Clique e assine por apenas 3,90/mês

Suspeito de ataque à sede do Porta dos Fundos é preso na Rússia

Apontado como um dos participantes do crime, Eduardo Fauzi foi capturado pela Interpol em Moscou

Por Cleo Guimarães - Atualizado em 4 set 2020, 18h55 - Publicado em 4 set 2020, 17h44

Suspeito do ataque com coquetel molotov à sede do Porta dos Fundos na véspera do Natal, em 2019, o empresário Eduardo Fauzi foi preso nesta sexta (4) pela Interpol em Moscou, na Rússia. O seu processo de extradição para o Brasil já foi solicitado.

Justiça decide que filhos de Flordelis fiquem em prisões separadas

O prédio da produtora, no Humaitá, chegou a ter um princípio de incêndio, que foi controlado por um funcionário. Fauzi era o único dos cinco criminosos que estava com o rosto descoberto e foi reconhecido nas gravações de câmeras de segurança do edifício. Um mandado de prisão foi expedido pela Justiça, mas ele viajou para Moscou um dia antes e teve seu nome incluído na lista de foragidos da Interpol.

‘Querem atingir o Bolsonaro’, diz Crivella sobre denúncia de ‘Guardiões’

No especial de Natal do Porta do Fundos que motivou a ira do empresário – um homem com vasta ficha criminal  e doze passagens pela polícia -, Jesus Cristo, representado por Gregorio Duvivier, tinha um relacionamento homoafetivo.

Chay Suede deve ser o Ayrton Senna de minissérie no Netflix

Em fevereiro, Fauzi afirmou em entrevista ao jornal “Extra” que se a polícia o encontrasse, iria levá-lo com sorriso nos lábios. “Não fiz nada de errado e não tenho que ter medo de nada. Pelo contrário, tenho fé e orgulho do homem que sou e das coisas que fiz. Se a Interpol vier, vai me achar confiante e seguro, e vão me levar com um sorriso nos lábios e de cabeça erguida“, disse.

O grupo enviou a VEJA RIO um depoimento coletivo sobre a detenção do criminoso: “O Porta dos Fundos espera que essa prisão venha acelerar a identificação e a punição dos outros quatro procurados pelo ataque à sede do grupo. Acabar com a impunidade é extremamente necessário para a construção de uma sociedade mais justa.”

http://+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade