Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Série Um Dia Qualquer foca em drama humano ao abordar milícia e crimes

Dirigida por Pedro Von Krüger, produção estreia no canal Space na próxima semana. Primeiro episódio está disponível no Youtube

Por Marcela Capobianco Atualizado em 12 ago 2020, 21h57 - Publicado em 12 ago 2020, 15h42

Um dia no subúrbio carioca pode ser qualquer coisa, exceto algo comum. Essa é a premissa da série Um Dia Qualquer, que estreia nesta segunda (17), no canal Space.

+ Camila Pitanga e a filha estão com malária. Atriz prestou homenagem ao SUS

Por trás de um cotidiano aparentemente simples e rotineiro, a violência diária e o clima de guerra civil obrigam os moradores de um bairro controlado pela milícia a empreender uma jornada por sobrevivência.

A história começa dez anos antes, quando o traficante que domina o bairro é morto por um ex-PM que passa a controlar o local. Em apenas 24 horas, diversas histórias se misturam. Para se distanciar de longas que têm a violência muito presente, Um Dia Qualquer se debruça sobre os dramas familiares, e o impacto que a milícia gera na vida dos moradores da região.

“Quisemos lançar um olhar mais humano para o dia a dia tão violento enfrentado por muita gente no Rio de Janeiro. Embora tenha elementos de tragédia muito presentes em filmes brasileiros de sucesso, a série cria uma história original ao abordar como as relações íntimas são influenciadas pela violência ao redor”, conta o diretor da série, Pedro Von Krüger.

Um Dia Qualquer: Augusto Madeira e Vinicius de Oliveira interpretam milicianos Divulgação/Divulgação

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Com roteiro de Leonardo Gudel, Victor Rosa e Bernardo Doutel, a série, originalmente, foi escrita para ser um longa-metragem, que seria lançado em fevereiro. No entanto, o corte dos repasses do Fundo Setorial do Audiovisual, gerido pela Ancine, impediu a distribuição do filme, que têm rodado por festivais internacionais e, também por causa da pandemia, não tem previsão para chegar aos cinemas brasileiros.

Continua após a publicidade

“Há um plano maquiavélico de desmonte da cultura. A série vem para mostrar que dá para fazer audiovisual no Brasil, sim, de uma forma sustentável e profissional. Se não fosse o canal Space, não teríamos conseguido lançar um produto que está pronto”, desabafa o produtor Denis Feijão.

+ Teatro Riachuelo vai reabrir com lives de Adriana Calcanhotto e Casuarina

No elenco principal estão Augusto Madeira, Vinicius de Oliveira, Mariana Nunes e Jefferson Brasil, que tiveram muita liberdade para improvisar durante as gravações.

“Quando surgiu a oportunidade de transformar o filme em série tivemos que escrever praticamente um novo projeto, com mais cenas, tramas e personagens. A principal preocupação era deixar o texto o mais natural possível, para que os atores imprimissem gírias e o modo de falar próprio de um miliciano ou de um traficante, por exemplo”, explica o roteirista Victor Rosa.

+ Crítica: com pinceladas de Shakespeare, peça virtual dá plenos poderes ao público

Os cinco episódios serão exibidos entre segunda (17) e sexta (21), sempre às 22h. No sábado (22), os assinantes podem ‘maratonar’ a série, a partir das 18h. O primeiro capítulo está disponível no YouTube.

Continua após a publicidade
Publicidade