Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Covid-19: manual de boas maneiras para ambientes liberados

Na busca pelo "novo normal", atividades ao ar livre foram permitidas, shoppings abrem na próxima semana e restaurantes em julho. Veja como evitar riscos

Por Carolina Barbosa Atualizado em 2 jun 2020, 14h22 - Publicado em 2 jun 2020, 14h17

Com a flexibilização das medidas de isolamento social na cidade a partir desta terça (2), anunciada pelo prefeito Marcelo Crivella no início da tarde de segunda (1º), restam dúvidas à população sobre como agir diante deste cenário, afinal, o risco de contágio pelo novo coronavírus ainda é muito alto e a capital fluminense já ultrapassou a marca de 30 000 infectados. Apesar das recomendações da Fiocruz, em nota técnica, de que a pandemia não está sob controle e que não é o momento de afrouxar tais medidas, Crivella explicou que a reabertura das atividades econômicas será gradual, conforme orientações do comitê médico-científico da prefeitura, e que o “novo normal” deve vigorar a partir de agosto.

Por isso, a partir das recomendações de especialistas e do próprio decreto, VEJA Rio preparou um manual para ajudar você a minimizar os riscos nesta fase. “Há que se ter um comportamento muito cuidadoso. Todos os espaços considerados como liberados, a pessoa deve ir apenas em casos de extrema necessidade, usando máscara e mantendo o afastamento mínimo de um metro do outro. Ainda não é hora de se deslocar”, afirma a médica Tânia Vergara, presidente da Sociedade de Infectologia do Rio. 

+Coronavírus: cariocas ocupam areias e calçadão no início da flexibilização

– Evite frequentar o comércio, a menos que haja necessidade. Mantenha uma distância segura (cerca de dois metros) e, caso haja fila, volte em outro horário. Especialistas são unânimes em dizer para evitar shoppings, que serão liberados a partir de segunda (8), por serem, em sua maioria, ambientes fechados. Se for preciso ir, use máscara sempre, carregue seu álcool em geral, evite tocar em objetos e produtos e higienize as mãos frequentemente.

– A partir de julho, bares e restaurantes voltam a funcionar com apenas 50% da capacidade liberada e sob rígidas condições sanitárias. Prefira aqueles endereços em que você confia. Não chegue perto de ninguém que não esteja usando máscara e, claro, esteja com a sua devidamente colocada. Na hora de tirá-la para comer, puxe-a pelas alças e descarte-a corretamente. Leve uma extra para usar depois. Mais uma vez, sente-se distante de outras pessoas. Neste quesito, a Abrasel RJ lançou uma cartilha para ajudar funcionários e clientes a se protegerem.

Continua após a publicidade

+Bares e restaurantes do Rio ganham cartilha para retomada em julho

– Com a liberação da prática esportiva na água, tome cuidado se estiver com sintomas. Não mergulhe. Apesar de uma pequena probabilidade, pode ser que se contamine a água. Como o vírus é muito novo e há muito o que descobrir sobre ele, é melhor ser cauteloso. Desinfete os equipamentos que for usar com álcool 70. Lave as mãos antes e depois dos exercícios. Apesar do possível suor, evite tocar o rosto.

– Quanto aos espaços ao ar livre, como caminhadas em calçadão, use máscara. Evite os equipamentos das academias a céu aberto. Higienize as mãos sempre que possível. Evite aglomerações. O mesmo vale para os cuidados no transporte público. Não leve as mãos à face.

– Depois que as academias reabrirem – se precisar mesmo ir – redobre o cuidado com os objetos compartilhados. Afinal, são locais fechados, com ar condicionado e onde as pessoas transpiram muito, podendo liberar gotículas em equipamentos. Higienize as mãos sempre que possível e, sobretudo, antes e depois de iniciar qualquer atividade. Por conta do suor, troque as máscaras com frequência, descartando-a com segurança. É sempre bom aferir a temperatura, caso esteja com algum sintoma.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade