Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Fiocruz constrói o maior complexo de biotecnologia da América Latina

No cronograma das obras, os primeiros dos nove prédios previstos a serem erguidos em Santa Cruz serão entregues no fim de 2022

Por Pedro Tinoco Atualizado em 15 jan 2021, 09h56 - Publicado em 15 jan 2021, 06h00

Em cerimônia no fim do ano passado, ofuscada pelas inúmeras demandas urgentes do combate ao coronavírus, a centenária Fundação Oswaldo Cruz deu um grande passo rumo ao futuro. No dia 3 de dezembro, a Bio-Manguinhos, braço responsável pela produção de vacinas, kits para diagnóstico e biofármacos, assinou com o governo do estado a escritura definitiva do terreno onde está sendo construído o Complexo Industrial de Biotecnologia em Saúde.

+Operação Verão terá uso de drones na fiscalização da orla

+Bienal do Livro Rio lança plataforma digital

+ As novidades do Museu Nacional, que deve ter reabertura parcial em 2022

Conhecido como Cibs, o espaço, com área de 580 000 metros quadrados no distrito industrial de Santa Cruz, será o maior empreendimento de biotecnologia da América Latina e permitirá que a capacidade de produção seja quadruplicada. “Vimos como até países desenvolvidos tiveram enormes dificuldades com respiradores, equipamentos e mesmo com vacinas. O Cibs vai nos permitir desenvolvimento em qualidade e em escala”, observa Nísia Trindade Lima, presidente da Fiocruz. No cronograma das obras, os primeiros dos nove prédios previstos serão entregues no fim de 2022.

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade