Continua após publicidade

Vai uma tacinha? Vinhedos brotam na região serrana, atraindo turistas

Charmosa rota do vinho atrai investimentos e visitantes em busca de saborosas experiências em meio ao verde da Serra fluminense

Por Pedro Landim
21 jun 2024, 06h00

No topo da colina, avista-se uma bucólica praça que enfeita o cartão-postal da vila de ares medievais, onde, de uma igreja de pedra com um chafariz à frente, dá para ter visão panorâmica das frondosas videiras que formam um tapete verde sobre o vale. Com um pouco de imaginação, o visitante se transporta para a Toscana, região da Itália abundante em história e vinhos — alguns dos melhores do planeta.

Pois o local, na verdade, é a pequena cidade de Areal, antigo distrito de Três Rios, no centro-sul Fluminense. Ali, a pouco mais de uma hora da capital, o Borgo del Vino oferece passeios entre as parreiras, degustação de tintos e brancos próprios, hotel, bar, restaurante e um túnel com adega subterrânea projetada para 10 000 garrafas, que descansarão em temperatura média de 20 graus. Para colocar toda essa turística engrenagem para girar, foi necessário investimento vultoso, na casa dos 60 milhões de reais — semelhante ao patamar de vários exemplares dessa natureza que compõem a nova rota etílico-gastronômica entre Nova Friburgo e Três Rios. Um charme só.

Já são 35 produtores de vinho na Serra Fluminense (ante um único no ano não tão longínquo assim de 2020) — uma turma que se expande sob o embalo do chamado método de cultivo “invertido”. Nele, a colheita da uva ocorre nos meses de junho e julho, a estação mais fria, ensolarada e atrativa nessa bela área montanhosa do Rio.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

As cifras canalizadas para a viticultura já superam todas as outras no escaninho do turismo e do lazer na serra. Apreciado por diferentes povos ao longo dos tempos, o vinho tem prosperado por lá apesar do clima tropical. A explicação está na utilização de técnicas adaptadas ao nosso terroir — ou seja, as condições climáticas e geográficas de cidades serranas como Areal, com temperaturas amenas e estações bem definidas, que ajudam no cultivo.

Esse conjunto deu ao município o título de Cidade da Uva em 2021, atraindo gente interessada em fincar raízes, literalmente, como o empresário Roberto Medina. Dono da Dream Farm, onde cuida, ao lado da mulher, Mariana, de 20 000 pés de uvas tais como syrah e cabernet franc, o criador do Rock in Rio projeta para 2026 um museu com a história e a degustação de rótulos das principais regiões produtoras do mundo (finalizada, claro, com a prova de sua nascente linha de vinhos Somnium). “O turismo sofisticado do vinho agrega muito ao cenário do Rio, e posso colaborar com esse passo importante”, acredita Medina. “A paisagem de Areal é única, o pôr do sol nos nossos vinhedos não tem igual”, celebra.

Continua após a publicidade
Próxima safra: Roberto Medina, dono da Dream Farm, tem 20 000 pés de uvas, e planeja para 2026 a abertura de um museu do vinho em Areal
Próxima safra: Roberto Medina, dono da Dream Farm, tem 20 000 pés de uvas, e planeja para 2026 a abertura de um museu do vinho em Areal (./Arquivo pessoal)

Na trilha de modelos como os do Chile e da Argentina, o roteiro do enoturismo fluminense inclui experiências de degustação e aprendizado que têm como cenário de pequenas propriedades a condomínios. Em Nova Friburgo, a Terras Frias oferece harmonização em que queijos e vinhos são feitos no local, sob o comando do mestre-queijeiro André Guedes, professor da Associação Brasileira de Sommeliers (ABS). “É inusitado estar no Rio e produzir vinhos. Isso emociona as pessoas, e todo mundo quer conhecer”, diz Paulo Tassinari, da família que há quatro décadas planta café em São José do Vale do Rio Preto e hoje engarrafa vinhos de uvas de área nobre da fazenda, na altitude de 1 100 metros.

