Clique e assine com até 65% de desconto

Marcelo Serrado sobre show em drive-in: “Em vez de aplausos, buzinas”

Em artigo exclusivo para VEJA RIO, ator relata a experiência de se apresentar, com show musical, para uma plateia de carros

Por Marcelo Serrado Atualizado em 20 ago 2020, 13h19 - Publicado em 20 ago 2020, 10h59

Lembro de quando, adolescente, ia ao drive-in na Lagoa, aqui no Rio de Janeiro, com uma namorada da época.

Nós escutávamos o som do filme numa pequena caixa que nos davam na entrada e colocávamos na janela do carro. Era divertido estar ali e ver filmes de dentro carro, como nos filmes que víamos na época, que sempre tinham cenas de adolescentes em drive-in. Eram filmes românticos, “água com açúcar”, ou de terror bem trash.

Agora, com a pandemia, muitos países – como o Brasil – fizeram renascer essas minha memórias. Shows e teatros no drive-in para carros!! Um novo mundo!!

+ Cariocas lançam primeira escola de artes a distância do país

Emoção diferente: Marcelo Serrado falava com a plateia, que respondia piscando os faróis Divulgação/Divulgação

No dia 15 deste mês, um sábado, fiz um show cantando old songs na Bahia, em Salvador, no Big Drive-in com minha querida pianista Claudia Elizeu e com mais dois músicos locais, Jôdir no baixo e Marquinhos na bateria.

Em vez das caixas de som, o público sintonizava numa rádio no carro e já ouvia meu show.

Do palco, quando entrei, vi aquelas centenas de carros e me senti dentro de um filme da minha memória, mas do outro lado agora, como naquele filme do Woody Allen, A Rosa Púrpura do Cairo, onde você se vê dentro da tela.

+ Dez livros de fotografias que têm o Rio como cenário

Terminei a primeira música e ouvi buzinas e vi muitos faróis piscando em vez dos aplausos. Meu Deus, que mundo é esse novo??

Continua após a publicidade

Uma hora apresentei os músicos e pedi: “Uma salva de palmas, por favor”. Ato falho!!

No meio do show perguntava coisas para o público: “Qual música vocês querem ouvir? Estão curtindo?” Resposta: duas buzinas, três piscadas de farois, às vezes duas. Um novo código se estabeleceu ali. Estranho.

Tive vontade de ver meu público, de tocar neles…

No final do show, depois dos aplausos – perdão, depois do BUZINAÇO – eu não aguentei e desci com minha máscara e me aproximei de alguns carros que saíam para dar um oi, ver as pessoas, como sempre faço quando termino uma peça no teatro.

De Frank a Wando: show de Marcelo Serrado passeia por “músicas que as mães gostam” Divulgação/Divulgação

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Tenho feito algumas lives e minha peça em teatros com câmeras para transmissões on-line, porém nada se compara à experiência diferente do drive-in.

É como um filme de ficção, um livro de Aldous Huxley? Não sei, mas jamais esquecerei aquelas buzinas após eu cantar That’s Life, de Frank Sinatra.

+ Prêmio Kindle de literatura vai pagar 40 mil a vencedor

Fim de show: Marcelo Serrado posa com os músicos Claudia Elizeu, Jôdir e Marquinhos em Salvador Divulgação/Divulgação

Sim, essa é a nova vida, porém espero que seja por muito pouco tempo. Mas a arte sempre dá um jeito de sobreviver, mesmo que por aparelhos e com todas as dificuldades.

Marcelo Serrado está em cartaz virtualmente com o show De Frank a Wando, ao lado da pianista e maestrina Claudia Elizeu. Quintas, 19h. Ingressos: grátis a R$ 30,00. Para comprar um bilhete e saber como assistir, basta acessar o site da Sympla.

Continua após a publicidade
Publicidade