Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Vinoteca Por Marcelo Copello, jornalista e especialista em vinhos Marcelo Copello dá dicas sobre vinhos

Malbec: uma comparação entre as versões da Argentina e da França

Para comemorar o Dia Mundial do Malbec, em 17 de abril, vamos lembrar um pouco da história desta casta

Por Marcelo Copello Atualizado em 19 abr 2021, 13h46 - Publicado em 19 abr 2021, 11h36

A malbec nasceu em Bordeaux há alguns séculos, mas desenvolveu-se mais na região francesa de Cahors (onde é chamada de auxerrois). Com a Phylloxera no século XIX foi quase apagada de Bordeaux, onde ainda existe, embora seja rara. Lá nunca foi realmente muito plantada, os châteaux tinham um máximo de 10% de malbec para ser usada em cortes com o papel de suavizar o Cabernet Sauvignon. Depois da Phylloxera, contudo, foi replantada em porta enxertos muito vigorosos e após a geada de 1956 foi quase abandonada em nome da Merlot. Hoje em Bordeaux os poucos châteaux que têm malbec raramente a usam em proporção maior que 5% em seus vinhos. No Cahors, sim, a malbec é a mais plantada, e é obrigatória em mínimo de 70% nos cortes.

malbec veio de Bordeaux para a Argentina em 1852 (e não do Cahors) e lá se adaptou esplendidamente. Hoje a diversidade clonal da malbec na Argentina é enorme, maior que na França.

Em uma comparação genérica de estilo entre os malbecs argetinos e os franceses, podemos dizer que:

– Frutas: os malbecs argentinos costumam ser exuberantes nos aromas de frutas, com muitas frutas negras (ameixas, amoras principalmente) bem maduras, as vezes lembrando geleias. Os do Cahors lembram mais frutas frescas, não tão maduras.

– Flores: violeta é um dos aromas típicos do malbec argentino, menos evidente nos exemplares do Cahors.

– Vegetais/ervas: tabaco é um aroma da malbec mais comum nos exemplares do Cahors.

Continua após a publicidade

– Doçura: quase sempre os malbecs estarão na categoria “seco”, com poucos gramas de açúcar residual (1 a 5), é o mais comum no mercado, mas com sensação de maciez dada pelo álcool alto e acidez moderada, mais evidente nos exemplares sulamericanos do que nos franceses.

– Acidez: aqui está uma grande diferença do malbec argentino para o francês. O argentino geralmente tem acidez moderada e o francês mais alta.

– Corpo: geralmente argentinos tem mais volume de boca que os do Cahors

– Álcool: na Argentina raramente um malbec terá menos de 13,5% de álcool, podendo chegar aos 17%. Na França estes números são mais baixos, ficando geralmente entre 12% e 14%

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade