Continua após publicidade

Fiocruz detecta coronavírus na rede de esgoto do estado do Rio

Em parceria com a concessionária Águas de Niterói, o projeto monitora a disseminação do vírus a partir da análise de amostras distribuídas em doze pontos

Por Carolina Barbosa Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 29 abr 2020, 11h53 - Publicado em 29 abr 2020, 11h49

Cientistas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) constataram a presença de coronavírus na rede de esgoto do estado do Rio. O material genético do Sars-coV-2 foi detectado em amostras de esgotos de Niterói. Em parceria com a concessionária Águas de Niterói, a inciativa tem o objetivo de acompanhar o comportamento da disseminação do vírus na população ao longo desta pandemia. As primeiras coletas foram realizadas em 15 de abril, em doze pontos estrategicamente distribuídos pela cidade. A previsão é de que, na primeira etapa do projeto, o monitoramento seja realizado durante quatro semanas, com possibilidade de prorrogação.

+UFRRJ cria sistema inteligente que ajuda a diagnosticar a Covid-19

Evidências científicas recentes mostram que o novo coronavírus é excretado em fezes. Ou seja, o projeto lança mão da análise de amostras de esgotos como um instrumento de vigilância, permitindo identificar regiões com presença de casos da doença, mesmo aqueles que ainda não foram notificados no sistema de saúde.

O monitoramento ambiental realizado pela Fiocruz, responsável por desenvolver atividades de pesquisa na área de Virologia Ambiental há mais de 15 anos, está alinhado com estudos científicos internacionais, que têm demonstrado a importância da vigilância baseada em esgotos para a detecção precoce de novos casos de Covid-19. “Isso subsidiará informações para a vigilância em saúde, permitindo otimizar o uso dos recursos disponíveis e fortalecer medidas de profilaxia na área, uma vez que a investigação sistemática da presença do material genético do vírus na rede de esgotos sanitários pode fornecer um retrato da presença de casos positivos em determinada localidade, incluindo assintomáticos e subnotificados no sistema de saúde. É um instrumento importante de vigilância baseada em águas residuárias como uma abordagem promissora para entender a ocorrência do vírus em uma determinada região geográfica, assim como a inserção da Virologia Ambiental nas Políticas Públicas de Saúde”, explica a pesquisadora Marize Pereira Miagostovich, chefe do Laboratório de Virologia Comparada e Ambiental do IOC/Fiocruz e responsável pela pesquisa.

Continua após a publicidade

Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Niterói: coleta de amostras em esgoto (Marina Saraiva/IOC/Fiocruz/Divulgação)

Ela ressalta ainda que o momento não existem evidências científicas sobre a possibilidade de transmissão do novo coronavírus por rota fecal-oral. “Não há evidências na literatura científica de que, quando excretado nas fezes, o vírus ainda esteja viável para infectar outras pessoas”, esclarece. Até o momento, a via respiratória é o principal modo de transmissão, através de gotículas respiratórias geradas pela tosse ou espirros.

Continua após a publicidade

+A corrida dos pesquisadores da Fiocruz para produzir testes da Covid-19

Para a pesquisadora Camille Mannarino, da ENSP/Fiocruz, o estudo reforça a importância da relação entre saneamento e saúde. “O monitoramento de Covid-19 em esgotos sanitários tanto subsidia ações regionalizadas de contenção da transmissão quanto permite antecipar a mobilização da atenção primária em saúde em determinada localidade onde a circulação viral seja detectada previamente pelo monitoramento dos esgotos”.

+Vida longa à Fiocruz, que completa 120 anos em 25 de maio

No entanto, ela destaca que este tipo de vigilância apenas é possível nos municípios em que uma parcela significativa da população é atendida por rede coletora de esgotos e a operadora do serviço tem controle sobre o sistema. “No caso de Niterói, a cobertura da rede de esgotos é de 95%. A adequada coleta e tratamento de esgotos também são fundamentais para a não contaminação de águas de abastecimento e recreação”, justifica a sanitarista.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Tudo o que a cidade maravilhosa tem para te
oferecer.
Receba VEJA e VEJA RIO impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.