Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Cristo Redentor será restaurado para comemoração de seus 90 anos

Reforma será feita em parceria com instituições de ensino e pesquisa; intenção é evitar a perda da forma original da escultura e prevenir risco de acidentes

Por Agência Brasil 28 out 2020, 12h36

Declarado como uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno, em 2007, o Cristo Redentor vai ser restaurado para as comemorações de seus 90 anos. A celebração será no dia 12 de outubro de 2021.

Uma cerimônia no monumento marcou, nesta terça (27), o início do projeto de restauro. Estudos, levantamentos e pesquisas vêm sendo realizados desde 2016 pela empresa Cone Sul para a realização do trabalho de conservação preventiva e de tratamento de danos na estátua. A intenção é evitar a perda da materialidade e da forma original da escultura, além de prevenir o risco de acidentes.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

O trabalho começou com levantamentos para colher informações necessárias ao tratamento e conservação que serão realizados, além da montagem do andaime multidirecional com escada modular, que vai permitir o acesso ao interior da escultura. Por meio dos levantamentos e das análises técnicas, será identificado o que pode pôr em risco a integridade do monumento. A intenção é ter projetos complementares estruturais, como as instalações do sistema de proteção contra raios e de programação visual, com tratamento preventivo.

“Meu sonho era trazer a diretora de ‘Lindinhas’”, diz criador da Flup

Tudo será feito em parceria com instituições de ensino e pesquisa, que realizam estudos semelhantes às demandas encontradas no Cristo Redentor, como as universidades federais de Juiz de Fora, de Outro Preto e do Rio de Janeiro. O projeto segue as exigências do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e da Associação Brasileira de Normas Técnicas (NBR) e conta com uma equipe multidisciplinar com cerca de 40 profissionais, entre engenheiros estruturais, elétricos, de segurança, geólogos, arquitetos, mestres, técnicos em escaneamento 3D, alpinistas, pedreiros e escultores.

Eleições: Polícia Federal vai usar drones para evitar boca de urna

A tecnologia da fotogrametria aérea e terrestre será usada para o levantamento cadastral. Com isso, milhares de fotografias serão tiradas por drones equipados com câmera de alta resolução. As imagens serão interpretadas em processo específico para obter informações confiáveis sobre a composição das faces do monumento.

Continua após a publicidade
Publicidade