Clique e assine por apenas 4,90/mês

Coronavírus: churrascaria no Recreio ignora decreto e funciona normalmente

'Estamos abertos todos os dias das 11h às 23h', confirma a funcionária do restaurante visitado nesta segunda-feira (18) por VEJA RIO

Por Cleo Guimarães - Atualizado em 18 Maio 2020, 20h12 - Publicado em 18 Maio 2020, 18h14

Publicado em 22 de março, o decreto municipal que determina o fechamento dos serviços não essenciais da cidade é claro em relação aos bares e restaurantes: eles devem permanecer fechados para consumo presencial, sendo autorizadas apenas a venda de pratos por delivery ou para retirada na loja. A medida, válida por tempo indeterminado, foi tomada pelo prefeito Marcelo Crivella para tentar frear a disseminação do coronavírus.

Boa notícia: taxa de isolamento social aumentou no Rio

Mas a lei, que deveria valer para todos, está sendo solenemente ignorada pela Rio Sul Churrascaria, no Recreio. O restaurante está de portas abertas para a clientela – e não esconde isso de ninguém. Em sua postagem mais recente, no Dia das Mães, no último dia 10 de maio, uma cliente usa a página do Instagram para perguntar se eles estão funcionando. “Sim”, respondem.  

Dia das Mães: cliente pergunta se a churrascaria está funcionando; ‘Sim’, é a resposta Instagram/Reprodução

VEJA RIO ligou nesta segunda-feira (18) para a Rio Sul Churrascaria, e a funcionária informou que o atendimento segue normal para quem opta por comer no salão: ele está aberto, diariamente, das 11h às 23h, em sistema de rodízio de carnes e um farto bufê à disposição dos comensais. Queijos, frios, saladas e comida japonesa ficam expostos ali.

Coronavírus: pneumologista Margareth Dalcolmo está infectada

“Não teve nenhum caso de funcionário doente aqui até agora”, disse, ressaltando que estão todos trabalhando de máscara e que o restaurante é esterilizado “com um produto chinês que estão utilizando para limpar as ruas”. Durante a tarde desta segunda (18), por volta das 16 horas, cerca de 25 clientes almoçavam dentro do estabelecimento. “Agora deixamos entrar no máximo 80 pessoas”, disse a funcionária ao telefone. 

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade