Clique e assine por apenas 4,90/mês

Fabio Szwarcwald: “Me surpreende shopping abrir antes de museu”

O diretor do MAM foi o quinto convidado da série Colunistas Ao Vivo e falou sobre suas expectativas para a reabertura de equipamentos culturais

Por Bruna Motta - Atualizado em 8 jul 2020, 19h44 - Publicado em 8 jul 2020, 18h49

Fabio Szwarcwald, diretor do Museu de Arte Moderna do Rio e colunista de VEJA Rio, foi o quinto convidado da série Colunistas ao Vivo, no Instagram da revista.

No bate-papo, realizado nesta quarta (8), Fabio falou sobre a expectativa para a reabertura do MAM Rio e como a pandemia transformou o segmento artístico. No fim da conversa, o economista indicou dois livros que o inspiraram durante a quarentena. Abaixo, alguns trechos da conversa:

A arte não para

“Foi desafiante começar um novo trabalho (ele assumiu a diretoria do MAM Rio em janeiro) e logo depois estourar uma pandemia. Tivemos de reestruturar a nossa equipe de um espaço físico para o on-line. Mas estou feliz porque o resultado tem sido positivo. Conseguimos dar vazão a vários programas de forma virtual”

+“Restaurantes vão ter de reconquistar clientes”, opina Cris Beltrão

Continua após a publicidade

A volta às atividades presenciais

“A ideia é reabrir, recebendo visitantes, em meados de agosto. Nós temos um espaço muito generoso no MAM. Para mim, é um pouco surpreendente que reabram primeiro os shoppings, enquanto os museus seguem fechados. Até porque é mais fácil controlar os visitantes dentro de um museu.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Mostra Irmãos Campana

“A exposição, aberta em 14 de março, só pôde durar dois dias. Foi uma pena. Ela está pronta, esperando pelo público, e ficará três meses em cartaz. O museu está pronto para a reabertura. As exposições que seriam finalizadas no primeiro semestre foram postergadas para o próximo. Reorganizamos todo o calendário”.

Continua após a publicidade

Medidas de proteção

“Dentro do protocolo que estamos estabelecendo, não será mais possível comprar o ingresso fisicamente, apenas on-line. Vamos medir temperatura, obrigar o uso de máscaras e vamos organizar circuitos, para que as pessoas não se cruzem. O MAM Rio tem a vantagem de não ter corredores e ser bem amplo. Além disso, tem aquele jardim maravilhoso, projetado por Burle Marx. Queremos fazer muitas atividades ao ar-livre. Quem sabe um drive-in no estacionamento?”

+“Não foi um ano perdido para a educação”, diz pedagoga sobre pandemia

Caminho sem volta

“Todo mundo teve que se adaptar rapidamente para utilizar as ferramentas on-line de forma diferente. As coleções nos museus, a partir de agora, serão todas filmadas, fotografadas e disponibilizadas on-line para o público. Estamos investindo bastante nisso. O retorno é muito bom. É um espaço muito democrático. O museu precisa renovar o público e cativar as pessoas. Os jovens têm que gostar de ir a um museu”

Continua após a publicidade

+Falta de ar: psiquiatra explica a diferença entre Covid-19 e ansiedade

Arte como um pilar econômico

“As pessoas, na pandemia, estão se apoiando nos livros que leem, nos filmes que estão vendo, nas visitas on-line nos museus. A cultura tem uma potência enorme, não só de divulgação do nosso país, mas também por gerar empregos. Investir em cultura é fundamental e é muito rápido o retorno. O mercado artístico vai ser fundamental na retomada econômica”

View this post on Instagram

“Os museus precisam se aproximar do público e furar bolhas”, diz o diretor do @mam.rio, Fabio Szwarcwald (@fabioszwarcwald). Confira a entrevista ao vivo!

Continua após a publicidade

A post shared by Veja Rio (@vejario) on

Livros

Fabio Szwarcwald indicou duas leituras durante a live:

Sapiens – Uma Breve História da Humanidade, Yuval Noah Harari | clique aqui para comprar

Continua após a publicidade

Catálogo A Reinvenção da Pintura, Abraham Palatnik | clique aqui para comprar

Publicidade