“O futuro do turismo na serra está no vinho”, resume Marcelo Maturano, empresário do setor imobiliário que pilota um dos maiores projetos da enologia no Sudeste, previsto para abrir em 2025, em Teresópolis. A vinícola Maturano, com 50 hectares de vinhedos, ergueu mais de 200 000 pés e terá hotel cinco estrelas, restaurante de 300 lugares, wine bar entre videiras e heliponto. A expectativa é receber 10 000 visitantes mensais, uma turma para a qual se volta a primeira colheita, já neste mês de junho, com a promessa de 27 000 garrafas de brancos, rosés e tintos.

O sonho de produção de vinhos finos na serra se tornou possível graças à técnica da dupla poda, desenvolvida pelo pesquisador Murillo de Albuquerque Regina, na Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig). Era início dos anos 2000 e, engatado em um doutorado na França, ele constatou semelhanças climáticas entre o verão das colheitas em Bordeaux e o inverno no sul mineiro. Surgiu aí a inversão no ciclo das videiras — as plantas são podadas no chuvoso verão do Sudeste, época natural das colheitas no Hemisfério Norte (e na Serra Gaúcha), e começam a frutificar para amadurecer na temporada serrana do frio, período seco e ensolarado, de condições propícias à vinificação.

Nesses terroirs, a versátil uva syrah, de origem francesa, foi a que melhor se adaptou ao novo ciclo, despontando como carro-chefe nos rótulos fluminenses. Em geral, na garrafa, o que se encontra são vinhos que primam pela suavidade, no caso das uvas tintas, e mais complexos entre as brancas (veja o quadro abaixo). Junto à espetacular paisagem verde, elas tornam o passeio um belo programa.

“A beleza natural da serra é um trunfo, com os vinhedos protegidos pelos morros e paredões de pedra. Grandes investidores perceberam o potencial para o turismo de um vinho feito no Rio, e a evolução em cada safra é nítida”, afirma o engenheiro agrônomo e doutor em enologia Frederico Novelli, da Floeno, empresa que presta consultoria a mais de uma dezena dessas vinícolas.

Continua após a publicidade
Enoturismo em alta: com 50 hectares de vinhedos em Teresópolis, a Maturano terá hotel cinco estrelas, restaurante e wine bar para receber 10 000 visitantes mensais
Enoturismo em alta: com 50 hectares de vinhedos em Teresópolis, a Maturano terá hotel cinco estrelas, restaurante e wine bar para receber 10 000 visitantes mensais (./Divulgação)

O apoio técnico da Epamig foi fundamental para o nascimento dos vinhos em solo fluminense, que vieram a aparecer após uma forte queda de granizo na serra, em 2008. Toda a plantação de café da extensa propriedade da família Aranha foi então dizimada, entre os distritos de Inconfidência e Secretário, e a área ficou inutilizada para o cultivo. Foi justamente em meio à intempérie que surgiu a ousada solução das uvas. A ambição por uma boa produção de vinhos ali tinha amparo no animador cenário do interior mineiro — tanto assim que a Vinícola Inconfidência se tornou pioneira nessas bandas do Rio.

Plantou suas pioneiras parreiras em 2010, vinitificou a primeira safra em 2015, até construir a própria fábrica três anos mais tarde. A propriedade recebe hoje quarenta visitantes a cada sábado para passeios nos vinhedos e degustação que abrange sete rótulos de linha própria.

O vinho se une perfeitamente à gastronomia, um mercado já consolidado nessa rota, como lembra a empresária Cris Beltrão, no comando do novíssimo Instituto Bazzar, que tem por objetivo a pesquisa de ingredientes e a formação de redes de sustentabilidade no interior. “É um setor que emprega mão de obra local, gera renda, melhora a infraestrutura das cidades vizinhas e alavanca negócios auxiliares como hospitalidade, transporte e agricultura”, ressalta.

Num encadeamento natural, portanto, os maiores empreendimentos de turismo e lazer ligados à gastronomia na serra já despertam para os potenciais do vinho local. A Casa Marambaia, complexo de luxo em Corrêas, na região de Petrópolis, decidiu inclusive mudar o conceito de seu restaurante — pretende agora ancorar o serviço na bebida, com rótulos próprios. Seis hectares na parte alta do terreno estão sendo preparados para o plantio de mudas de syrah e sauvignon blanc, e a projeção é de 18 000 garrafas em três anos.

A bebida fermentada de uvas é também a grande aposta na repaginação da Fazenda Bemposta, inaugurada em 1805, que pertenceu ao clã dos Guinle e já hospedou do presidente Getúlio Vargas a Marilyn Monroe. Enfeitada por um generoso jardim de Burle Marx, a propriedade ganhará um hotel de luxo, restaurantes, queijaria e vinícola abastecida por 14 000 plantas.

Continua após a publicidade

Condomínios de luxo que começam a operar no segundo semestre, como a Fazendas Secretário, no distrito de mesmo nome, e o Quinta Portuguesa, em Areal, de arquitetura inspirada nas aprazíveis bandas lusitanas do Douro, vendem seus lotes oferecendo aos clientes experiências de colheita e fabricação da apreciada bebida de Dionísio, o deus grego das festas e do bom vinho. Vale a viagem.

De taça na mão

Vinícolas na Serra Fluminense oferecem passeios e boas experiências harmonizadas

vinhedos

1Altos do Rio. No terreno de um antigo haras em Secretário, três amigos oferecem experiências sofisticadas de degustação, como aquela em que os vinhos da casa são comparados a rótulos elogiados da América do Sul. A nova linha vem com um syrah de quinze meses em barrica de carvalho francês. Rua da Luz, 460, Secretário, Petrópolis. Reservas pelo Instagram @altosdorio.

2Arouca. O centro de degustação para visitantes abre em agosto em Areal, incluindo experiências diversas, e a vinícola anuncia a construção do Vinnus Park, um parque temático da bebida. Serão engarrafadas agora em junho variedades como syrah e viognier, além de um blend típico de Bordeaux com cabernet sauvignon, merlot e cabernet franc, que repousará seis meses em barrica. Fazenda Boavista, Estrada Vila Dantas, km 5, Vila Dantas, Areal. Reservas pelo Instagram @vinicolaarouca.

Continua após a publicidade
Borgo del Vino
(./Divulgação)

3Borgo del Vino. O complexo da vinícola Família Eloy, em Areal, oferece tour completo acompanhado de um sommelier, que passa pelos vinhedos e a vila de estilo toscano, a cave subterrânea e a degustação na charmosa enoteca que contempla três vinhos da casa, entre os quais o syrah e o sauvignon blanc, harmonizados com queijos e charcutaria. Estrada Mundo Novo, Areal. Reservas pelo ☎ (21) 98181-6573.

4Fattoria Vinhas Altas. No estilo vinícola-boutique, está localizada em Teresópolis, a 1 200 metros de altitude. Oferece wine tour nos vinhedos com degustação da linha própria Uberto Molo, nos varietais syrah e viognier, seguida de brunch com produtos regionais. Estrada Guiomar Fleury Broux, s/nº, Campanha, Teresópolis. Reservas pelo ☎ (21) 97145-3703 ou pelo Instagram @fattoriavinhasaltas.

5Fazenda Bemposta. Localizada em Três Rios, na divisa com Areal, a histórica propriedade recebe grupos para visita ao vinhedo e tour guiado. Estão em exibição três painéis do pintor Jorge Colaço (1868-1942) e atrações como a sala que é considerada o primeiro cinema do interior, com equipamentos raros. Estrada Fazenda Bemposta, s/nº, Bemposta, Três Rios. Reservas pelo ☎ (24) 2258-2106 ou pelo Instagram @fazendabempostarjoficial.

6Fazenda Joana. A linda paisagem abriga grupos de amigos e famílias para hospedagem e experiências exclusivas entre produtos artesanais, como queijos de vacas e ovelhas da fazenda. A segunda safra de uvas sauvignon blanc e syrah está em colheita, e o pôr do sol com mesa posta nos vinhedos é atração imperdível. Cervejas artesanais também são feitas no local. GPS: VXF7+87, Bemposta, Três Rios. Reservas pelo ☎ (21) 99274-9450 ou pelo Instagram @fazendajoana.

Inconfidência
(@girodacarioca/Instagram)

7Inconfidência. A primeira vinícola do estado fica em Pedro do Rio, em Petrópolis, e tem a mais extensa linha com sete rótulos, incluindo um tinto de corte diferente de syrah e sauvignon blanc. A visita guiada aos vinhedos de mais de 20 000 parreiras ocorre em grupos de vinte pessoas, seguida de degustação de três rótulos da casa. Estrada do Fagundes, 4000, Pedro do Rio, Petrópolis. Reservas pelo ☎ (21) 97970-9966 ou pelo Instagram @vinicolainconfidencia.

Continua após a publicidade
Tassinari
(./Divulgação)

8Tassinari. Da produção reconhecida de café ao vinho, a fazenda em São José do Vale do Rio Preto plantou, em meio à Mata Atlântica, um vinhedo extenso de onde emergem rótulos únicos, como o da uva marselan, além de uma inédita grapa. A fazenda recebe grupos de quinze a vinte pessoas com café e subida para os vinhedos e cafezais, finalizando com a degustação de três diferentes garrafas. Rua São Francisco, 1153, Estrada Silveira da Mota, 17200, Jaguará, São José do Vale do Rio Preto. Reservas pelo ☎ (24) 99231-3872 ou pelo Instagram @vinicola.tassinari.

Terras Frias
(./Divulgação)

9Terras Frias. Além de visitas de jipe aos vinhedos com vista para os três picos, em Nova Friburgo, oferece uma experiência em que os visitantes preparam a própria burrata para a harmonização, sob a batuta do expert André Guedes. A geleia de morangos orgânicos e o creme de queijo brie se destacam na mesa com vinhos finos de pinot noir, cabernet franc e chardonnay. GPS: P9W9+9F, Campo do Coelho, Nova Friburgo. Reservas pelo ☎ (22) 98106-9793 ou pelo Instagram @vinicolaterrasfrias.

O terroir fluminense

Especialista vê personalidade nos primeiros vinhos de nossa nascente produção

syrah
(./Divulgação)

Ao analisar características decisivas para a constituição e a longevidade de bons vinhos, pode-se dizer que o terroir da Serra Fluminense, aliado à técnica da dupla poda, revela condições propícias para o cultivo de uvas, especialmente a sauvignon blanc e a syrah. Essa é a avaliação de Rogerio Dardeau, pesquisador do vinho brasileiro e autor de seis livros sobre a bebida. “A sauvignon blanc, que em áreas costeiras do Chile desenvolve aquele perfil potente de fruta e frescor, aqui traz uma complexidade de notas menos evidentes, diferente de todas as outras regiões”, explica Rogerio, esclarecendo que são vinhos mais leves e elegantes do que os encorpados exemplares com a uva syrah do sul de Minas. Ele, porém, adverte: “Esses tintos precisam de tempo de descanso nas garrafas antes de serem comercializados, para poder desenvolver suas qualidades”. No recém-­lançado segundo volume do livro Gente, Lugares e Vinhos do Brasil, o autor capta o avanço da produção em terras fluminenses: de uma vinícola na edição de 2020, o salto foi para as atuais 35 em dez municípios.

Compartilhe essa matéria via:

Rota de puro sabor

Além dos vinhos, os queijos made in Rio também sobressaem em sabor

Queijo
(iStock/Getty Images)

Delícias queijeiras se espalham por toda a serra, com destaque para produtores como o Capril de Ville, próximo à Vinícola Inconfidência, em Secretário, e a Fazenda Genève, em Teresópolis, que proporcionam experiência completa aos viajantes entre as cabras da propriedade. Mas é no sul do estado que residem as últimas boas novas da produção fluminense. A Rota do Queijo foi instituída em Valença, no Vale do Café, oferecendo um passeio da mais alta qualidade pelo melhor da produção nacional. O viajante pode adquirir um passaporte (reservas pelo ☎ 24 99883-1085) que inclui transporte e visita guiada em três das seis queijarias do roteiro, com degustações livres e “almoço da roça” no fogão de lenha. O passeio abarca belezas como o Capril do Lago, que emplacou o Caprinus do Lago entre os agraciados com a medalha de ouro no Mondial du Fromage de 2023, na França, e a Fazenda Du’Vale, premiada no mesmo concurso e dona da primeira caverna subterrânea do Brasil para maturação. O Rancho Lo Buono é outro destaque, com seu rebanho de búfalos de onde sai a mussarela, confeccionada na frente dos visitantes, e produtos como um gruyère e um gelato, além de ótima charcutaria. Vá com apetite.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.