Clique e assine por apenas 4,90/mês

UFRJ cria modelo de previsões para pico da Covid-19 no Brasil

Estudo leva em conta diferentes medidas de saúde pública e regiões do país, além de subnotificação de casos

Por Carolina Barbosa - 13 Maio 2020, 16h05

Pesquisadores da Coppe/UFRJ, da Marinha do Brasil, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) desenvolveram um modelo matemático que permite traçar previsões para o número de casos do novo coronavírus no país, reportados e não reportados, assim como o ápice da pandemia em cenários com diferentes medidas de saúde pública.

+ Covid-19: Programa mantém atendimento psicológico on-line a famílias no Rio

Por solicitação da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), os cientistas da UFRJ têm fornecido simulações demandadas para diferentes cenários e regiões brasileiras. Segundo a professora Carolina Naveira-Cotta, uma das responsáveis pelo levantamento, a referência para este modelo vem de outras doenças/epidemias, como casos recentes de epidemias de influenza (gripes), que também apresenta alto número de casos não reportados.

+Prefeitura projeta que Rio terá 15 mil casos de coronavírus em 19 de maio

Continua após a publicidade

Os cientistas usaram a data 25/2‬, referente ao primeiro caso reportado no país, como marco para prever o pico da doença no país. Depois, simularam as intervenções de saúde pública e se valeram dos dados no período de 25 de fevereiro a 29 de março para estimar parâmetros e prever a evolução da epidemia.

Até o fechamento do estudo, os autores (além de Carolina, estão Renato Cotta e o especialista em simulação de epidemias Pierre Magal, professor da Universidade de Bordeaux, da França) traçaram cinco cenários hipotéticos com medidas de saúde pública para controle da doença no Brasil: manter-se as medidas de contenção e mitigação no nível atual, intensificar progressivamente o distanciamento social, reduzi-lo progressivamente, intensificar o isolamento de infectados pela testagem mais numerosa da população e combinar a testagem ampliada com a intensificação do distanciamento social.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Publicidade