Clique e assine por apenas 3,90/mês

Nova reunião na quarta (8) discute a volta às aulas em escolas privadas

Professores da rede particular decidiram no último sábado (4) que não vão lecionar presencialmente neste momento. O desafio agora é chegar a um consenso

Por Carolina Barbosa - 7 jul 2020, 18h33

Sem consenso na assembleia do último sábado (4) sobre a volta às aulas nas escolas particulares, uma nova reunião, marcada para quarta (8), juntará representantes do Sindicato das Escolas Particulares, Sindicato dos Professores das Escolas Particulares, Vigilância Sanitária, Casa Civil e outros envolvidos no trâmite da educação. O tema é a possibilidade de finalmente definir uma data para a reabertura das instituições privadas.

+Covid-19: Rio pode triplicar número de testes para doença

Isso porque no fim de semana professores decidiram que não voltarão a ministrar aulas em salas presenciais neste momento da pandemia. Por outro lado, representantes dos colégios pressionam por uma definição. Na última semana, dois encontros tentaram achar uma solução para o imbróglio, sem sucesso.

+Número de mortes em casa no Rio quase dobrou em abril e maio

A prefeitura, por sua vez, chegou a publicar um protocolo de segurança para a retomada com medidas que serviriam tanto para as redes particulares como para as instituições municipais (essas com aulas suspensas até 3 de agosto, conforme publicado no Diário Oficial em 30 de junho). À ocasião, Marcelo Crivella anunciou que a volta das escolas privadas seria facultativa a partir do dia 10, mas nem isso ficou determinado.

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Para a reabertura, as escolas particulares deverão seguir os protocolos de prevenção à Covid-19 definidas pela Vigilância Sanitária. Na esfera estadual, as aulas presenciais só serão retomadas quando o estado fluminense estiver em estágio de “bandeira verde” para o novo coronavírus, segundo comunicou o secretário Pedro Fernandes ao “Bom Dia Rio”. Atualmente, a situação está no nível laranja e, antes de chegar ao verde (quando poderiam voltar a funcionar), ainda passa pelo estágio amarelo.

+Coronavírus: E agora? Witzel mantém restrições já liberadas por Crivella

Continua após a publicidade
Publicidade