Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Maria Fernanda Cândido: quanto mais Clarice Lispector, melhor

Além de protagonizar A Paixão Segundo GH, atriz fará leitura dramática, em Paris, de contos e crônicas publicados pela escritora

Por Cleo Guimarães Atualizado em 15 jan 2021, 09h57 - Publicado em 15 jan 2021, 06h00

Protagonista de A Paixão Segundo GH, filme baseado no livro de Clarice Lispector sobre uma mulher que mata uma barata e mergulha em uma reflexão existencial, Maria Fernanda Cândido diz que seu encontro com o Rio de 1964, ano do início da ditadura militar e quando se passa a história, foi “revelador”. “Percebi que ainda estamos debruçados sobre as mesmas questões”, conta a atriz, no ar na reprise da novela A Força do Querer.

Raquel Potí: pernalta mais querida do carnaval de rua da cidade fala sobre a saudade dos blocos

Ipanema, meu amor: empresário abre quinto restaurante no bairro

Dirigido por Luiz Fernando Carvalho e com roteiro de Melina Dalboni, o longa foi filmado em uma cobertura de Copacabana e seria lançado em 2020, no centenário de nascimento da escritora. A pandemia, essa estraga-­prazeres, mudou a estreia para este ano e também adiou outro projeto da atriz ligado à sua autora predileta: a leitura dramática, em Paris, de contos e crônicas de Clarice. En français e marcada para este mês, ela foi transferida para o segundo semestre.

Glenda Kozlowski: ‘Moro em São Paulo e me emociono toda semana, quando volto ao Rio’

Tom Zé: tropicalista virou um entusiasta da lives; ‘Caetano diz que eu sou bom nisso’

Continua após a publicidade
Publicidade