Clique e assine com até 65% de desconto

CCBB vai reabrir teatro com nova peça de Jô Bilac

Cinema da instituição vai abrigar mostra de filmes dos irmãos Lumière, pioneiros da sétima arte, a partir da próxima sexta (27)

Por Marcela Capobianco Atualizado em 27 nov 2020, 13h30 - Publicado em 20 nov 2020, 15h36

Em março, quando a pandemia do novo coronavírus baixou as cortinas pelo mundo todo, o espetáculo Pá de Cal (Ray-Lux) estava prestes a estrear para o grande público, no Centro Cultural Banco do Brasil. Uma sessão para patrocinadores chegou a ser feita mas, no dia seguinte, a equipe do diretor Paulo Verlings ficou sabendo que não só o teatro, mas todo o CCBB, precisaria fechar as portas.

+ Maria e o Boi Conquista prêmio de melhor restaurante brasileiro

Oito meses depois e após diversas medidas de segurança terem sido tomadas pelo CCBB, a peça, com dramaturgia de Jô Bilac, um dos expoentes da dramaturgia contemporânea, vai finalmente estrear. O retorno está marcado para a próxima quinta (26).

Atualização: nesta segunda (23), a produção do espetáculo informou que a estreia foi adiada para o dia 2 de dezembro.

Atualização 2: nesta sexta (27), o espetáculo foi cancelado após dois casos de Covid-19 na equipe. Ainda não há data prevista para a estreia. 

Encenada pela Cia de Teatro Independente, Pá de Cal (Ray-Lux) revela nuances das relações familiares. O suicídio do membro mais jovem de um clã provoca um encontro forçado em que surgem vários conflitos. No elenco, estão Isaac Bernat, Carolina Pismel, Orlando Caldeira, Pedro Henrique França e Ruth Mariana. A direção é de Paulo Verlings, que decidiu, nesta montagem, explorar performances naturalistas, porém não realistas, com intensa fisicalidade.

+ Oteque é eleito o melhor restaurante de cozinha de autor

Pá de Cal (Ray-Lux). Classificação 14 anos. CCBB. Rua Primeiro de Março, 66, Centro. Quintas, sextas e sábados, 18h. Domingos, 17h. R$ 30,00. Até 20 de dezembro. Venda de ingressos exclusivamente pelo site Eventim.

+ Elias é o campeão na categoria árabe

No dia seguinte à estreia da peça, os cinemas do centro cultural serão reabertos ao público. A mostra Lumière Cineasta, que comemora os 125 da primeira sessão pública de cinema, foi interrompida em março, mas será retomada. Em 28 de dezembro de 1895, os irmãos Auguste e Louis Lumière projetaram no Salão Indien do Grand Café, em Paris, para espanto e encantamento dos presentes, os seus primeiros filmes. Os trabalhos foram batizados de “vistas”.

Vistas Lumière
Vistas Lumière Divulgação/Divulgação

Entre as obras exibidas estavam O Regador Regado, I (Arroseur et arrosé, I), e Saída da Fábrica (Sortie d’Usine) que abrem a mostra Lumière Cineasta, em duas sessões, na sexta (27). As sessões são gratuitas. Até 20 de dezembro serão exibidas 114 vistas, produzidas entre 1895 e 1905, em diálogo com 38 produções de diversos diretores, formatos e épocas. A mostra tem curadoria de Calac Nogueira, Lucas Baptista e Maria Chiaretti.

+ Arp Bar, no Arpoador, tem o melhor visual do Rio

Confira a programação:

Dia 27/11 – sexta-feira

15h – Programa “A invenção do burlesco”: vistas Lumière, de Societé Lumière (França, 1895/1905) + “The scarecrow”, “Neighbours”, “The goat”, “One week”, de Buster Keaton e Edward F. Cline (EUA, 1920/21). Digital. 91 min. Livre.

17h – Programa “Saída da fábrica”: vistas Lumière, de Societé Lumière (França, 1895/1905) + “Chapeleiros”, de Adrian Cooper (Brasil, 1983) + “Workers leaving the factory: Dubai”, de Ben Russell (EUA, 2008) + “La reprise du travail aux usines Wonder”, de Jacques Willemont (França, 1968) + “Am Ausgang der Fabrik”, de Harun Farocki (Alemanha, 1995). Digital. 91 min. Livre.

Dia 28/11 – sábado

15h – Programa “As folhas se movem”: vistas Lumière, de Societé Lumière (França, 1895/1905) + “Um dia no campo”, de Jean Renoir (França, 1946). Digital. 53 min. Livre.

16h30 – Programa “Cine-verdade”: vistas Lumière, de Societé Lumière (França, 1895/1905) + “Kino Pravda 5,6, 18 e 19”, de Dziga Vertov (URSS, 1922/24). Digital. 60 min. Livre.

Dia 29/11 – domigo

15h – Programa “Inventários”: vistas Lumière, de Societé Lumière (França, 1895/1905) + “Sink or Swim”, de Su Friedrich (EUA, 1990). Digital. 60 min. Livre.

16h30 – Programa: “Em construção”: vistas Lumière, de Societé Lumière (França, 1895/1905) + “Miséria em Borinage”, de Henri Storck e Joris Ivens (Bélgica, 1993) + “Em comparação”, de Harun Farocki (Alemanha, 2009). Digital. 109 min. Livre.

Dia 30/11 – segunda-feira

15h – Programa “Nos trilhos da modernidade”: vistas Lumière, de Societé Lumière (França, 1895/1905) + “O trem de Lumière”, de Al Razutis (Canadá, 1979) + “The Georgetown Loop”, de Ken Jacobs (EUA, 1996) + “Jogos de reflexo e velocidade”, de Henri Chomette (França, 1925) + “Descaminhos 1”, de Marília Rocha (Brasil, 2007). Digital. 57 min. Livre.

16h30 – Programa “Ângulos da cidade”: vistas Lumière, de Societé Lumière (França, 1895/1905). 40 min. Livre.

Dia 02/12 – quarta-feira

15h – Programa “O mundo perdido”: vistas Lumière, de Societé Lumière (França, 1895/1905) + “Ilhas de fogo”(Itália, 1954) + “Enxofre” (Itália, 1955) + “O Tempo Do Peixe-Espada”, (Itália, 1954) + “Camponeses do mar” (Itália, 1956) + “Parábola do ouro” (Itália, 1955) + “Páscoa na Sicília” (Itália, 1955), de Vittorio de Seta. Digital. 70 min. Livre.

17h – Programa “Saída da fábrica”. Digital e 16mm. 91 min. Livre.

19h (on-line) – Curso/Aula 2: “O futuro de uma invenção: Hollis Frampton e o catálogo Lumière”, com o curador Lucas Baptista.

Dia 03/12 – quinta-feira

15h – “Louis Lumière”, de Éric Rohmer (França, 1968). Digital. 65 min. Livre.

16h40 – Programa “Jogos na metrópole”: vistas Lumière, de Societé Lumière (França, 1895/1905) + “Playtime”, de Jacques Tati (França, 1967). Digital. 133 min. Livre

Dia 04/12 – sexta-feira

15h – Programa “Figuras na paisagem”: vistas Lumière, de Societé Lumière (França, 1895/1905) + “Três paisagens”, de Peter Hutton (EUA, 2014). Digital. 70 min. Livre.

17h – Programa “Em construção”. Digital. 109 min. Livre.

Dia 05/12 – sábado

15h – Programa “Operários, camponeses”: vistas Lumière, de Societé Lumière (França, 1895/1905) + “Cedo demais, tarde demais”, Jean-Marie Straub e Danièle Huillet (França/Egito, 1982). Digital. 115 min. Livre.

17h20 – Programa “Corpo em movimento”: vistas Lumière, de Societé Lumière (França, 1895/1905) + “Goshogaoka”, de Sharon Lockhart (EUA/Japão, 1997). Digital. 79 min. Livre.

Dia 06/12 – domingo

Continua após a publicidade

15h – Programa “Inventários”. Digital. 60 min. Livre.

16h30 – Programa “Devaneios e deslocamentos”: vistas Lumière, de Societé Lumière (França, 1895/1905) +“Aurélia Steiner (Melbourne)”, de Marguerite Duras (França, 1979) + “Brasília, contradições de uma cidade nova”, de Joaquim Pedro de Andrade (Brasil, 1967) + “Bookstalls”, de Joseph Cornell (EUA, 1930). Digital. 77 min. Livre.

Dia 07/12 – segunda-feira

15h – Programa “Do polo ao Equador”: vistas Lumière, de Societé Lumière (França, 1895/1905). Digital. 30 min. Livre.

16h – Programa “A vida em ato”: vistas Lumière, de Societé Lumière (França, 1895/1905) + “O movimento das coisas”, de Manuela Serra (Portugal, 1985). Digital. 98 min. Livre.

Dia 09/12 – quarta-feira

15h – Programa “Rumo ao oriente”: vistas Lumière, de Societé Lumière (França, 1895/1905) + “Índia, Matri Bhumi”, de Roberto Rossellini (Itália, 1959). Digital. 107 min. Livre. SESSÃO INCLUSIVA (com audiodescrição, LIBRAS e legendagem descritiva).

19h (on-line) – Curso/Aula 3: “Retratos em movimento”, com Luiz Carlos Oliveira Jr, pesquisador e crítico de cinema.

Dia 10/12 – quinta-feira

15h – Programa “Jogos na metrópole”. Digital. 133 min. Livre.

17h30 – “Louis Lumière”, de Éric Rohmer (França, 1968). Digital. 65 min. Livre.

Dia 11/12 – sexta-feira

15h – Programa “O mundo perdido”. Digital. 53 min. Livre.

16h30 – Programa “Rumo ao oriente”. Digital. 107 min. Livre.

Dia 12/12 – sábado

15h – Programa “As folhas se movem”. Digital. 53 min. Livre.

16h30 – Programa “Filme retrato”. Digital e 16mm. 116 min. Livre.

Dia 13/12 – domingo

15h – Programa “Rumo ao oriente”. Digital. 107 min. Livre.

17h20 – Programa “Em construção”. Digital. 109 min. Livre.

Dia 14/12 – segunda-feira

15h – Programa “A invenção do burlesco”. Digital. 91 min. Livre.

17h – Programa “Do polo ao Equador”. Digital. 30 min. Livre.

Dia 16/12 – quarta-feira

15h – Programa “Figuras na paisagem”. Digital. 70 min. Livre

19h (on-line) – Curso/Aula 4: “Vistas Lumière: documentos do acaso”, com Anita Leandro, professora da ECO/UFRJ e documentarista.

Dia 17/12 – quinta-feira

15h – Programa “Cine-verdade”. Digital. 60 min. Livre.

17h20 – Programa “Operários, camponeses”. Digital. 115 min. Livre.

Dia 18/12 – sexta-feira

15h – Programa “Rumo ao oriente”. Digital. 107 min. Livre.

Dia 19/12 – sábado

15h – Programa “A invenção do burlesco”. Digital. 91 min. Livre.

17h – Programa “Jogos na metrópole”. Digital. 133 min. Livre.

Dia 20/12 – domingo

15h – Programa “Paraíso reencontrado”. Digital. 98 min. Livre.

16h40 – Programa “Devaneios e deslocamentos”. Digital. 77 min. Livre

O CCBB está adaptado às novas medidas de segurança sanitária: entrada apenas com agendamento on-line, controle da quantidade de pessoas no prédio, fluxo único de circulação, medição de temperatura, uso obrigatório de máscara, disponibilização de álcool gel e sinalizadores no piso para o distanciamento. No cinema a capacidade foi reduzida para 50%, com higienização completa antes de cada apresentação/sessão, além do distanciamento de 2 metros entre as poltronas.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade