Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Fábio Barbirato Psiquiatra infantil

Quando os filhos começam a mentir

Os pais precisam entender que tudo depende dos motivos

Por Fabio Barbirato Atualizado em 6 Maio 2022, 12h31 - Publicado em 4 Maio 2022, 13h53

Um dia a criança chega da escola ou da casa de um amiguinho e conta uma história rocambolesca, que mais parece um filme de animação. Que pai nunca passou por isso? É preciso fazer uma distinção entre mentira e fantasia, pois, dependendo da idade, a criança pequena não estará mentindo ao relatar certas histórias. Ela fantasia, acredita piamente no que está contando.

Mas existe uma fase, já na escola, em que a criança mente porque tem medo de contar algo que lhe parece vergonhoso ou mostrar seus fracassos, com receio de decepcionar os pais. Mais tarde, muitos casos estarão associados a burlar regras – por exemplo, matar aulas, falsificar a assinatura dos pais no boletim – ou desafiar limites.

De qualquer modo, isso é diferente da mentira patológica, compulsiva. Fundamental é distinguir o tipo patológico do eventual, aquele que faz parte da fase de crescimento, porque a criança quer experimentar fazer coisas diferentes daquelas que o papai e a mamãe fazem.

O importante é perceber como a criança se sente ao ser descoberta, se a culpa está presente – se ela chora, fica triste quando é apanhada só pelo medo do castigo ou se sente culpa mesmo. O diagnóstico e prognósticos são muito importantes porque se verificam a ordem de grandeza, a intensidade e frequência da mentira e o seu “planejamento”.  

A mentira merece mais atenção quando a criança começa a fazer o que quer, do jeito que quer, na hora que quer. Os pais devem estruturar, então, com ajuda profissional, se necessário, uma dinâmica familiar que faça a criança interiorizar as regras. Aliás, ela precisa de regras claras. A liberdade de questionar, de reclamar existe, mas ela deve saber que a decisão final é sempre dos pais. 

Fabio Barbirato é médico psiquiatra pela UFRJ, membro da Academia Americana de Psiquiatria da Infância e Adolescência e responsável pelo setor de Psiquiatria Infantil da Santa Casa do Rio. Como professor, dá aulas na PUC-Rio. Foi um dos apresentadores do quadro “Eu amo quem sou”, sobre bullying, no “Fantástico” (TV Globo).

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado, com Blogs e Colunistas que são a cara da cidade.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

App Veja para celular e tablet, atualizado mensalmente com todas as edições da Veja Rio

a partir de R$ 12,90/mês