Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Buser, a pedra no sapato das empresas de ônibus

Espécie de Uber dos ônibus, aplicativo com bilhe­tes intermunicipais a preços abaixo do mercado consegue na Justiça o direito de continuar operando no Rio

Por Pedro Tinoco Atualizado em 19 mar 2021, 09h27 - Publicado em 19 mar 2021, 07h00

Espécie de Uber dos ônibus, a Buser, fundada em 2017, chegou a 2 milhões de passageiros transportados no país em fevereiro. Não por acaso, o aplicativo que oferece bilhe­tes intermunicipais a preços abaixo dos de mercado incomodou a concorrência: a pedido do Sindicato das Empresas de Transporte Rodoviário Intermunicipal do Rio de Janeiro, a legalidade do negócio foi questionada nos tribunais.

‘Karma do bem’ na Praia da Barra

Rio vai ganhar estátua de Marielle Franco em tamanho natural

Em 26 de fevereiro, Alberto Nogueira Junior, juiz da 10ª Vara Federal do Rio, proferiu decisão que proíbe a empresa de operar em território fluminense. Cabe recurso — ou seja, as viagens continuam e seguem crescendo à razão de 15% por semana. A briga é boa — em Minas Gerais, onde mudanças na legislação favoreceram esse tipo de serviço, a Buser planeja investir 100 milhões de reais ao longo de 2021, na infraestrutura dos pontos de embarque e desembarque e contribuindo para a renovação das frotas dos parceiros.

O desafio de reerguer a cultura carioca no período pós-Crivella

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade