Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Três esculturas para ver na mostra Estado Bruto, no MAM Rio

Composta por 125 esculturas do acervo da instituição do Parque do Flamengo, a coletiva reúne produções de 106 artistas

Por Marcela Capobianco Atualizado em 16 jul 2021, 15h27 - Publicado em 16 jul 2021, 06h00

To LC (1993), de Cildo Meireles

À primeira vista, uma coleção de bolas esportivas. Mas a obra vai muito além, brincando com as definições de escultura. Para os curadores, a peça resume a mostra: um jogo artístico que oferece mais perguntas que respostas.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Asteroides (2011), de Wilson Piran
Asteroides (2011), de Wilson Piran: peças em acrílico ‘colorem’ paredes do museu Fabio Souza/MAM RIO/Divulgação

Asteroides (2011), de Wilson Piran

Os três cubos coloridos de acrílico do artista fluminense são um deleite para os olhos. Dependendo da incidência de luz, as esculturas iluminam o espaço, formando um arco-­íris nas paredes de concreto.

Deusa Imortal (2001), de Frida Baranek
Deusa Imortal (2001), de Frida Baranek: desafio para a equipe de museologia Fabio Souza/MAM RIO/Divulgação

+ Exposição de Cocco Barçante no Centro Cultural Correios é um clamor por tempos delicados

Deusa Imortal (2001), de Frida Baranek

O armário de ferro criado pela artista carioca não era exposto fazia 21 anos e transformou-se num desafio para a montagem da exposição. A obra propõe a entrada no mundo misterioso dos signos femininos.

Avenida Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo. Qui. e sex., 13h/18h. Sáb. e dom., 10h/18h. Grátis. http://www.mam.rio. Até 29 de agosto.

Continua após a publicidade
Publicidade