Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Boa ação: campanha converte doação de sangue em plantio de árvores no Rio

De terça (21) a 4 de outubro, as bolsas de sangue coletadas pelo Hemorio serão revertidas em mudas de árvores urbanas para regiões menos arborizadas

Por Carolina Barbosa 20 set 2021, 13h36

Dupla boa ação. Lançada pelo Hemorio em parceria com a Fundação Parques e Jardins, a campanha “Sangue é Vida” busca incentivar a doação de sangue, que recuou em mais de 20% no último ano, devido à queda do número de doadores em função da pandemia do novo coronavírus. Logo, entre terça (21) e 4 de outubro, a proposta será assim: o número total de bolsas de sangue coletadas será convertido em mudas de árvores urbanas, destinadas a novos plantios nas regiões menos arborizadas do Rio. Ou seja, em outras palavras, o número de mudas será contabilizado com base no total de doadores neste período.

+Pesquisa revela que Rio ganhou quase 100 favelas em duas décadas

Tais mudas serão plantadas nas áreas selecionadas pela Fundação Parques e Jardins. Atualmente, a cidade do Rio conta com um déficit de 1 milhão de árvores urbanas, principalmente nas zonas Norte e Oeste.

De acordo com o Hemorio, que abastece a rede hospitalar, de maternidade e de emergência por aqui, são necessárias ao menos 300 novas bolsas de sangue por dia para atender à demanda dos pacientes do estado. Impactadas por conta da pandemia, no último ano, a média diária de coletas caiu para 210.

+Meteorologia: nova frente fria chega ao Rio na terça (21)

Continua após a publicidade

Quem já teve Covid-19 pode doar sangue 30 dias após a recuperação da doença. No caso das vacinas, também é permitido doar. Quem tiver sido imunizado com a Coronavac está liberado para doar sangue 48h depois da aplicação. No caso dos demais imunizantes, o prazo é de uma semana.

Vale ressaltar que a coleta é um processo muito seguro. Todo o material utilizado é estéril, descartável e de uso individual. Na doação habitual, são coletados até 450 ml de sangue.

Para doar, é preciso ter entre 16 e 69 anos, pesar no mínimo 50 kg, estar bem de saúde e portar um documento de identidade oficial com foto. Jovens com 16 e 17 anos só podem doar sangue com autorização dos pais ou responsáveis legais e devem portar ainda um documento de identidade do responsável.

No ato da coleta, não é necessário estar em jejum, apenas evitar alimentos gordurosos nas quatro horas que antecedem a doação e não ingerir bebidas alcoólicas 12 horas antes. Os voluntários não podem ter tido hepatite após os 10 anos, nem estar expostas a doenças transmissíveis pelo sangue (sífilis, AIDS, hepatite e doenças de chagas). Mulheres grávidas ou amamentando e usuários de drogas não podem doar sangue.

A coleta será feita na Rua Frei Caneca, 8, Centro, das 7h às 18h.

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade