Clique e assine por apenas 3,90/mês

Como os restaurantes self-service estão funcionando no pós-pandemia

Um dos modelos mais afetados, os endereços vêm se adaptando com mudanças no atendimento e nos cardápios

Por Carolina Barbosa - Atualizado em 16 out 2020, 13h48 - Publicado em 16 out 2020, 06h00

O Ráscal (Avenida Afrânio de Melo Franco, 290, Shopping Leblon, ☎ 2259-6437) colocou uma vitrine para proteger o bufê e a montagem dos pratos passou a ser feita por colaboradores. Saladas, antepastos, massas e carnes podem ser degustados à vontade (R$ 79,00 a R$ 89,00, dependendo do dia e horário).

+ Anuncie em VEJA RIO COMER&BEBER 2020

O concorrido bufê de almoço do Capim Santo (Avenida das Américas, 3900, VillageMall, Barra, ☎ 3252-2528) saiu de cena, mas o menu à la carte ganhou sugestões como as matulas. A vegana vem com moqueca de palmito pupunha, banana-da-terra e castanha-de-caju, arroz de coco e farofa de dendê (R$ 55,00).

+ A primavera traz receitas mais leves e coloridas para os cardápios

+Após sete meses fechados, Oro e Emile reabrem os salões ao público

Na seara das carnes, a Churrascaria Palace (Rua Rodolfo Dantas, 16, Copacabana, ☎ 2541-5898) extinguiu as estações de self-service que faziam parte do serviço de rodízio (R$ 149,00) e agora traz entradinhas, saladas e proteínas diretamente nas mesas, assim como os sushis e sashimis.

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade