Clique e assine com até 65% de desconto

Coronavírus: dez novos dados sobre a doença no Rio

Comitê composto por associações comunitárias, políticos de oposição e agentes de saúde produz informações objetivas sobre o cenário na pandemia

Por Pedro Tinoco Atualizado em 8 jul 2020, 18h01 - Publicado em 8 jul 2020, 17h55

O cenário de incerteza e os movimentos desencontrados de reabertura inspiraram, no último dia 20 de junho, a criação do Comitê Popular de Crise RJ (facebook.com/comitepopulardecriserj/). Reunião dos esforços de cerca de 100 entidades, entre coletivos de favelas, profissionais de saúde e pesquisa, além de políticos de oposição com mandato parlamentar no Rio de Janeiro, o comitê tem como objetivos apresentar informações organizadas sobre a pandemia na cidade, além de apoiar ações de solidariedade e de preservação da vida. Confira, a seguir, 10 informações importantes sobre o cenário carioca apuradas no primeiro boletim do Comitê, baseado na semana de 28 de junho a 4 de julho:

5 BAIRROS COM MAIS CASOS ACUMULADOS:

Copacabana (2 630), Campo Grande (2 332), Barra da Tijuca (2 301), Tijuca (2 279), Bangu (1 630).

+Casos de covid-19 na Rocinha podem ser 62 vezes maiores que o oficial

5 BAIRROS COM MAIS ÓBITOS ACUMULADOS:

Campo Grande (334), Bangu (315), Realengo (253), Copacabana (249), Santa Cruz (200).

CASOS ACUMULADOS:

60.033 (+4.747 casos na última semana).

TAXA DE INCIDÊNCIA:

893,49 por 100 mil habitantes (+70,65 na última semana).

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

ÓBITOS ACUMULADOS:

6.869 (+ 503 óbitos na última semana).

Continua após a publicidade

TAXA DE MORTALIDADE:

102,23 por 100 mil habitantes (+7,48 na última semana).

TAXA DE LETALIDADE:

11,44% (-0,07p.p em comparação com a semana passada).

+Número de mortes em casa no Rio quase dobrou em abril e maio

TAXA DE CONTÁGIO:

essa semana o Covidímetro da UFRJ (que abarca o Estado do Rio de Janeiro) registrou taxa de contágio de 1,33. A taxa diminuiu 0,1 em relação à semana passada (1,43). A Fiocruz recomenda valor inferior a 1,0 durante uma semana como critério para adoção de medidas de flexibilização do isolamento social, métrica que vem sendo adotada por diversos países.

O ESCÂNDALO DA SUBNOTIFICAÇÃO:

Com base no modelo de estimativa de subnotificações elaborado pela Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto, é possível estimar que hoje a cidade do Rio tenha cerca de 715.552 casos (10,92 casos não notificados para cada caso notificado, ou 1091.93% de subnotificação).

+Coronavírus: E agora? Witzel mantém restrições já liberadas por Crivella

OCUPAÇÃO DA REDE HOSPITALAR DA CIDADE:

Os dados indicam tendência de queda. No último sábado (4/7), 176 pessoas se encontravam internadas nas UTI da Rede Municipal (-28 em comparação com o sábado anterior) e 464 pessoas se encontravam internadas nas UTI da Rede SUS (-57 em comparação com o sábado anterior).

Continua após a publicidade
Publicidade