Clique e assine por apenas 4,90/mês

Jovens músicos cariocas fundam república artística durante a pandemia

Dora Morelenbaum, João Gil, Julia Mestre, Lucas Nunes e Zé Ibarra ficaram imersos um mês no mesmo endereço. O resultado: canções e discos promissores

Por Pedro Tinoco - Atualizado em 14 ago 2020, 21h35 - Publicado em 14 ago 2020, 06h00

Acalanto nas noites da quarentena, as lives da cantora Teresa Cristina costumam abrir espaço para surpresas musicais. Seu público no Instagram é frequentemente apresentado a talentos como a pernambucana Silvia Borba e a paulistana Raquel Tobias, e não raro brindado com visitas do calibre de Caetano Veloso e Chico Buarque. Em julho, Teresa e plateia se encantaram com uma garotada carioca que passou parte da quarentena sob o mesmo teto produzindo freneticamente. Sempre anunciada com aquele sorrisão da anfitriã e o bordão “minha comunidade hippie”, a turma participou da live mais de uma vez, a pedidos.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Suas aparições chamaram atenção para uma doce e proveitosa aventura: os amigos Dora Morelenbaum, João Gil, Julia Mestre, Lucas Nunes e Zé Ibarra ficaram imersos um mês no mesmo endereço, em uma rotina que se intercalava entre faxina, cozinha e muita música boa. A temporada acabou, mas deixou frutos que você talvez vá gostar de ouvir.

João Gil e Júlia Mestre: casal sincopado Arquivo Pessoal/Arquivo pessoal

+ Pesquisa revela o que mudou na forma de comer e beber fora de casa

Hippies mesmo eram os Novos Baianos. Moraes Moreira, Pepeu Gomes, Baby Consuelo & cia viveram juntos por anos, na década de 70, primeiro amontoados num apartamento em Botafogo e, depois, no Cantinho do Vovô, sítio em Jacarepaguá. “Esse apelido de comunidade hippie é piada da Teresa e a gente entrou na brincadeira”, conta Dora Morelenbaum, 24 anos, que avalia: “Aparecer nas lives foi uma experiência muito legal”.

A “comunidade” começou a ser formada no fim de junho, quando os pais de Julia Mestre, 24, trocaram  temporariamente o apartamento da família em Copacabana por um recanto na serra. Ela teve então a ideia de convocar os amigos. “Topei na hora”, lembra Zé Ibarra, 23, que viu ali a chance de retomar os trabalhos com Lucas Nunes, 24, seu companheiro na banda Dônica. “Precisávamos estar juntos para acabar o segundo disco da banda, e a pandemia tinha complicado as coisas”, diz Zé.

+ Apesar da intensa convivência, casais fazem menos sexo na pandemia

Próximos desde a infância, colegas de turma na Escola Parque, Lucas, Dora (que é sua namorada), Zé e Julia começaram a quarentena coletiva em 21 de junho ó João Gil, 30 anos, namorado de Julia e íntimo dos demais recém- chegados, não precisou de maiores incentivos para aderir. Alguns dos sobrenomes no grupo dão pistas sobre a origem do pendor musical do quinteto. Dora é filha da cantora Paula e do violoncelista Jaques Morelenbaum.

O casal, prestigiado em palcos e estúdios, integrou por anos a Banda Nova, grupo que acompanhava o maestro Tom Jobim. João é neto de Gilberto Gil. Faz inclusive aniversário no mesmo dia que vovô, 26 de junho, e integra, com o tio José e o primo Francisco, o trio Gilsons. Muito pela atuação na Dônica (banda em que tocam com Tom Veloso, Miguel Góes e Felipe Larrosa Moura), Zé Ibarra e Lucas Nunes são os artistas mais conhecidos entre os amigos unidos no isolamento. Julia, a anfitriã, tem cara de menina, mas trajetória de gente grande: lançou o EP Desencanto em 2016, teve uma composição sua (Love Love) cantada por Ivete Sangalo no Carnaval e, no ano passado, veio com o disco Geminis, coleção de canções suaves e incisivas, na qual sobressai Mudar o Mundo.

+ Humoristas provam valor das boas risadas em meio a tanto estresse

Com os donos da casa longe, os cinco montaram à sua maneira o cenário ideal – ou a própria bagunça, dependendo do ponto de vista. No imóvel de três quartos, o ambiente onde dormiam os pais de Julia virou um estúdio caseiro. A cama foi levantada para dividir o espaço: de um lado a ilha, com os equipamentos; do outro, a captação do som e os instrumentos.

Continua após a publicidade

“A gente trocava ideias, conversava sem parar sobre som, sugestões de disco, e o Zé sempre reclamava, já que a discussão na sala, onde ela dormia, avançava pela madrugada”, entrega Lucas, o homem dos múltiplos instrumentos (o tecladista e guitarrista, além de dominar técnicas de gravação, revelou-se “o cara da limpeza” e um craque no preparo de pudim, brigadeiro e outras doçuras).

+ Leia a crônica de Maria Ribeiro deste mês

Regras de convívio foram acertadas. “A combinação era não sair do apê. Quando alguém tinha que descer para resolver alguma coisa, na volta passava pela sala do descarrego, a despensa ao lado da máquina de lavar, onde tirava a roupa, o sapato da rua, e partia para o banho”, fala Julia. Dora, vegetariana, se apoderou da cozinha, não sem enfrentar alguma resistência. “Teve treta, mas Dora Morelenbaum é grande mestre-cuca e assumiu bem o papel. Acabamos aderindo a seu menu, mas sei que Julia comeu pelo menos um bife escondido”, entrega João, com ar sério que não disfarça a ironia.

Entre tantas tarefas, sobrou bastante tempo para a música. Além do trabalho artístico de cada um, a estada inspirou a criação do coletivo Lambe Lambe. “Tocamos sanfona, flauta, piano, saíram algumas músicas, não sei se um dia virão à tona. Foi interessante, a gente fingiu que era alguma coisa. “Às vezes, fingindo assim, acaba sendo”, devaneia Zé Ibarra.

+ Rico acervo do MAM vai para novo centro de conservação

Zé e Lucas cumpriram o desafio de finalizar o segundo disco da Dônica, após mais de dois anos de idas e vindas. O álbum Hoje, Ontem está pronto, à espera de condições normais de temperatura e pressão para ser lançado. Dora, dona de impecável voz de passarinho, terminou seu disco de estreia, Vento de Beirada, com produção de Lucas e arranjos do pai, Jaques Morelenbaum.

Dora Morelenbaum: aos 24 anos, primeiro disco pronto Arquivo pessoal/Arquivo pessoal

Julia jogou nas redes, em 31 de julho, o clipe de uma nova canção, Cores e Nomes, com participação de Dora nos vocais, Lucas nos teclados, João na produção, e do próprio apê, em certas cenas. João Gil reencontrou o tio José e o primo Francisco – o trio Gilsons já fez até show em um drive-in -, e Lucas ainda foi convocado a voltar ao estúdio para um trabalho com Caetano Veloso.

Foi no apartamento de Copacabana onde morava a adolescente Nara Leão, nos anos 1950, que germinou a bossa nova. No sítio em Jacarepaguá, em que os músicos do grupo Novos Baianos formaram uma autêntica comunidade hippie, foram gestados o disco Acabou Chorare, de 1972, e um punhado de clássicos da MPB. A experiência de Dora, João, Julia, Lucas e Zé foi mais breve e seus efeitos no cancioneiro ainda serão sentidos.

+ Bruna Linzmeyer: “Quando me chamam de sapatão abro um sorriso e desmonto a pessoa”

Mas não duvidem do potencial da trupe. São boas mostras do que eles são capazes as canjas nas lives de Teresa Cristina salvas no Instagram. No dia 9 de julho, em tributo a Moraes Moreira, que morreu neste ano, a turma entoou Cosmos e Damião, dos Novos Baianos. Dois dias mais tarde, eles voltaram a atacar na homenagem de Teresa a Tom Jobim.

Zé Ibarra e João Gil: parceria entre os músicos das bandas Dônica e Gilsons Arquivo pessoal/Arquivo pessoal

A galera entrou em cena com Zé Ibarra, voz e violão, interpretando Eu Sei que Vou Te Amar. Depois, também nos vocais e nas cordas, Julia e Dora resgataram Esperança Perdida, preciosa parceria de Tom com Billy Blanco, de 1955. Teresa Cristina, a anfitriã das lives, resume assim o que sente quando ouve essa nova geração: “É uma sensação de que o Brasil está salvo”. Tomara!

Continua após a publicidade
Publicidade