Clique e Assine a partir de R$ 3,90/mês

Fim de semana terá mais shows e peças com transmissão on-line

Respeitando as orientações da OMS e dos governos estaduais, artistas seguem em quarentena, mas se apresentam em casa, em lives no Instagram

Por Marcela Capobianco 25 mar 2020, 14h05

Com a proximidade do fim de semana, surgem programações culturais para assistir e se divertir sem sair de casa. Na esteira de movimentos pelo mundo e aqui mesmo no Brasil, o cantor e ator Claudio Lins criou o festival on-line #ZiriguidumEmCasa, numa parceria com o jornalista Beto Feitosa. A primeira edição, que teve grande audiência, foi na semana passada e contou com apresentações de Joyce Moreno, Pedro Luís e Hamilton de Holanda, entre outros.

+ Met Opera, de Nova York, disponibiliza vídeos de antigas apresentações

A segunda edição vai acontecer entre quinta (26) e domingo (29), com transmissões feitas ao vivo diretamente da rede social de cada artista, que podem ser consultadas neste link. Confira a programação:

Quinta (26):
17h – Luis Carlinhos
17h30 – Ananda Torres
18h – Rômulo Azevedo
18h30 – Glad Azevedo
19h – Tino Gomes
19h30 – Célia Vaz e Fernando Leporace
20h – anúncio em breve
20h30 – João Senise
21h – Claudio Lins

+ Expositores de feiras orgânicas estão fazendo delivery no Rio

Sexta (27):
17h – Marcus Lima
17h30 – Lúcia Menezes
18h – Tico d’Godoy
18h30 – Rafael Cortes
19h – Lan Lanh
19h30 – Lucio Mauro Filho
20h – Gilson Peranzzetta
20h30 – Marcos Almeida
21h – Biquini Cavadão

+ Guia da quarentena: veja dicas de filmes, séries e brincadeiras com as crianças

Sábado (28):
17h – Bena Lobo
17h30 – Laura Finocchiaro
18h – Nilze Carvalho
18h30 – Verônica Sabino e Sérgio Chiavazzoli
19h – Imyra
19h30 – Pillar
20h – Laila Garin e Marcelo Caldi
20h30 – Jair Oliveira
21h – Rodrigo Vellozo

laila-garin.jpeg
Laila Garin Divulgação/Divulgação

Domingo (29):
16h30 – Marysa Alfaia
17h – Ninah Jo
17h30 – John Mueller
18h – Rê Adegas
18h30 – Alegria
19h – Dani
19h30 – Daniel Gonzaga
20h – Eduarda Fadini e
20h30 – Isabella Taviani
21h – Pedro Miranda

Teatro

A Cia Armazém de Teatro, cuja sede fica dentro da Fundição Progresso, interrompeu as atividades por conta da pandemia de covid-19, mas disponibilizou uma filmagem da peça A Marca da Água, de 2012, que faz parte do repertório do grupo. O premiado texto é de Mauricio Arruda Mendonça e Paulo de Moraes. A protagonista Laura vive numa aparente placidez, uma espécie de tristeza cotidiana. Até que um peixe enorme aparece misteriosamente no seu jardim. A presença estranha do animal, a discussão com o marido e as picuinhas da vida em família são pistas falsas sobre o rumo das coisas, porque Laura está diante do inevitável. Você assiste ao espetáculo clicando aqui.

Continua após a publicidade

Duas peças do dramaturgo Gustavo Pinheiro, colunista de VEJA RIO, também estão no Youtube para quem quiser assistir em casa.

A Tropa. Vencedor do concurso Seleção Brasil em Cena do CCBB como melhor texto, um pai doente recebe a visita dos quatros filhos no hospital. O que seria apenas um encontro em função de um parente debilitado se revela um acerto de contas familiar, permeado de humor e afeto, tendo como pano de fundo os últimos 50 anos da hstória brasileira, dos tempos da ditadura militar à Operação Lavo Jato. Dirigida por Cesar Augusto, a peça é estrelada por Otávio Augusto. Clique aqui para assisti-la.

2_otavio-augusto_credito-elisa-mendes.jpeg
Otávio Augusto: ator comemorou 50 anos de carreira ao estrelar a peça A Tropa Elisa Mendes/Divulgação

Alair. O espetáculo joga luz à vida do fotógrafo Alair Gomes, precursor da fotografia homoerótica no Brasil, que conquistou a consagração internacional com seu trabalho, que reuniu mais de 170 000 negativos cujo tema central era a beleza do corpo masculino. O papel principal é interpretado por Edwin Luisi e a direção também é de Cesar Augusto. Confira aqui:

 

Teatro Infantil

Uma excelente opção para distrair a criançada é correr atrás dos espetáculos que são disponibilizados on-line no fim da semana. A produtora Palavra Z vai liberar, mais uma vez, em seu site, links de trabalhos anteriores. Fique ligado, porque os vídeos só ficam disponíveis por algumas horas:

A Menina Edith e a Velha Sentada. A montagem musical baseada no livro do ator e diretor Lázaro Ramos faz uma viagem pelos cinco sentidos (visão, audição, paladar, tato e olfato), propondo um equilíbrio na vida moderna das crianças e adolescentes, ao resgatar brincadeiras do passado e no uso da tecnologia com bom senso. São os nossos sentidos que nos alertam para uma melhor compreensão das coisas que acontecem ao nosso redor e com nosso corpo. A adaptação é assinada pelo próprio Lázaro Ramos, em parceria com Elisio Lopes Jr. O espetáculo será disponibilizado nesta quinta (26), das 10h às 17h, neste link.

sauma2.jpeg
A Menina Edith e a Velha Sentada: disponível on-line nesta quinta (26) Divulgação/Divulgação

Patrícia Piolho. Na sexta (27), será a vez do espetáculo de Luiza Yabrudi e Karina Ramil. A peça narra o drama de uma menina do interior que chega à cidade grande e busca aceitação na turma do novo colégio. Logo no primeiro dia de aula, em meio a esse desafio, ela conhece o inseto mais temido na infância, o piolho, motivo de bullyng, mas que, para sua surpresa, acaba sendo seu melhor amigo. O vídeo será disponibilizado também das 10h às 17h, neste link.

A Pequena Vendedora de Fósforos. Um dos textos mais populares de Andersen e pouco montado no Brasil, a peça conta a história de uma menina que, para sobreviver, ajuda a família vendendo fósforos. Num dia frio, de uma noite de Natal, ela acende um dos palitos para se aquecer. Cada fósforo que acende faz com que ela se depare com a vida que nunca teve: brinquedos, uma bela refeição, a presença de uma família, até o último fósforo, que traz de volta o desejo de rever a sua querida avó, já falecida.  A adaptação é de Denise Crispun e a direção é de Lúcia Coelho. O espetáculo será disponibilizado no sábado (28), das 10h às 17h, neste link.

Marrom – nem preto nem branco? Inspirada na menina Lorena de Melo Schaefer, a peça conta a história de Linda, uma menina que não entende o conceito de raça, só de cor. Filha de pai alemão e mãe negra, ela se acha marrom. Após inúmeras situações que apontam as desigualdades, ela decide fugir em busca de sua identidade a procura de um lugar onde todos são iguais. O texto é de Renata Mizrahi. O vídeo será disponibilizado no domingo (29), das 10h às 17h, neste link.

Continua após a publicidade
Publicidade