Clique e assine por apenas 3,90/mês

Investigado, Crivella tem celular apreendido e encontra Bolsonaro

Alvo de investigação sobre suposto 'QG da Propina', prefeito cumpre agenda com o presidente da República e o governador interino, Cláudio Castro

Por Cleo Guimarães - Atualizado em 10 set 2020, 12h00 - Publicado em 10 set 2020, 10h49

O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, acordou com policiais à sua porta na manhã desta quinta (10). O Ministério Público (MPRJ) e a Polícia Civil cumpriram mandado de busca e apreensão e foram às 6h, à sede da Prefeitura, à casa do prefeito, na Barra, e ao Palácio da Cidade, onde ele despacha. Documentos e o telefone celular do prefeito foram apreendidos pelos agentes. 

Coronavírus: ‘Fechem as praias no fim de semana urgente’, pede médico

Não foi expedido mandado de prisão, e Crivella manteve sua agenda para esta quinta (10). O prefeito seguiu para um compromisso ao lado do presidente Jair Bolsonaro e do governador interino, Cláudio Castro, previamente marcado para as 9h: a formatura de oficiais no Centro de Instruções da Marinha, na Penha. Procurada por VEJA RIO, a assessoria de Crivella afirma que o prefeito, por enquanto, não irá se posicionar sobre as investigações.

Covid-19: gráfico aponta tendência no aumento de internações no Rio

A ação desta quinta é parte da investigação sobre um suposto esquema de corrupção na Prefeitura. O inquérito contra Crivella foi aberto em 2019, baseado na delação do doleiro Sérgio Mizrahy. Ele foi preso na Operação Câmbio Desligo, um desdobramento da Lava Jato.

Conheça Rebeca, a ‘ovelhinha vegana’ que passeia pela Zona Sul com o dono

De acordo com Mizrahy, empresas interessadas em fechar contratos com a prefeitura negociariam diretamente com Rafael Alves, ex-dirigente do Salgueiro e irmão de Marcelo Alves – então presidente da Riotur. Em troca de propina, o órgão facilitaria o encaminhamento dos processos burocráticos ou o pagamento de valores que o poder municipal devia a elas.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Rafael e Marcelo Alves, assim como Mauro Macedo (ex-tesoureiro de Crivella e irmão de Bispo Macedo, da Igreja Universal) também são investigados e fazem parte de uma lista com 22 pessoas que tiveram mandados de busca e apreensão expedidos em seus nomes.

Continua após a publicidade
Publicidade