Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Ela merece: a campeã olímpica Rebeca Andrade será cidadã honorária do Rio

Título foi aprovado pela Câmara de Vereadores na quarta (27). Atleta conquistou uma medalha de ouro e uma de prata no Campeonato Mundial de Ginástica

Por Luiza Maia Atualizado em 28 out 2021, 15h42 - Publicado em 28 out 2021, 15h32

Medalhista de ouro nos Jogos Olímpicos de Tóquio, a ginasta Rebeca Andrade ganhará o título de cidadã honorária do Rio, por sua ligação com a cidade. A homenagem foi debatida e aprovada pela Câmara de Vereadores nesta quarta (27). Natural de Guarulhos, em São Paulo, a atleta de 22 anos integra a equipe do Flamengo há 10 anos – período em que passou por altos e baixos, como cirurgias, muitos treinos e grandes conquistas.

+ Aniversário de Paulo Gustavo agora é o Dia do Humor no estado do Rio

Após fazer os brasileiros vibrarem em casa com seu desempenho nas Olimpíadas, Rebeca fez história no Mundial de Ginástica no último sábado (23), alcançando o ouro no alto e a prata nas barras assimétricas. Foi a primeira grande conquista da atleta após Tóquio, quando também se tornou a primeira esportista brasileira a conquistar duas medalhas olímpicas em uma única edição.

Com sua apresentação ao som do funk Baile de Favela, a jovem ginasta já havia ocupado o primeiro lugar na categoria individual do Campeonato Pan-Americano, em junho de 2021, além de ter ganhado em seguida o ouro nas barras assimétricas na Copa do Mundo de Ginástica Artística. 

+ Um dos points do skate carioca, pista da Praça XV será revitalizada

A história de Rebeca Andrade no esporte começou na sua cidade natal, aos 4 anos de idade, quando foi inscrita em um projeto de iniciação esportiva desenvolvido pela prefeitura. Aos 13 anos, a atleta conquistava seu primeiro título no Troféu Brasil de Ginástica Artística, superando grandes nomes como as brasileiras Jade Barbosa e Daniele Hypólito.

Mas nem tudo foram flores ao longo da sua carreira. A ginasta passou por três cirurgias no joelho em decorrência de lesões em 2015, 2017 e 2019. Com o apoio de amigos, familiares e sua equipe, a jovem seguiu persistindo – e, felizmente, alcançando – seu sonho de chegar ao pódio olímpico.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade

Publicidade