Clique e assine por apenas 3,90/mês

Porto do Açu deu prejuízo de R$ 2 bilhões em desapropriações

Advogado de agricultores da região de São João da Barra pede reparação das empresas de Eike Batista na justiça

Por Redação VEJA RIO - Atualizado em 7 fev 2017, 18h57 - Publicado em 7 fev 2017, 18h55

A desapropriação de áreas para construção do Porto do Açu, em São João da Barra, no Norte Fluminense causou um prejuízo de 2 bilhões de reais, a partir de ações do empresário Eike Batista e o ex-governador Sérgio Cabral, presos na Operação Lava Jato. A informação é de reportagem do SBT, que apresentou entrevista com o advogado de agricultores da região, Antônio Maurício Costa. Ele entrou com uma ação popular contra o governo estadual, a LLX — antiga empresa de Eike — e a Prumo Logítica, atual gestora do porto, para pedir indenização aos antigos proprietários. Segundo reportagem, se os cálculos tivessem sido feitos baseados nas avaliações dos peritos, o empresário teria que ter desembolsado mais R$ 37 milhões previstos no contrato.

Publicidade