Érica Nunes criou curso para barbeiros com vagas gratuitas para jovens

A empreendedora mantém a instituição, instalada em um anexo de sua casa, em Campo Grande

A infância de Érica Nunes não foi fácil. Órfã de pai, a garota foi deixada pela mãe aos cuidados da avó, que morava no Complexo do Alemão. Aos 7 anos, cansada de apanhar do tio, decidiu fugir de casa para viver na rua. Junto com outros meninos e meninas, envolveu-se com o uso de entorpecentes e foi internada três vezes em centros de reeducação de menores. Aos 17 anos, decidiu mudar de vida — ingressou no programa Jovem pela Paz e passou a trabalhar na Secretaria Estadual do Meio Ambiente, onde permaneceu até o início deste mês. Hoje, aos 33 anos, casada e com dois filhos gêmeos, de 12 anos, Érica dedica-se a um novo desafio: manter a República-Escola Batalha dos Barbeiros, criada por ela em um anexo da sua casa, em Campo Grande. Trata-se de um curso de barbeiros que oferece vagas para jovens que não têm condições de pagar. A instituição também disponibiliza hospedagem gratuita para os participantes que vêm de fora da cidade. “Eu produzia o Baile do Telhadinho, com os meninos do passinho, e notei que um cortava o cabelo do outro. Aí, em 2012, fiz o curso de cabeleireira na Associação dos Cabeleireiros do Estado do Rio de Janeiro e pensei: por que não fazer algo mais? Sou filha da oportunidade, por que não oferecer isso aos outros também?”, recorda. 

“Sempre pensei em fazer algo mais. Sou filha da oportunidade, por que não oferecer isso aos outros?”

Desde então, Érica já formou centenas de profissionais. “Já passaram pela escola meninos que tinham uma história complicada, envolvimento com drogas. Antes, os jovens identificavam o tráfico com prestígio e poder. Hoje não é mais assim. Admira-se quem tem talento, quem dança, quem tem cabelo bonito. As barbearias, por exemplo, viraram points”, diz a professora. E, para incentivar ainda mais a rapaziada, ela criou o concurso Batalha dos Barbeiros Brasil, que, neste ano, pela primeira vez, ganhou uma edição nacional. “A final será no Rio, em 24 de julho, com doze finalistas. Os vencedores receberão um cinturão e produtos de barbearia”, revela. Feliz com o resultado de sua iniciativa, Érica decidiu que estava na hora de expandir o programa. Entrou em contato com a Secretaria de Segurança Pública e, neste mês, conseguiu implantar um curso dentro do Presídio Muniz Sodré, no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu. “Tenho o maior orgulho desse projeto, o Barbeiro do Coração. Espero levá-lo aos centros de recuperação. Sabe por quê? Depois que sai, a pessoa convive com o preconceito 24 horas por dia. Ela não tem trabalho. Então, aprender uma profissão já ajuda.”

+ Gustavo Valente criou campanha para oferecer consultas grátis

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s