Continua após publicidade

Após quatro dias de sol no Carnaval, Cacique Cobra Coral descansa

Contrariando a previsão, a folia carioca teve tempo bom até a noite de terça (21), o que levou os internautas a atribuir o feito à fundação

Por Kamille Viola
Atualizado em 23 fev 2023, 10h22 - Publicado em 22 fev 2023, 15h32

Contrariando as previsões de chuva durante o Carnaval, o Rio teve tempo bom durante toda a folia, com chuva apenas na reta final, na noite de terça (21). A boa surpresa rendeu comentários bem-humorados e memes atribuindo o feito à Fundação Cacique Cobra Coral, organização esotérica que afirma ser capaz de intervir nas condições climáticas para não atrapalhar a realização de eventos.

+ A homenagem de Ludmilla para Preta Gil, durante desfile de megabloco

Os elogios à entidade logo se espalharam pelas redes. A jornalista Barbara Schneider brincou no Twitter que não existe ateu no Rio. “Todo mundo acredita no Cacique Cobra Coral. O que rolou nesse final de semana vale canonização…”, comentou.

Compartilhe essa matéria via:

Também jornalista, Marcello Neves enumerou os supostos feitos da entidade em um post:

Incrível a Fundação Cacique Cobra Coral.

Continua após a publicidade

– Antes do carnaval, 10 dias de tempo instável e chuva.

– Durante, calor a pino e dois sóis para cada.

– Agora a cidade presencia um dilúvio. Não há explicação física ou religiosa. É preciso apenas aceitar o poder da instituição.

+ Pega mijão: mais de 600 foliões já foram multados em 750 reais

Continua após a publicidade

O historiador Luiz Antonio Simas foi outro que exaltou a eficiência da fundação. “O carioca pode ser ateu, macumbeiro, crente, católico, judeu, muçulmano… Todos nós, porém, temos nossas diferenças cerzidas por uma mesma crença: somos devotos do Cacique Cobra Coral. Aliás, Devotos de Seu Cobra Coral é ótimo nome para um bloco”, sugeriu.

+ Fuja de golpes: veja como comprar ingressos para o Desfile das Campeãs

Daniella Dias, jornalista, também elogiou a organização de forma divertida, fazendo uma alusão a uma passagem bíblica. “Depois de proporcionar uma reviravolta na meteorologia carioca, Cacique Cobra Coral autoriza e começa a chover nas últimas horas do carnaval do Rio. E, no quarto dia, descansou”, brincou.

Continua após a publicidade

+ A polêmica das rainhas de baterias que não sambam continua

O jornalista Thales Machado contabilizou o período de ação da fundação. “E chove no Rio pela primeira vez às 20h50 do último dia de Carnaval. Foram quase 93 horas de invencibilidade em um feriado com previsão de aguaceiro desde sábado. Não há como não reconhecer a competência da Fundação Cacique Cobra Coral. Como disse o @lpfortes, imposto bem investido.

+ Pintou a campeã? Segunda noite de desfiles é marcada por alto nível

Com a repercussão dos comentários, a entidade fez um post contando um pouco de seu trabalho ao lado do poder público no Rio. “Uma parceria de três décadas, iniciada em 1988 no governo Moreira Franco, dado continuidade via prefeitura do Rio de Janeiro nos governos Cesar Maia e Eduardo Paes, através de convênios operacionais”, descreve o texto.

Continua após a publicidade

+ Comemoração do centenário da Portela é afetada por problemas técnicos

A fundação frisa, no entanto, que não há custos para os cofres públicos para a sua atuação, e sim obrigações ambientais e reciprocidade operacional via prefeitura, em obras de engenharia nas ruas que visem minimizar os fenômenos climáticos, como a intervenção na Praça da Bandeira realizada na primeira gestão de Paes, e investimento em ciência e tecnologia, como no caso do sistema Alerta Rio.

+ O obstáculo que nenhuma escola esperava encontrar na Sapucaí

A Fundação Cacique Cobra Coral garante que combate os efeitos e os governos conveniados, as causas. E comparou sua atuação à de um airbag. “Sua contratação não significa que o automóvel não irá sofrer colisão. Mas, que se ocorrer, os danos ao motorista serão bem menores do que sem o airbag”, diz o texto.

View this post on Instagram

A post shared by Cacique Cobra Coral Foundation (@caciquecobracoralfoundation)

Continua após a publicidade

+ A geleia da Shakira e outras fantasias em alta nos blocos do Rio

Criada em 1931 em Guarulhos (SP), além do Rio, a fundação já teve parcerias com os governo de São Paulo e do Distrito Federal, além de ter participado de uma reunião com o Ministério de Minas e Energia a respeito da crise hídrica que secou reservatórios de hidrelétricas, em 2021. A entidade chegou a ter o escritor Paulo Coelho como vice-presidente entre 2004 e 2006. Atualmente, é presidida pela médium Adelaide Scritori.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.