Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

O tradicional Bracarense agora é Patrimônio Cultural Carioca

Em funcionamento no Leblon desde 1961, o bar de inspiração portuguesa passa a integrar ao Circuito dos Botequins da cidade

Por Luiza Maia Atualizado em 26 nov 2021, 14h49 - Publicado em 26 nov 2021, 13h26

Mais um bar tradicional da cidade passa a ser considerado um Patrimônio Cultural Carioca. Localizado entre a Rua José Linhares com a Avenida Ataulfo de Paiva, no Leblon, o Bracarense foi reconhecido na última quinta (25) pelo Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), órgão ligado à Secretaria Municipal de Planejamento Urbano, em um evento aberto ao público.

+ O fim da Polonesa: tradicional restaurante de Copacabana fechará as portas

A placa foi entregue aos donos do estabelecimento Dona Rosa e seu filho Kadu Tomé, neto do fundador do Bracarense, o português Arnaldo Tomé. Inaugurada em 1961, a casa foi nomeada em homenagem à cidade de Braga, situada ao Norte de Portugal. Ao longo de seus 60 anos, o bar recebeu personalidades ilustres, como o escritor João Ubaldo Ribeiro e o músico Tom Jobim.

Com o novo título, o “Braca”, como é carinhosamente conhecido entre os frequentadores, é o 29º bar a integrar o Circuito dos Botequins da cidade. No último sábado (20), o Amarelinho da Cinelândia também foi contemplado com honraria, no mesmo dia em que reabriu as portas, após um longo período fechado na pandemia.

+ O Estação continua: após ameaça de despejo, cinema será tombado

Continua após a publicidade

O circuito, que inclui também bares como Jobi, Adega Pérola e Bar da Portuguesa, foi criado pela prefeitura para identificar os locais tradicionais da cena boêmia e afirmar a importância desses espaços para a cultura carioca.

Segundo o secretário de Planejamento Urbano, Washington Fajardo, o objetivo desse reconhecimento é proteger os lugares que carregam o DNA carioca e promovem um lugar de encontro – este, que fez tanta falta neste último ano pandêmico e de isolamento social. “Cada botequim da cidade realiza uma contribuição para nossa qualidade de vida, mesmo para quem não frequenta, porque promove um ambiente urbano com movimento, segurança e alegria”, disse o secretário.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

No caso do Bracarense, o prédio onde o bar está localizado também se trata de um imóvel preservado, por estar situado em uma Área de Proteção ao Ambiente Cultural (APAC). Esse tipo de área é responsável por delimitar um espaço de preservação, comtemplando um conjunto de bens arquitetônicos que formam a identidade local.

Continua após a publicidade

Publicidade