Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Rapper carioca de 32 anos é o dono da música mais ouvida do Brasil

Xamã chegou ao topo da parada do streaming no país e na 34ª posição do top global da plataforma

Por Kamille Viola Atualizado em 5 jan 2022, 17h50 - Publicado em 5 jan 2022, 17h49

Na última semana de 2021, um rapper carioca viu sua nova música alcançar o primeiro lugar no Spotify brasileiro e português. Malvadão 3, de Xamã, conquistou ainda, na última terça (4), a 34ª posição no top global da plataforma. A faixa também chegou ao número 1 no iTunes, Shazam e Deezer no Brasil.  No Youtube, virou o quarto mais visto no Brasil e o primeiro em Portugal.  Lançado há menos de um mês, já passa de 26 milhões de visualizações.

+ Teresa Cristina cancela show após testar positivo para Covid-19

Aos 32 anos, Geizon Carlos da Cruz Fernandes é o cantor de rap com maior número de ouvintes mensal no Spotify no país: são mais de 6 milhões. Xamã já é conhecido do público e participou de sucessos como a música Deixa de Onda, com Ludmilla e DJ Dennis, de 2021, e as edições 6, 9 e 11 do especial Poesia Acústica, no YouTube. O álbum Zodíaco, lançado no fim de 2020, conta com mais de 200 milhões de streams nas plataformas digitais.

+ As mulheres que marcaram 2021 e nos inspiram para 2022

Ele também faz sucesso nas redes sociais: é o rapper brasileiro mais seguido no Instagram, com 6 milhões de seguidores. No Twitter, são 3,1 milhões e no Facebook, 1,1 milhão. Malvadão 3 virou trend (tendência) no TikTok e tem mais de 37 milhões de visualizações.

Compartilhe essa matéria via:

No último fim de semana, após a repercussão do sucesso de Malvadão 3, tuites antigos do artista com comentários LGBTfóbicos e machistas foram recuperados, o que deu o que falar. Depois de deletar algumas dessas postagens de 2016 e 2017, ele escreveu em seu perfil no Twitter: “Fui criado ouvindo várias falas homofóbicas e machistas, assim como todo cidadão de subúrbio… A falta de educação no Brasil gera isso, tive, sim, falas homofóbicas e machistas no passado, me arrependo de cada uma delas. Com o tempo, meu amadurecimento me fez perceber que todos precisamos de reeducação. Não se permita pensar pequeno pra sempre, quebre suas convicções ignorantes… ame incondicionalmente.”

Continua após a publicidade

+ O Segundo Sol e Malandragem são as músicas mais tocadas de Cássia Eller na última década

O artista, nascido em Sepetiba, na Zona Oeste, começou a se aventurar pelas artes escrevendo poemas e participando de concursos literários. Na música, se destacou nas batalhas de rap. Durante um bom tempo, conciliou a carreira artística com outras atividades: trabalhou em uma loja de discos e foi camelô — a faixa Flow de Vendedor de Amendoim, parceria dele e de MC Estudante com participação de Gabriel Villeroy, faz referência ao período no título.

+ Previsões para 2022, ainda exaustos, pero no mucho

Xamã lançou até hoje três álbuns: Pecado Capital (2018), O Iluminado (2019) e Zodíaco (2020), que traz uma faixa em homenagem a cada signo e conta com participações de Agnes Nunes (Escorpião), Marília Mendonça (Leão), Gloria Groove (Capricórnio) e Luísa Sonza (Câncer).

+ Os anos 90 estão de volta

Em 2019, ele participou da novela Amor de Mãe, da Globo, como Phanton, comparsa de Kátia (Vera Holtz), que vendia bebês. No mesmo ano, foi escalado para cantar no Espaço Favela, do Rock in Rio. Também já fez turnê pelo Estados Unidos, Europa e Austrália. No ano passado, ele e a ex-BBB Thaís Braz chegaram a assumir um romance no Instagram, mas, meses depois, o rapper disse que era apenas publicidade.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade

Publicidade