Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Aumento desordenado de redes de beach tennis vai parar na Justiça

Grupo Ação Ecológica alega que a orla é uma Área de Proteção Ambiental e que está havendo a descaracterização de um patrimônio paisagístico

Por Da Redação 20 jun 2022, 13h33

Uma batalha vem sendo travada nas areias do Rio. Ela começou na Praia de Ipanema, entre o Jardim de Alah e a Rua Henrique Dumont, onde se instalou o maior point do Rio de beach tennis. Mas a disputa se dá fora da “quadra” – e muito por causa dela, já que o problema começou justamente por conta do chamado loteamento da orla por equipamentos fixos, o que reduz o espaço de banhistas. A batalha já chegou ao Ministério Público estadual (MPRJ), depois que uma denúncia anônima, encaminhada ao órgão no mês passado e transformada em processo interno, está sob análise do promotor Pedro Rubim Borges Fortes, da Promotoria de Ordem Urbanística, e cita a ocupação desordenada e agressiva ao meio ambiente nesse trecho da areia. As informações são do jornal O Globo.

+ Fruto da miséria, uso de crack será aferido em novo censo feito nas ruas

O Grupo Ação Ecológica (GAE) vai entrar na briga, e ampliá-la para todo o litoral da cidade e a outros esportes. Segundo o advogado Rogério Zouein, diretor do GAE, como a praia é um bem da União, ingressará com representação no Ministério Público Federal (MPF). A alegação é de que a orla é uma Área de Proteção Ambiental (APA) e que está havendo a descaracterização de um patrimônio paisagístico. Ele lembra que a paisagem é o bem maior da cidade, segundo sua Lei Orgânica e seu Plano Diretor.

“As traves e as redes de vôlei, futevôlei, beach tennis, montadas indefinidamente, formam um verdadeiro varal de roupas nas praias da Zona Sul, da Barra e do Recreio. Deveriam ser retiradas após o uso. Virou um mafuá; é preciso ordem”, reclama Zouein ao Globo.

+ Indicadores revelam tendência de aumento de casos de Covid-19 no Rio

Continua após a publicidade

“Fico meio assustado, porque não sei onde essa ocupação vai terminar. Não fazem sequer um “corredor  humanitário”. Antes, havia lugar na areia até para soltar pipa. Agora, dominaram um espaço público. Para segurar as quadras, depois do nivelamento, chegam a cercá-las com sacos de areia, que acabam furando e sujando a praia”, afirmou o designer Sérgio de Souza, de 52 anos e morador há 17 na Henrique Dumont, que apela: — Queremos beach beach.

O beach tennis predomina hoje entre os 300 espaços para atividades esportivas e físicas licenciadas na orla, também ocupada por 1.118 barracas autorizadas, montadas na areia. Vice-presidente da Associação de Beach Tennis do Estado do Rio (Abterj), João Paulo Nunan estima que haja mais de 400 redes para a prática do esporte, inclusive na Praia da Bica, na Ilha do Governador. Licenciadas pela Secretaria municipal de Ordem Pública (Seop) são 73, número que supera o do futevôlei (64), segundo colocado, e o do vôlei (42). Uma quadra de beach tennis mede 16m por 8m, ou 128 metros quadrados, sem recuos.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

“O beach tennis chegou ao Brasil em 2008, mas começou a crescer muito em 2021. Com a pandemia, as pessoas passaram a procurar atividades ao ar livre. E, no caso do beach tennis, a idade não atrapalha“, disse Nunan, acrescentando que uma hora de aula custa R$ 50, em média, e pacotes mensais, com duas aulas semanais, variam de R$ 280 a R$ 320.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 12,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)