Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Palco fundamental da cidade, Teatro Casa Grande tem novo patrocinador

Produtora independente de petróleo vai investir 1,5 milhão de reais através da Lei Federal de Incentivo à Cultura; contrato tem duração de um ano

Por Da Redação 27 ago 2021, 17h36

Um dos pontos de maior importância na história cultural da cidade e palco de encontros e debates fundamentais na luta pela democracia, o Teatro Casa Grande acaba de fechar um contrato de patrocínio com um ano de duração que o ajudará a se manter nestes duros tempos de pandemia. Seu parceiro é a PetroRio, produtora independente de petróleo que vai investir 1,5 milhão de reais, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Vrau! Ícaro Silva rebate ex-novelista da Globo com aula antirracismo

Inaugurado em 1966 com o nome de Café Concerto, o Teatro Casa Grande abrigou montagens antológicas e marcantes na história do teatro brasileiro, como a primeira montagem do musical “Brasileiro, Profissão Esperança”, com Maria Bethânia e Ítalo Rossi. Os dois foram dirigidos por Bibi Ferreira, em 1970. Foi lá também que, em meados da década de 1980, Marco Nanini e Ney Latorraca estrearam “O mistério de Irma Vap”, peça que entrou para o Guiness Book como a que por mais tempo ficou em cartaz no país (onze anos).

Rio cobrará comprovante de vacina para estádios, teatros e cartões-postais

Centro de debates democráticos, foi no Casa Grande que surgiu o Comitê Brasileiro da Anistia. Em seu território, artistas e intelectuais pressionaram o ministro da Justiça do governo José Sarney, Fernando Lyra, a decretar simbolicamente o fim da censura, em 1985. Tombado como bem imaterial pelo Estado e pelo Município em função dos atos que promoveu contra a ditadura, o teatro foi declarado pela classe política progressista como Território Livre da Democracia.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade