Clique e Assine a partir de R$ 3,90/mês
Juju na Trip Por Blog Uma família de cariocas vivendo o que há de melhor na vida, e compartilhando todas as dicas por aqui. Acompanhem!

Lugares para viajar perto do Rio de Janeiro

Listamos lugares a menos de 6 horas da capital para viajar no verão e mantendo os protocolos contra a Covid-19 porque, afinal, precisamos ser responsáveis

Por Blog Juju na Trip Atualizado em 5 jan 2021, 11h50 - Publicado em 18 dez 2020, 09h24

Entre Ilhabela e Arraial do Cabo, há mais de 600 km de litoral, com o Parque Nacional da Serra da Bocaina e a APA do Cairuçu cravadas no caminho, e o Rio de Janeiro como ponto de partida. É um punhado de lugares para viajar perro do Rio de Janeiro, para quem quer curtir o verão com sol, mar e cachoeira sem aglomerar, em meio à natureza, e cumprindo os protocolos de segurança.

E aqui tem um post com os melhores airbnb perto do Rio de Janeiro, com mata, praia e piscina.

Arraial do Cabo e Búzios (sem aglomerar)

ATUALIZAÇÃO COVID: Depois de 48 sob ordem de lockdown por decisão judicial, ordem foi revertida e Búzios reabriu para o turismo. As festas de fim de ano estão mantidas, desde com capacidade de 50%. Apesar da permissão para os eventos, lembrem-se da responsabilidade individual de cada um. A pandemia não acabou, não temos vacinas, e nem tratamento para o Covid-19.

Onde fica: as duas cidades ficam a apenas 2h30 de carro seguindo pela BR-101.

O que fazer em Búzios e Arraial do Cabo: A pandemia não acabou, e vale lembrar que é possível viajar para as duas cidades respeitando os protocolos de segurança, afinal a região é rica em natureza a atividades ao ar livre.

Para quem quiser trilhas com grupos privativos, a Cactus Experiências faz a das Emerências no por-do-sol, a que leva à Ponta do Pai Vitório seguindo até a DESERTA praia dos Negros, e também a trilha para  piscinas naturais da Ferradurinha.

Já em em Arraial, a Cactus conduz o viajante por uma trilha lindíssima, que passa pelo Pontal do Atalaia Lago do Amor e pela Praia Brava. Leva em media 4h, e exige um pouco de preparo físico.

Mais uma da beleza da Arraial do Cabo
Mais uma da beleza da Arraial do Cabo / Saveiro Juan/Veja Rio

Se a ideia for fazer velas ao mar, os barcos privativos são uma opção para fugir da muvucada das escunas no verão.

  • Saindo da Armação, o barco Be Happy faz passeio de traineira pelas praias de Búzios. Sai com grupo fechado de 10 passageiros, e cobra R$200 por pessoa/hora ou R$1300 para fechar o barco pelo dia todo.
  • Já o Luis Kunz (wpp 21 98114-0110) sai de Cabo Frio com lanchas em passeios privativos de 6, 10 e 16 pessoas, por valores a partir de  R$1800 para o dia todo. Os roteiros passam por Arraial, Ilha do Papagaio e o canal de Cabo Frio.
  • Em Arraial, o Juan faz passeios privativos tanto de saveiro quanto em barcos menores. No saveiro, os passeios privativos saem pela tarde e custam a partir de R$1500. No barco menor, o tour pode ser feito em qualquer horário e custa a partir R$ 1000. Da mesma forma,  Arraial Beach Tour faz privativo com até 15 pessoas da mesma família, e cobra R$1400 na alta temporada.

Onde se hospedar em Búzios e Arraial : Em Arraial, se quiser alugar uma casa, eu adoro a cabana da Belinha , que fica em um cliff dentro do Parque Estadual da Costa do Sol, com vista para o mar por todos os lado.

Em Búzios, para grupos maiores, tem essa casa linda com piscina na Ferradurinha e esse airbnb na Ferradura. Para casais, o chalezinho no Forno funciona super bem.

Dos hoteis, o Villa de Santa além das suítes, tem a Casa de Praia, que fica separada do hotel e tem capacidade para até 12 pessoas. O Bucaneiro, a poucos passos da Rua das Pedras, também é bem gostoso.

A Casas Brancas Boutique Hotel & Spa, que segue rigidamente todos os protocolos de segurança contra o Covid-19, também é uma ótima alternativa.

A casa de Arraial: mesmo lá, é possível viajar para se conectar com natureza e manter o o isolamento
A casa de Arraial: mesmo lá, é possível viajar para se conectar com natureza e manter o o isolamento / Marcus Correa/Veja Rio
Uma outra da casa, agora mostrando a piscina. Sou apaixonada por esse lugar
Uma outra da casa, agora mostrando a piscina. Sou apaixonada por esse lugar / Marcus Correa/Veja Rio
Uma outra da casa, agora mostrando a piscina. Sou apaixonada por esse lugar
Uma outra da casa, agora mostrando a piscina. Sou apaixonada por esse lugar / Marcus Correa/Veja Rio

Ilha do Araújo

Onde fica: a Ilha do Araújo fica a 4h de carro do Rio de Janeiro, cerca de 10km antes de Paraty. Para chegar, basta seguir pela BR-101 até a Praia Grande, e lá pegar um barquinho no cais (cerca de 300 metros de travessia)

O que fazer na Ilha do Araújo:  Passear de canoa, fazer trilhas e ter contato com a cultura caiçara está entre o que fazer na Ilha do Araújo é a segunda maior ilha da região de Paraty, mas ainda assim é pequena. Tem uma parte muito turística, outra que é ocupada pelo vilarejo caiçara, e uma terceira protegida pela APA do Cairuçu.

