Clique e assine por apenas 4,90/mês

Oi Futuro abre acervo on-line de Museu das Comunicações e Humanidades

Cerca de 3 800 itens, como fotografias históricas, objetos e documentos podem ser consultados enquanto espaço físico está fechado

Por Marcela Capobianco - 29 jun 2020, 16h31

No início do ano, após mais de um década em funcionamento, o Museu das Telecomunicações do Oi Futuro foi todo reformado e remodelado. O espaço, inclusive, foi rebatizado de Museu das Comunicações e Humanidades (Musehum), já que é impossível abordar a tecnologia sem falar sobre as relações humanas. O destaque do espaço físico é para experiências imersivas, com ajuda de óculos de realidade virtual e telas interativas.

+ Pandemia faz ateliês de artistas cariocas ‘fervilharem’

Com o fechamento do espaço após os decretos pela pandemia do novo coronavírus, os gestores do Musehum resolveram antecipar o projeto de disponibilizar, na internet, o acervo composto por 3 800 itens, que vão de fotos históricas a objetos relacionados à comunicação.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade

“Ao levar o MUSEHUM para o meio digital, o Oi Futuro abre mais um canal de aproximação entre o acervo e o público, que, invariavelmente, se reconhece nas histórias, sentimentos e saberes que esses objetos guardam”, diz Roberto Guimarães, gerente executivo de Cultura do Oi Futuro.

A maioria das peças apresentadas no museu digital será vista pela primeira vez pelo público, já que não integram a exposição permanente do Museu das Comunicações e Humanidades, seja por cuidados de preservação ou por suas dimensões, que inviabilizam o transporte e a exibição física.

O acervo pode ser consultado pelo site.

+ Dez novelas de sucesso para relembrar no streaming

Continua após a publicidade

“Disponibilizar acervos de museus on-line é preservar a cultura e o conhecimento trazido por cada objeto, além de fazer a informação chegar ao máximo de pessoas possível. Uma parte significativa da trajetória humana sobre o seu território está depositada em museus pelo mundo, e este legado precisa estar disponível para pesquisas e ressignificações”, diz Bruna Cruz, coordenadora do Musehum e museóloga do Oi Futuro.

+ Google passa a sugerir filmes e séries para usuários

Entre os destaques do acervo on-line estão registros fotográficos da instalação das primeiras linhas telefônicas e telefones públicos no Brasil, os costumes do início do século 20 e registros de telefonistas, uma das primeiras profissões a favorecer a entrada das mulheres no mercado de trabalho. Há, também, fotografias autorais de Augusto Malta das reformas promovidas pelo prefeito Pereira Passos, na primeira década do século passado.

Publicidade