Continua após publicidade

Quem deve usar a máscara mesmo com o fim da obrigatoriedade no Rio?

Pessoas não vacinadas e com comorbidades estão entre os grupos que devem continuar usando o item de proteção contra a Covid-19

Por Redação
Atualizado em 8 mar 2022, 13h48 - Publicado em 8 mar 2022, 13h47

Os cariocas foram liberados do uso obrigatório da máscara nesta segunda (7), após aprovação do Comitê Científico do Rio. Publicada em edição extra do Diário Oficial, a medida foi tomada em decorrência do atual cenário epidemiológico na cidade, com alta cobertura vacinal, baixa taxa de transmissão, de testes positivos e internações pela doença. Apesar da decisão, o uso do equipamento de proteção contra a Covid-19 ainda é recomendado para certos grupos.

+ Imperatriz, Portela e São Clemente abrem os ensaios técnicos na Sapucaí

De acordo com o secretário municipal de Saúde Daniel Soranz, pessoas imunossuprimidas ou com comorbidades graves e que não foram vacinadas devem continuar usando a máscara.  O secretário também destacou a importância de pessoas com sintomas respiratórios usarem o item para evitar a transmissão do vírus.

Já o médico pediatra sanitarista e membro do comitê Daniel Becker recomendou o uso da máscara por crianças que ainda não tomaram as duas doses da vacina. Adultos que não receberam a dose de reforço também devem continuar apostando no item de proteção.

Compartilhe essa matéria via:

No ambiente escolar, a decisão do uso ou não das máscaras será tomada por cada unidade. Algumas universidades do Rio, no entanto, anunciaram que continuarão com a obrigatoriedade ou recomendação do acessório. É o caso da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde a entrada de máscara continuará sendo exigida, e da Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio), que recomenda ainda o uso do item no campus.

Em nota, a Rio Ônibus também pediu aos passageiros que continuem utilizando o a máscara e “mantenham higienização das mãos durante e após uso do transporte público”. 

+ Bar da Lapa troca nome do drinque ‘Moscow Mule’ para ‘Kiev Mule’

Pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) consideraram que a decisão em liberar as máscaras foi ‘precipitada‘. Segundo o pesquisador em saúde pública Raphael Guimarães, o Rio está cercado por outras cidades “com índices de coberturas vacinais diferentes”.

Continua após a publicidade

Passaporte vacinal

Mesmo com o fim da obrigatoriedade das máscaras em locais fechados, a Prefeitura do Rio manteve a exigência do comprovante de vacinação para entrada nos locais, como hotéis, academias, estádios, museus, teatros, cinemas, casas de espetáculos e de festas, áreas internas de bares e restaurantes, entre outros. Segundo o Comitê Científico, a medida foi mantida para incentivar a vacinação completa contra a Covid no município.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

De acordo com os dados o Painel Rio Covid-19, mais da metade da população adulta (54,5%) está vacinada com a dose de reforço. Já entre a faixa de crianças entre 5 e 11 anos, 58% recebeu a primeira dose e 10% está com o ciclo vacinal completo.

Continua após a publicidade
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.