Para quem gosta de viver o turismo comunitário sustentável, recomendo contatar seu Almir Tã, pescador nativo que leva o visitante a uma imersão na cultura local. Ele organiza passeios com visita à casa de farinha da Dona Ieda, conta histórias da vila, e termina tudo num almoço típico com peixe pescado no dia assado na folha da bananeira. É preciso reservar pelo 24 99841-8752.

Também vale visitar a vila e a igreja de São Pedro por conta própria, dar a volta na ilha pela trilha que dura 1h, e comer um pastelzinho de camarão no bar do Tubarão.

Há ainda passeio de caiaque oceânico para as ilhas próximas, como a Ventura e a Comprida no Norte, que são bem lindas. Quem faz é o pessoal do Casa da Aventura Paraty.

A Paraty Tours  faz passeios de barco privativo para as ilhas próximas, assim como o de caiaque.

O povoado histórico da Ilha do Araújo: modo de vida caiçara
O povoado histórico da Ilha do Araújo: modo de vida caiçara / Guido Nietmann fotosincriveis.com.br/Veja Rio

Onde se hospedar na Ilha do Araújo: As casas Marin (bangalô 1 e bangalô 2) ficam em lado tranquilo da Ilha do Araújo, quase o limite da Apa do Cairuçu.  Acho lindas, com  arquitetura bem típica, um gramado e um deck que dão no mar.

Outras opções são a Casa da Ilha e a Casa da Maria Helena.

Onde ficar na Ilha do Araújo: a casa com deck para o mar é garantia de isolamento no paraíso
Onde ficar na Ilha do Araújo: a casa com deck para o mar é garantia de isolamento no paraíso / Ana Bianca Marin/Veja Rio

Saco do Mamanguá:

Onde fica: o Mamanguá fica a 4h30 de carro do Rio, e mais cerca de 30 minutos de barco.

O que fazer no Mamanguá: o Saco do Mamanguá é uma região de natureza exuberante, localizado dentro da Apa do Cairuçu. É o único fiorde tropical do mundo, com um braço de mar invade o continente e rasga as montanhas, formando dezenas de micro enseadas, cachoeiras, mangues, rios de águas límpidas e trilhas pela floresta que cobre o horizonte até onde o olhar alcança.

Aqui, o sinal de celular é quase inexistente, raramente há wifi, e nada disso faz falta. O Mamanguá é um lugar para se desconectar e relaxar. O turismo não chegou forte por essas bandas e, aqui,  o ritmo dos vilarejos caiçaras de manteve e a natureza segue preservada.

Continua após a publicidade

Há trilhas que levam para todos os lugares, desde o Pico do Pão de Açúcar – caminhada pesada que leva cerca de 4h ida e volta – a outras mais leves para as praias.

O Saco da Velha, primeira parada do passeio, logo na entrada do Saco
O Saco da Velha, primeira parada do passeio, logo na entrada do Saco / Juju na Trip/Veja Rio

Recomendo fazer o passeio de barco pelas praias do Mamanguá com almoço no restaurante do Dadico (mais uma vez, com a Paraty Tours), e o caiaque pelos mangues com banho de cachoeira. No passeio de barco, tente incluir as praias do Saco da Velha e a praia do Buraco.

Onde ficar no Mamanguá: Você pode ficar no Saco do Mamanguá mesmo, ou em Paraty-Mirim (que é a 5 minutos de barco do Saco).

Nós nos hospedamos na Casa de Vidro em nossa última viagem a Paraty e Mamanguá. Recomendo muitíssimo, Fica na encosta de Paraty Mirim, é toda de madeira, pedra e enormes janelões, com piscina e deques sobre o oceano. A casa acomoda 10 pessoas.

Se quiser algo mais simples, recomendo a Casa da Areia e a Casa do Mamanguá.

Em todos os casos, os anfitriões organizam o translado de barquinho até as casas

melhores casa do Airbnb RJ: vista da casa com piscina, em Paraty
Paraíso a poucas horas do Rio: a Casa de Vidro, em Paraty Mirim. Só ela já vale a viagem / Bruno Basila/Veja Rio

 

Cunha

Onde fica: Está a 295 km de distância do Rio pela Rodovia Governador Mario Covas e BR-101, e a  46 km de Paraty pela via Paraty-Cunha.

O que fazer em Cunha:  Cunha tem paisagens verdejantes que se dividem entre a Serra da Bocaina e o Parque Estadual da Serra do Mar, esse último a maior Unidade de Conservação de toda a Mata Atlântica. Ao todo, são 232 mil hectares que vão do Rio até o litoral sul São Paulo. O núcleo de Cunha corresponde a 13,3 mil hectares e abriga uma das porções de maior biodiversidade do parque. Isso quer dizer dezenas de trilhas e cachoeiras.

Delas, sugiro a do Jericó, a do Pimenta, a do Taboão e a do Pimenta. Porém, recomendo um de 4×4 para não passar perrengue, porque as estradas são cheias de pedra e buracos. Se estiver com carro baixo, não arrisque e contrate uma agência.

Viagem de carro a menos de 6 horas do Rio: Cunha tem um povoado gostoso e dezenas de cachoeiras
Viagem de carro a menos de 6 horas do Rio: Cunha tem um povoado gostoso e dezenas de cachoeiras / CunhaTur/Veja Rio

Se for do time dos trilheiros, tem o Pico da Macela, uma caminhada puxada que leva ao topo do morro. De lá, tem-se a vista de todo o litoral.

Cunha também é conhecida como a terra dos ceramistas e abriga dezenas de ateliês. Vale fazer o roteiro, porque as peças são lindíssimas e feitas com a milenar técnica japonesa. Se quiser ir em um lugar apenas, rume para a Casa do Artesão, onde são vendidos produtos de vários artesãos e ceramistas locais.

A vista para quem chega até o Pico da Macela: esforço retribuído
A vista para quem chega até o Pico da Macela: esforço retribuído / Cunhatur/Veja Rio

Onde se hospedar em Cunha: Entre os airbnbs em Cunha, tem a casa da campo do Valter, a 3km do povoado, e o Chalé São Jorge.

Um pouco mais distante do povoado, no caminho entre Paraty e Cunha, tem a Casa do Denis ( com uma vista linda), a casa Manacá  (essa mais para o lado de Paraty) e a Cabana com cachoeira (que eu amo!). Se estiver em casal e quiser uma opção em conta e charmosa, recomendo o Chalé da Mata.

Já das pousadas, gosto da Candeias e do Pouso Caminho das Artes.

Casa no Caborê: hospedagem segura entre Paraty e Cunha, perto do mar e da montanha
Casa no Caborê: hospedagem segura entre Paraty e Cunha, perto do mar e da montanha / Airbnb/Veja Rio
E a cabana super charmosa no meio da floresta
E a cabana super charmosa no meio da floresta. / Airbnb/Veja Rio

Picinguaba e Praia do Félix, Ubatuba

Onde fica: Pouco depois de Paraty-Mirim, seguindo pela Rio-Santos, fica Picinguaba e  Praia do Félix, já para as bandas de São Paulo, em Ubatuba, e dois destinos de praia belíssimos. A distância entre Picinguaba e Praia do Félix é de 36 km.

O que fazer em Pincinguaba e Praia do Félix: Pincinguba é um vilarejo do pescador, naquele esquema que foi Trindade há uns 20 anos. Uma única rua com alguns restaurantes, praia com barquinhos, e ponto final.

A Praia do Félix segue na mesma vibe, e é uma praia no meio de um vale coberto de floresta. É linda! Um ponto extra a favor dela é a Praia do Português, acessível por uma micro trilha.  Já no canto esquerdo há uma trilha de vinte minutos que leva à Praia das Conchas, que se destaca pelo mar transparente e também pela areia formada praticamente só por conchas. 

Os dois locais são uma boa escolha para quem quer relaxar numa praia gostosa recortada pela paisagem das montanhas e florestas do litoral de Ubatuba. Vale dizer ainda que, tanto Pici quanto Félix, são boas para banho, surfe, e ponto de partida para passeios de barco. O roteiro mais bacana passa por Prumirim, Ilha das Couves, Ilha Rapada, Celinha e praia da Fazenda.

De novo, recomendo o privativo, e quem faz é o Marcelo (12 99764-2453) e o Paulo (12 99704-9420). Custa a partir de R$1200,  o dia todo, para até 7 pessoas.

A praia do Português
A praia do Português / @__thiagosantos/Veja Rio
A praia do Felix no canto direito
A praia do Felix no canto direito / Feix Jungle Ldge/Veja Rio
E o surfe no canto esquerda da Praia do Felix: boas formações
E o surfe no canto esquerda da Praia do Felix: boas formações / Feliz Jungle Lodge/Veja Rio

Onde se hospedar:  eu adoro a  Casa Araucária, um airbnb delicioso na Praia do Félix, com um piscina de fundo infinito com vista para a baía, deck, varanda. Em Pincinguaba, uma opção é a pousada Residence Picinguaba e os airbnb Casa Picinguaba.

Quem quiser esticar um pouco, pode ficar  nesse airbnb lindo em Ubatuba.

Airbnb em Ubatuba
A casa, vista a partir da praia / Airbnb Casa Araucária/Veja Rio
airbnb praia do felix 2
Clima praiano e vibe boa / Airbnb Casa Araucária/Veja Rio
airbnb praia do felix
E a vista dessa piscina? / Airbnb Casa Araucária/Veja Rio
Continua após a publicidade
Publicidade