Clique e assine por apenas 3,90/mês

Teatro pela internet: fim de semana terá mais de vintes peças disponíveis

Modalidade nascida durante o período de isolamento social, espetáculos on-line democratizam o acesso do público à arte

Por Marcela Capobianco - 27 Maio 2020, 18h35

A quarentena e o período de isolamento social fizeram ‘nascer’  – ou impulsionar – uma nova modalidade de teatro, com transmissões on-line. Peças, transmitidas ao vivo em aplicativos como Zoom e plataformas como o YouTube ou registros de gravações antigas ajudam a matar a saudade do palco e entretêm os ‘quarenteners’. Neste fim de semana (30 e 31 de maio), haverá mais de vinte títulos à disposição. Confira:

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Festival Profesteatro.

Grupo Galpão: abertura do Profesteatro, que em 2020 acontece pela internet Divulgação/Divulgação

Idealizado pela Cia Terceiro Sinal, de Minas Gerais, a mostra que normalmente é presencial reúne grupos de teatro do Brasil inteiro pelo YouTube, até domingo (31). A abertura, na última quarta (27), contou com o prestigiado Grupo Galpão, também de Minas Gerais. Os epetáculos concorrem em oito categorias: infantil, adulto, monólogo, teatro de rua, drama, musical, comédia e palhaçaria. Os destaques dos próximos dias são as montagens do infantil Em Busca do Snark Invisível, com direção de Lucas Sancho, no sábado (30), às 15h, Supermoça, produção carioca dirigida por Márcio Azevedo, que concorre na categoria comédia, no sábado (30), às 19h30, e a peça E Se Mudássemos de Assunto, comandada por Marcos Franca, que será exibida no domingo (31), às 18h30.A programação completa você confere aqui.

+ Festival de teatro on-line vai pagar 600 reais aos vencedores

#EmCasaComSesc.

O Testamento de Maria: Denise Weinberg faz leitura que mistura teatro e audiovisual João Caldas/Divulgação

Na sexta (29), a atriz Denise Weinberg, vencedora do Prêmio APCA 2017, na categoria Melhor Atriz, encenará uma adaptação especial do texto O Testamento de Maria. A história apresenta a mãe de Jesus Cristo na busca por desvendar os mistérios ao redor da crucificação de seu filho. O público que acessar o YouTube do Sesc São Paulo ou a página do Sesc Ao Vivo no Instagram vai conferir uma versão híbrida das linguagens teatral e audiovisual. A sessão é às 21h30. Classificação indicativa: 14 anos.

+ Dez séries de streaming para assistir em família

Continua após a publicidade

Já no domingo (31), é a vez de Ailton Graça estrelar o espetáculo Solidão. Graça e o diretor do espetáculo, Marco Antonio Rodrigues, fizeram um recorte significativo do espetáculo, do Grupo Folias, que busca inspiração no realismo e na história política recente para recriar uma América Latina mágica e dolorida. O enredo conta como a chegada de um cigano imortal, que abre caminho para a vinda de uma onda de forasteiros, vai provocar mudanças irreversíveis na vida dos moradores de um vilarejo perdido no tempo e no espaço. Neste lugar, todos os acontecimentos, até mesmo a morte, obedecem a uma lógica muito particular. A peça é baseada na obra do colombiano Gabriel García Márquez. Classificação indicativa: 16 anos.

Oi Futuro. A instituição, que completou 15 anos este mês, disponibilizou três peças infantis on-line até o dia 21 de junho. Os interessados podem acessar o link para assistir. São elas:

Isaac no Mundo das Partículas.

Isaac no Mundo das Partículas: musical trata de física de forma lúdica Renato Mangolin/Divulgação

Todo bom cientista deve ser inventivo, curioso, ter espírito investigativo e uma certa obsessão pelo desafio. Mas como será que nasce um cientista? Eis a pergunta que conduz o musical infantil. A peça é uma adaptação do livro homônimo da escritora e professora de física Élika Takimoto e trata de um tema nada fácil – a física de partículas – de maneira envolvente, divertida e informativa. O músico David Bowie e seu lendário personagem Ziggy Stardust inspiram a estética e a proposta da encenação, que propõe transformar o palco em um show de rock.

Choro de Pixinguinha.

O choro de Pixinguinha: musical homenageia compositor ícone do chorinho Cláudia Ribeiro/Divulgação

A peça resgata a história da música brasileira ao mergulhar na vida e na obra do mestre do choro Pixinguinha, nascido no Rio de Janeiro em 1887. No palco, os atores Ana Velloso, Vera Novello, Patrícia Costa, Édio Nunes e Milton Filho vivem colegas de turma na escola. Empenhadas em seu trabalho da aula de música, cujo tema é nada menos do que Pixinguinha, duas meninas chamam os amigos para ajudar a encenar com elas uma peça sobre o artista. Com um olhar infantil, os aspectos da vida e da música do mestre são apresentados de forma a despertar na criançada a curiosidade e o interesse pela sua obra.

+ Pandemia faz surgir serviços de streaming dedicados às crianças

Makuru – Um musical de ninar. Com direção musical, música original e arranjos de Tim Rescala, a peça relembra o universo das cantigas de ninar e dá vida a uma série de figuras e personagens do folclore brasileiro. Na história, o menino Makuru e a sua família – que sofre para conseguir fazê-lo dormir – não sabem que em cima do telhado de sua casa vivem seres estranhos. Juntos, esses seres tentam, a todo custo, ser lembrados pela família, que recorre às velhas cantigas.

Continua após a publicidade
Publicidade