Clique e assine por apenas 4,90/mês

Covid-19: Flamengo reduz 25% dos salários dos jogadores

Pagamento dos direitos de imagem também foi adiados

Por Agência Brasil - Atualizado em 6 Maio 2020, 12h53 - Publicado em 6 Maio 2020, 11h08

O Clube de Regatas do Flamengo anunciou no início da tarde de ontem (5), por nota oficial, que fechou um acordo com os jogadores que prevê o corte de 25% dos vencimentos deles nos próximos dois meses. A redução dos salários ocorre cinco dias após o clube iniciar a um processo de demissão – 12 trabalhadores já foram desligados e estão previstas outras 50 demissões – que pretende reduzir 6% do quadro de colaboradores. As medidas tentam mitigar os efeitos da crise causada pela pandemia do novo coronavírus (covid-19), após a paralisação do futebol no país.

+Quarentena: Cai taxa de isolamento social na cidade do Rio de Janeiro

O documento – que será oficializado por ambas as partes nos próximos dias – também estabelece o adiamento do pagamento dos direitos de imagens, que seriam pagos em maio e junho deste ano. Com a adesão ao acordo, a quitação será feita em dez parcelas, a partir de janeiro de 2021.  Em princípio, a vigência do documento será para os meses de maio e junho. Após este período, o clube se compromete a realizar nova avaliação.

+Quarentena: Movimento no Galeão em maio deve ser 17% maior que em abril

Continua após a publicidade

“A crise econômica resultante da pandemia da COVID-19 é grave e afeta a todos. Infelizmente, medidas duras são necessárias de forma a garantir a continuidade de todas as instituições e empresas. O Clube de Regatas do Flamengo, apesar de seu tamanho e sua situação financeira equilibrada, não está imune a isto”, diz a abertura da nota oficial, publicada no site do Rubronegro.

Para assinar Veja Rio clique aqui

Na última quinta (30) foram dispensados do clube 12 trabalhadores da categoria de base, entre eles, roupeiros, motorista e fisiologistas. Também foi firmado um acordo com o restante dos trabalhadores do clube que estabelece a redução de 25% dos salários acima de R$ 4 mil por mês.

+Covid-19: Governador do Rio ameaça autuar quem estiver em aglomeração

Publicidade