: Vigilância Sanitária ataca novamente

Sócio do Laguiole, bufê do camarote vip, Jayme Drummond postou em suas redes sociais que também teve produtos descartados

Por Daniela Pessoa Atualizado em 16 set 2017, 18h25 - Publicado em 16 set 2017, 18h07
Cerca de 10 quilos de tempero e mais 40 quilos de sanduíche foram parar no lixo Divulgação/Veja Rio

Depois do desabafo da chef Roberta Sudbrack sobre a Vigilância Sanitária no Rock in Rio 2017, que descartou 80 quilos de queijo artesanal de seu estande, outra estrela da gastronomia carioca levantou a bandeira da mestre-cuca. Sócio do estrelado Laguiole, responsável pelo bufê do camarote vip do festival, Jayme Drummond se juntou à revolta civil contra o órgão sanitário.

Com direito à hashtag #somostodosrobertasudbrack, Drummond revelou em suas redes sociais que teve também teve prejuízo com a vigilância nesta edição. Na sexta (15), cerca de 10 quilos de tempero comprados na Casa Pedro foram parar no lixo. Segundo Drummond, estavam dentro do prazo de validade, conforme a etiqueta da foto. “A alegação foi de que não havia o CNPJ da Casa Pedro na embalagem. Qual o sentido da loja poder vender o produto ao consumidor e o mesmo não poder ser usado para produzir a comida?”, indagou.

O local é frequentado por celebridades como Angélica, Luciano Huck e Fátima Bernardes Divulgação/Veja Rio

Outros 40 quilos de sanduíche, recém-preparados, foram para o saco. As bandejas estariam sendo montadas para em seguida ganhar etiquetas manuais com prazo de validade. Não teve conversa. “Vocês não imaginam o vazio que dá no peito ao ver comida boa sendo descartada num mundo onde ainda existe tanta fome”.

Drummond lembrou ainda que o bufê do Laguiole já passou pelas exigências dos eventos olímpicos na Rússia, no Canadá e na Rio 2016, e que estará nos Jogos Olímpicos de Inverno na Coréia do Sul. “Passamos pelo crivo suíço e de muitos outros países, mas infelizmente não conseguimos passar pelos fiscais da vigilância sanitária carioca”.

O restaurateur finalizou: “São essas e outras situações que desencorajam o empresário a investir nessa cidade, mas sou guerreiro e vou seguir meu caminho. É preciso parar de baixar a cabeça e exigir que nossas autoridades e órgãos competentes mudem de postura”.

Facebook/Reprodução
Facebook/Reprodução
  •  

    Continua após a publicidade
    Publicidade