Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

A cidade sem carnaval de rua: E agora, Potí?

Pernalta onipresente nos blocos lamenta a falta do 'afeto escancarado' da maior festa popular do Rio, cancelada este ano por causa da pandemia

Por Cleo Guimarães Atualizado em 15 jan 2021, 10h00 - Publicado em 15 jan 2021, 06h05

O cancelamento do Carnaval calou fundo em uma das principais personagens da festa nas ruas: a pernalta Raquel Potí, de 36 anos. Para quem desfila desde 2014 em pelo menos vinte blocos a cada ano, passar em branco neste 2021 é um golpe duro de assimilar. “Era para eu estar ensaiando feito louca, fazendo os últimos ajustes para fevereiro”, diz, tristinha.

Maria Fernanda Cândido: quanto mais Clarice Lispector, melhor

Ipanema, meu amor: empresário abre quinto restaurante no bairro

Se a pandemia deixar, ela estará em uma versão bem mais intimista da festa, no mês que vem. Na agenda, a participação em um cortejo (“Coisa pequena, dentro dos protocolos, quase uma performance”, faz questão de frisar). “É ótimo, mas nada se compara ao afeto escancarado do Carnaval de rua, esse Maracanã lotado em que todo mundo torce para o mesmo time”, compara.

Glenda Kozlowski: ‘Moro em São Paulo e me emociono toda semana, quando volto ao Rio’

Tom Zé: tropicalista virou um entusiasta da lives; ‘Caetano diz que eu sou bom nisso’

Continua após a publicidade
Publicidade