Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Luto na arte: morre a atriz Camilla Amado, aos 82 anos

Com 52 anos de carreira, seu mais recente trabalho foi em 2020, ao lado de Marco Nanini: os dois gravaram em vídeo a peça “As cadeiras”, de Eugène Ionesco

Por Da Redação Atualizado em 9 jun 2021, 18h37 - Publicado em 7 jun 2021, 15h24

A atriz Camilla Amado morreu neste domingo (6), aos 82 anos. A causa da morte foi um câncer no pâncreas, que tirou de cena uma das mais respeitadas e queridas profissionais da cultura no país. A artista começou a carreira em 1969 na novela Um Gosto Amargo de Festa, da TV Tupi, e em 52 anos de ótimos serviços prestados à arte, participou de cerca de 40 produções, entre novelas, programas de humor e séries.

Covid: Você sabe usar a máscara direitinho? Leandra Leal vai te ensinar

Entre seus trabalhos mais conhecidos do grande público estão O Sítio do Picapau Amarelo, A Casa das Sete Mulheres, Tapas & Beijos e Cordel Encantado, todos da Globo. Sua última aparição na TV foi na novela Éramos Seis, em 2019. No cinema, ela chegou a ser premiada como melhor atriz coadjuvante no Festival de Gramado, em 1976, pela atuação em O Casamento, de Arnaldo Jabor, inspirado na obra de Nelson Rodrigues.

Agatha Moreira retira apoio a Juliana Paes: ‘Tenho horror ao Bolsonaro’

Amigo e parceiro profissional de Camila há 40 anos, Marco Nanini voltou a contracenar com a atriz o ano passado, em plena pandemia. Os  dois acharam uma maneira de encenar a peça “As cadeiras”, clássico do teatro do absurdo de Eugène Ionesco: ela foi gravada em forma de videoarte, com a dupla separada por um plástico. “Eu amo a Camilla e é um sonho voltar a trabalhar com ela de novo”, disse Nanini a VEJA RIO.

Continua após a publicidade

Covid-19: população de Paquetá será cobaia para estudo de vacinação

Em 2013 a artista protagonizou um momento marcante, eternizado pelas lentes da fotógrafa Cristina Granato: na entrega do prêmio da Associação dos Produtores de Teatro do Rio (APTR), Camilla deu um beijo na boca da colega Fernanda Montenegro em protesto contra a indicação do deputado Marco Feliciano (PSC) à presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados.

Comunista delirante ou direita arrogante? Quem é você na treta de Ju Paes?

“Minha querida, Camila Amado! Jamais esquecerei da sua importância para teatro e TV. Como esquecer o seu sorriso em cada encontro nosso? Vá em paz e que o céu a receba com muito amor, assim como você teve com sua arte”, escreveu o ator Ary Fontoura, um dos muitos colegas de profissão que postaram homenagens a ela em suas redes. “Camilla Amado. Artista, Mãe, Mestra. Nós vivemos juntos, brincamos juntos, sorrimos e choramos juntos. Estará sempre junta ao meu coração. Te Amo”, escreveu Stepan Nercessian, com quem foi casada.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade